Torre dos Asinelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Torre dos Asinelli
2tours bologne 082005.jpg

Torre dos Asinelli (à direita)

História
Desenvolvedor
Família Asinelli
Período de construção
Abertura
1119 (901 anos)
Status
Em uso
Uso
Torre de observação
Arquitetura
Telhado
97,2 m (319 ft)
Altura do último andar
498 degraus
Altura
97,2 mVisualizar e editar dados no Wikidata
Pisos
33 (equivalente)
Administração
Website
Localização
Localização
Endereço
Coordenadas

A Torre dos Asinelli (Torre degli Asinelli /ˈtore ˈdeʎi aziˈnɛli/ em italiano) é a mais alta das duas torres de Bolonha, símbolo da cidade, localizada na intersecção das ruas que levam aos cinco portais das antigas muralhas da "cidade das torres". A construção, com 97,2 m de altura, é considerada a torre inclinada mais alta de Itália, com uma inclinação de 1,3° a partir do eixo vertical.

História[editar | editar código-fonte]

No final do Século XII Bolonha assistiu o surgimento de centenas de torres militares e de famílias nobres. Asinelli, a mais alta, tradicionalmente deve seu nome e construção à uma família nobre da cidade, os Asinelli, entre 1109 e 1119.[1] Os poucos documentos preservados até hoje mencionem a família Asinelli em associação com a construção da famosa torre pela primeira vez apenas em 1185, quase 70 anos após a data oficial da construção em registros do arquivo da cidade.

A Torre dos Asinelli à direita.

Acredita-se que a Torre dos Asinelli inicialmente era muito mais alta (no topo das paredes são de uma espessura que permite a construção de outros 20 a 25 metros em altura). A cúpula que vemos hoje foi uma adaptação da época Bentivolesca (1488) que a reduziu para os atuais 97,2 m e com um beiral de 2,3 m. A cidade tornou-se proprietária da torre no século XIV e a usou como prisão e fortaleza. Na mesma época foi construído a redor da torre um edifício de madeira, à trinta metros do chão e se unia à torre Garisenda através de uma passarela (destruído por um incêndio em 1398). Diz-se que o edifício foi construído por Giovanni Visconti, duque de Milão, para vigiar o turbulento mercado Mezzo (hoje Via Rizzoli e ruas circundantes) e ser capaz de dominar qualquer tumulto. Na época, Visconti tinha tomado o poder em Bolonha após a queda do senhorio de Pepoli, o que o fez impopular.

A escadaria interna da Torre dos Asinelli

Danos graves foram causados à torre ​​por raios que muitas vezes causam incêndios e pequenos colapsos, só em 1824 a torre recebeu um pára-raios. Há documentado, pelo menos, dois incêndios graves aos quais a torre sobreviveu: o primeiro em 1185 (intencional) e o segundo incêndio em 1398, já mencionado anteriormente.

Os Cientistas Giovanni Battista Riccioli (em 1640) e Giovanni Battista Guglielmi (no século seguinte) usaram a torre para experiências com a gravidade e a rotação terrestre.[2]

Recentemente a torre dos Asinelli era um repetidor de transmissão do canal de televisão RAI. Durante a Segunda Guerra Mundial, entre 1943 e 1945, foi usada como torre de observação. Quatro voluntários permaneciam no topo da torre observando o espaço aéreo e orientavam as tropas aliadas em bombardeios às tropas inimigas. [3]

Hoje[editar | editar código-fonte]

Hoje em dia a Torre dos Asinelli tem uma bilheteria para visitação. Dentro pode-se subir as escadas de madeira até o topo, ao longo de 498 degraus. Do terraço há uma vista panorâmica de toda cidade e arredores. No piso térreo da torre encontram-se algumas lojas de artesanato, para recordar a velha função comercial da área.

Vista da praça Ravegnana a partir do topo da Torre dos Asinelli

Desde 28 de novembro de 2015, a Torre dos Asinelli e sua vizinha são iluminadas por um sistema de iluminação especial, que permite a visibilidade de todos os cantos do Bologna.[4]

Notas

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Le torri di Bologna. Quando e perché sorsero, come vennero costruite, chi le innalzò, come scomparvero, quali esistono ancora, a cura di Giancarlo Roversi (con testi di F. Bergonzoni, C. De Angelis, P. Nannelli, M. Fanti, G. Fasoli, P. Foschi, G. Roversi) 1989, Edizioni Grafis, Bologna;
  • Rocchetta della Torre degli Asinelli, a cura di Francisco Giordano (con testi di: R. Scannavini, F. Bergonzoni, S. Martinuzzi, F. Giordano), 1998, ed. Costa, Bologna;
  • La torre Garisenda, a cura di Francisco Giordano (con testi di: F. Bergonzoni, A. Antonelli, R. Pedrini, F. Giordano, M. Veglia, M. Tolomelli, G. Bitelli, G. Lombardini, M. Unguendoli, L. Vittuari, A. Zanutta, C. Ceccoli, P. Diotallevi, P. Pozzati, L. Sanpaolesi, G. Dallavalle), 2000, ed. Costa, Bologna.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]