Tricocisto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Paramecium tetraurelia, um ciliado, com os tricocistos descarregados (coloridos artificialmente em azul).

Um tricocisto[1] é um organelo que se encontra em ciliados[2][3] e dinoflagelados.[4]

É uma estrutura no córtex de determinados protozoários ciliados e flagelados que consiste numa cavidade e filamentos compridos e finos que podem ser ejectados em resposta a certos estímulos. Os tricocistos podem estar amplamente distribuídos por todo o micro-organismo ou em certas áreas restritas (por exemplo, em tentáculos, papilas ou ao redor da boca). Existem vários tipos. Os tricocistos mucóides são inclusões alongadas que podem ser ejectados como corpos visíveis depois duma estimulação artificial. Os tricocistos filamentosos em Paramecium e outros ciliados são descarregados como filamentos compostos por um caule com estriações cruzadas e uma ponta. Os toxicistos (em Dileptus e certos protozoários carnívoros) tendem a estar localizados ao redor da boca. Quando descarrega um toxicisto, expele um longo filamento não estriado com extremidade em forma de farpa, que paralisa ou mata outros micro-organismos; este filamento é utilizado para capturar alimento e, presumivelmente, para defesa.

A importância funcional doutros tricocistos não é clara, embora os de Paramecium aparentemente possam ser extrudidos para ancorar-se ao substrato durante a alimentação.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ciliado». Infopédia. Consultado em 24 de junho de 2018. 
  2. Madeddu, L.; Gautier, M. C.; Vayssié, L.; Houari, A.; Sperling, L. (1995). «A large multigene family codes for the polypeptides of the crystalline trichocyst matrix in Paramecium». Molecular Biology of the Cell. 6 (6): 649–659. PMC 301226Acessível livremente. PMID 7579685. doi:10.1091/mbc.6.6.649 
  3. Pease, D. C. (1947). «The structure of trichocysts revealed by the electron microscope». Journal of Cellular Physiology. 29 (1): 91–94. PMID 20285925. doi:10.1002/jcp.1030290109 
  4. Miller, J. J.; Delwiche, C. F.; Coats, D. W. (2011). «Ultrastructure of Amoebophrya sp. And its Changes during the Course of Infection». Protist. 163: 720–745. PMID 22209083. doi:10.1016/j.protis.2011.11.007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]