Parque Nacional de Doñana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Parque Nacional Doñana
Categoria II da IUCN (Parque Nacional)
Observatório de aves de El Acebuche
Localização
Localização Andaluzia
País Flag of Spain.svg Espanha
Localidade mais próxima Sanlúcar de Barrameda
Dados
Área &0000000000054252.00000054 252 hectares (542 5 km2)
Criação 16 de outubro de 1969 (46 anos)
Visitantes 392 958 (em 2007)
Gestão Junta da Andaluzia
Coordenadas 36° 56' 51" N 6° 21' 31" O
Parque Nacional Doñana está localizado em: Espanha
Parque Nacional Doñana
Nome oficial: Parque Nacional de Doñana
Tipo: Natural
Critérios: vii, ix, x
Designação: 1994 (18ª sessão)
Referência: 685
País: Flag of Spain.svg Espanha
Região: Europa
Nome oficial: Parque Nacional de Doñana
Designação: 4 de maio de 1982
Nome oficial: Reserva da Biosfera de Doñana
Designação: 1980
Referência: SPA-04
Região: Europa e América do Norte

O Parque Nacional de Doñana está situado na parte sul da Província de Huelva, Andaluzia, e estende-se por três províncias: Huelva, Sevilha e Cádis. Doñana é a maior reserva biológica da Espanha e também de toda a Europa, contando com uma extensão enorme de área protegida, com mais de 50 000 hectares.

Foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1994.

História[editar | editar código-fonte]

O parque recebeu esse nome porque Doña Ana era o nome da filha da princesa de Éboli e seu marido, o Duque de Medina-Sidonia), que era o líder da Invencível Armada. E assim, sempre que conquistavam ou compravam novos territórios, eles os chamavam de "El Bosque de Doña Ana". O nome Doñana surgiu apenas depois do século XVI. Doñana era centro de muita atenção em tempo remotos, recebendo visitas de figuras muito importantes. Felipe IV, o Duque de Olivares, Quevedo e a esposa de Napoleão III foram alguns de seus ilustres visitantes.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do Parque Nacional de Doñana é suave, de tipo mediterrâneo. O clima mediterrâneo se caracteriza por ter invernos úmidos e verões secos. A chuva é mais presente nas estações intermédias (primavera e outono). A temperatura local é, durante todo o ano, de 15°C.

Fauna[editar | editar código-fonte]

No total, no Parque Doñana foram catalogados 20 espécies de peixes de água doce, 11 de anfíbios, 21 de répteis, 37 de mamíferos não marinhos e 360 aves, das quais 127 se reproduzem habitualmente no Parque.

Algumas Espécies[editar | editar código-fonte]

Lince-ibérico[editar | editar código-fonte]

Quase invisível entre a folhagem, o lince-ibérico é um animal que poucas pessoas se podem gabar de já ter visto.

O lince ibérico, embora não seja considerado um gato, possui muitas semelhanças com esse felino, não só na sua aparência, mas também no seu comportamento. Eles correm, pulam e surpreendem suas presas com uma agilidade admirável e, ainda assim, conseguem ser silenciosos e imprevisíveis, tendo a habilidade de aparecer e desaparecer quase sem nos darmos conta.

São animais de cabeça redonda, focinho curto e dentes afiados, adaptados para cortar carne. Além disso, têm cinco dedos nos membros anteriores e quatro nos posteriores, que terminam com suas garras retráteis. Eles se apoiam apenas nas extremidades das patas.

Nota-se também que possuem membros altos e vigorosos, com patas que parecem desproporcionadamente grandes e os quartos traseiros mais altos que o resto do dorso, o que lhe dá um porte altivo e robusto.

O lince ibérico pode ser confundido com o meio ambiente devido a sua pelagem amarela acastanhada com tons cinzentos e sarapintada de preto.

Plano de conservação dos linces[editar | editar código-fonte]

Esse disfarce tem como objetivo principal acabar com a ameaçada à população dos linces-ibéricos do Parque Nacional de Doñana, fazendo com que esses animais recuperem-se em quantidade, permitido-lhes uma estabilidade em seu número, o que possibilitaria a sua procriação e expansão para outras áreas.

Para que isso aconteça é realizado um controle sobre a qualidade de seu habitat, onde deve haver uma grande população de coelhos, o seu principal alimento.

Hoje em dia, o lince-ibérico é considerado o felino mais ameaçado de extinção em todo o planeta.

Flora[editar | editar código-fonte]

A flora existente no Parque Doñana é muito diversificada, são mais de 900 espécies de plantas. Isso ocorre graças aos diferentes tipos de ecossistemas, tanto aquáticos como terrestres, que podem ser encontrados no parque.

No ano 2000 a organização UINC incluiu algumas espécies ou raras ou singulares do parque para a "Lista Vermelha da Flora Vascular Espanhola" (Lista Roja de La Flora Vascular Española).

No Parque Nacional de Doñana podemos encontrar uma variedade muito grande e diversificada de flora .Algumas das principais árvores e arbustos que podem ser encontradas:

Marismas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Marismas do Guadalquivir

Problemas do meio ambiente[editar | editar código-fonte]

Porto de Huelva

Desde o desastre de Aznalcóllar, uma descarga de resíduos tóxicos ocorrida em 1998, a conscientização sobre os problemas a que os espaços naturais estavam sujeitos aumentou. Diversos cientistas começaram a buscar novas maneiras para preservar a fauna e a flora.

Outro dos problemas foi a construção de um oleoduto entre Estremadura e o Porto de Huelva, o que aumentou o número de barcos que frequentavam a zona.

Mesmo com alguns problemas ambientais o Parque Nacional de Doñana não tem quase nenhum vestígio de intervenção humana, na verdade só há um. É a Torre Carboneras, uma pequena torre de vigilância, datada do século XVI.

Estação Biológica Doñana[editar | editar código-fonte]

Parque Doñana

A Estação Biológica de Doñana ou EBD é um centro dedicado ao estudo da ecologia terrestre.

Ele foi criado em 1964 graças ao Governo da Espanha e WWF (World Wide Fund for Nature) para garantir a investigação científica sobre os ecossistemas regionais, nacionais e internacionais.

A EBD distribui-se por um centro de investigação em Sevilha, em Almonte e Parque Natural das Serras de Cazorla, Segura e Las Villas na província de Jaén.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]