Língua chamorro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde julho de 2016). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Chamorro (Chamorro)
Falado em: Guam, Ilhas Marianas do Norte
Total de falantes: 60.000
Família: Austronésia
 Malaio-Polinésia (MP)
  Línguas malaio-polinésias nucleares
   Línguas Sunda-Sulawesi
    Chamorro
Escrita: Alfabeto latino
Estatuto oficial
Língua oficial de: Territórios Americanos ultramarinos
Códigos de língua
ISO 639-1: ch
ISO 639-2: cha
ISO 639-3: cha

Chamorro é uma língua de base austronésia e malaio-polinésia, com influência espanhola falada na ilha de Guam e nas ilhas Marianas do Norte, na Oceania.

Assim como no espanhol também tem em seu alfabeto a letra Ñ. O chamorro possui uma grande quantidade de palavras procedentes do castelhano (aproximadamente 50% do vocabulário), mas ao contrário deste se pode considerar realmente um espanhol crioulo: o chamorro também usa geralmente vocabulários emprestados do estilo micronésio (por exemplo: bumobola, «jogar com a bola»).

O chamorro pode também ser considerado uma língua mista hispano-austronésia ou, ao menos, uma língua que surgiu de um processo de contato e de crioulização nas ilhas Marianas. O chamorro moderno tem em sua gramática numerosos elementos de origem espanhola: verbos, artigos, preposições, numerais, conjunções... Esse processo, que começou no século XVII e terminou em princípios do século XX, significou uma mudança profunda no chamorro antigo (proto-chamorro) para o chamorro moderno (neo-chamorro), em sua gramática, fonologia e sintaxe[1].

O chamorro atual, entre os jovens, já mostra uma grande influência do inglês e se existe uma crescente tendência de mesclar chamorro e inglês na conversação.

Linguagem Chamorro espalhada pelos EUA.

Existe aproximadamente 50.000 falantes de chamorro ao longo das ilhas Marianas, em Guam e nas ilhas Marianas do Norte (Saipan, Rota, Tinian). Existem também, alguns falantes de chamorro que emigraram para o Havaí, Califórnia e outras partes dos Estados Unidos.

As línguas mais parecidas com o chamorro se encontram nas Filipinas.

Alfabeto[editar | editar código-fonte]

, A, Å, B, Ch, D, E, F, G, Gu, H, I, K, L, M, N, Ñ, Ng, O, P, R, S, T, U, Y

Note que A e Å frequentemente não se diferencia no chamorro escrito, escrevendo-se ambas como 'A'; assim como às vezes tampouco se diferenciam N e Ñ. Entretanto, a escrita em livros e textos ou publicações oficiais existe o cuidado de se fazer diferenciar.

Números[editar | editar código-fonte]

Atualmente, é comum, em chamorro, usar somente palavras de origem espanhola ao referir-se a números: unu, dos, tres etc.. O chamorro antigo usa diferentes palavras para referir-se a números dividindo-os em categorias: "números básicos" (para data, hora etc.), "coisas vivas", "objetos inanimados" e "objetos longos":

Português Chamorro Moderno Chamorro Antigo: Números básicos Chamorro Antigo: Coisas vivas Chamorro Antigo: Objetos inanimados Chamorro Antigo: Objetos longos
um unu/una (tempo) hacha maisa hachiyai takhachun
dois dos hugua hugua hugiyai takhuguan
três tres tulu tato to'giyai taktulun
quatro kuatru fatfat fatfat fatfatai takfatun
cinco sinku lima lalima limiyai takliman
seis seis gunum guagunum gonmiyai ta'gunum
sete sieti fiti fafiti fitgiyai takfitun
oito ochu gualu guagualu guatgiyai ta'gualun
nove nuebi sigua sasigua sigiyai taksiguan
dez dies manot maonot manutai takmaonton
cem sien gatus gatus gatus gatus/manapo

(Os números de duas casas decimais, começando do 10, são: dies (10), bente(20), trenta (30), kuarenta (40), singkuenta (50), sisenta (60), sitenta (70), ochenta (80), nubenta (90))

Expressões comuns em chamorro[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rafael Rodríguez-Ponga, Del español al chamorro: Lenguas en contacto en el Pacífico. Madrid, Ediciones Gondo, 2009, www.edicionesgondo.com

Ligações externas[editar | editar código-fonte]