Marianas Setentrionais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Commonwealth of the Northern Mariana Islands
Comunidade das Ilhas Marianas do Norte
Bandeira das Marianas Setentrionais
Selo das Marianas Setentrionais
Bandeira Selo

Localização  Comunidade das Ilhas Marianas Setentrionais

Capital Saipan
15°45'S 17°11'N146°45′E
Língua oficial Inglês, chamorro, carolínio
Governo Democracia representativa
 - Presidente Barack Obama
 - Governador Eloy Inos
 - Vice-governador Jude Hofschneider
Independência Em união com os Estados Unidos 
 - Pacto 1975 
 - Estatuto 1978 
 - Final de curadoria 1986 
Área  
 - Total 477 km² km² 
População  
 - Estimativa de 2007 86,616 hab. (31.º)
 - Censo Julho hab. 
 - Densidade 168/km2 hab./km² 
Moeda dólar americano (USA)
Fuso horário (UTC+10)
Clima Tropical
Cód. ISO MNP
Cód. Internet .mp
Cód. telef. +1-670

As ilhas Marianas Setentrionais ou Ilhas Marianas do Norte, com a designação oficial de Comunidade das Ilhas Marianas Setentrionais (em inglês: Commonwealth of the Northern Mariana Islands, abreviado para CNMI), são um "estado livremente associado" aos Estados Unidos, situado na Micronésia, que compreende 14 ilhas do arquipélago das Marianas.

Faz divisa, ao norte com as Ilhas Vulcano e ilha Marcus e outros territórios do Japão, ao sul com a dependência norte-americana de Guam e com os Estados Federados da Micronésia.

História[editar | editar código-fonte]

As ilhas foram “descobertas” por Fernão de Magalhães em 1521, que as declarou colónia espanhola e as apelidou de "Las Islas de los Ladrones", (Ilhas dos Ladrões), aparentemente porque os nativos não eram amistosos. Em 1668 o nome das ilhas foi mudado para Las Marianas, em homenagem a Mariana da Áustria, viúva do rei Filipe IV de Espanha.

Praticamente toda a população nativa foi exterminada durante o domínio espanhol e, mais tarde, foram repovoadas por nativos doutras ilhas da Micronésia. A colónia espanhola foi vendida à Alemanha em 1899 e tomada pelos japoneses em 1914, que a tornaram numa zona militar. Durante a Segunda Guerra Mundial, os “Marines” aterraram ali a 15 de Junho de 1944 e ganharam a Batalha de Saipan, que durou 3 semanas.

Depois da derrota do Japão, as ilhas passaram a ser administradas pelos EUA, como parte do Protectorado das Ilhas do Pacífico das Nações Unidas, num mandato da ONU, a partir de 1947. Na década de 1970, os seus habitantes decidiram-se, não a favor da independência, mas de laços mais fortes com os EUA e, a 1 de Janeiro de 1978 foi aprovada a constituição do seu estatuto atual.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Anatahan
Northern Mariana Islands map.gif

As Ilhas Marianas constituem um arco vulcânico no encontro das placas tectónicas das Filipinas e do Pacífico. Na vertente oriental deste arco encontra-se a Fossa das Marianas, onde foi detetada a maior profundidade dos oceanos - 10 924 m.

As ilhas são, de sul para norte: Saipan, Tinian, Rota, Aguijan, Farallón de Medinilla, Anatahan, Sarigan, Guguan, Alamagan, Pagan, Agrihan, Asunción, Ilhas Maug e Farallón de Pájaros. As únicas com população permanente são Saipan, Tinian e Rota.

As ilhas do norte têm vulcões activos, enquanto as do sul são cobertas por terraços coralinos. O clima é tropical marítimo.

Dados[editar | editar código-fonte]

Área: 477 km²

População: 74.612

Densidade Demográfica: 156,4 h/km²

Capital: Saipan

Religião: Cristianismo (81,3%)

Benigno Fitial, Governador das Marianas Setentrionais entre 2006 e 2010.

Principais Cidades[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.