Paramecium

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaParamecium
Paramecium aurelia

Paramecium aurelia
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Chromalveolata
Superfilo: Alveolata
Filo: Ciliophora
Classe: Oligohymenophorea
Ordem: Peniculida
Família: Parameciidae
Género: Paramecium
Müller, 1773
Espécies
Ver texto
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Paramecium

Paramecium é um género bem conhecido de protozoários ciliados[1], com dimensões entre 50 e 300 micra, dependendo das espécies. O corpo das paramécias é coberto de cílios simples, mas o sulco oral (a "boca") contém pequenos cílios orais compostos, que são típicos da ordem Peniculida. As paramécias habitam a água doce e são especialmente frequentes em pequenas poças de água suja (por exemplo, perto de estábulos).Pode ingerir cerca de 5.000.000 protozoários em 24 horas.

Fisiologia do Paramecium[editar | editar código-fonte]

Esquema de Paramecium

O Paramecium, como protozoário cilíado tem características peculiares a serem definidas. Por exemplo, além de os cílios ajudarem na sua locomoção, são também usados para trazer alimentos para dentro do citóstoma onde serão fagocitados após passar pela citofaringe.

Os organismos citoplasmáticos contituintes do Paramecium são:

Reprodução[editar | editar código-fonte]

O paramecium tem reprodução sexuada realizada por meio de conjugação, que se dá em etapas.

Primeiro os paramécios ligam-se pelos citóstomas.

O macronúcleo dos dois paramécios degeneram, e os seus micronúcleos(2n) por meio de meiose geram quatro novos micronúcleos haploides.

Desses oito novos micronúcleos formados, seis se degeneram, sobrando apenas um em cada paramécio. Logo esses que sobraram sofrem mitose e geram dois, que são trocados pelos paramécios entre si por meio do citóstoma.

Dentro do paramécio esses micronúcleos juntam-se formando a ploidia 2n novamente. Os paramécios separam-se.

Depois disso,os micronúcleos sofrem duas mitoses sucessivas, que geram quatro micronúcleos diploides. Dois desses desenvolvem para Macronúcleos, e dois continuam sendo o que eram. A célula sofre bipartição gerando dois paramécios e finalizando o processo sexuado.

O processo assexuado é simples. Ocorre por meio de cissiparidade ou bipartição, ou seja o paramécio duplica seus núcleos e se divide, gerando cópias de si.

A reprodução por divisão leva cerca de duas horas.


Locomoção[editar | editar código-fonte]

O Paramecium é um himenostomado.  É um livre-natante de águas estagnadas (encontrado em água doce e fundos lodosos onde há matéria orgânica em decomposição), de movimentos rápidos por causa dos cílios.  A corrente continua de água que os cílios provocam também se envolve na sua alimentação, que se compõe de algas e bactérias microscópicas, ou, algumas poucas gotas de leite por dia. 

Lista de especies[editar | editar código-fonte]

O género Paramecium foi descrito pela primeira vez no século XVIII, mas a divisão em espécies ainda não está completamente esclarecida - por exemplo, P. aurelia foi recentemente dividida em 14 espécies. A lista seguinte contém espécies geralmente reconhecidas:

  • P. aurelia Ehrenberg, 1838
  • P. bursaria (Ehrenberg) Focker, 1836
  • P. calkinsi Woodruff, 1921
  • P. caudatum Ehrenberg, 1838
  • P. duboscqui Chatton and Brachon, 1933
  • P. jenningsi Diller & Earl, 1958
  • P. multimicronucleatum Powers & Mitchell, 1910
  • P. nephridiatum von Gelei, 1925
  • P. polycaryum Woodruff, 1923
  • P. putrinum Claparede & Lachmann, 1858
  • P. trichium Stokes, 1885
  • P. woodruffi Wenrich, 1928

Cultura de paramécio[editar | editar código-fonte]

São criados em recipientes de vidros ou garrafas de 2 L, com certa facilidade, em culturas com folhas de alface ou de couve, secas ao sol, em infusão na água, se possível estagnada.  Vive em média 13 dias. São o alimento inicial ideal para alevinos[2].

Referências

  1. HADORN, C. & WEHNER, R. – Zoologia Geral . 20ª Ed., Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian
  2. http://br.geocities.com/pjbettas/Alimentosvivos.htm