Tubérculo de Darwin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tubérculo de Darwin
Darwin-s-tubercle.jpg
Esquerda: Tubérculo de Darwin. Direita: A ponta homóloga no macaco.
Tubérculo de Darwin (hélice)

O tubérculo de Darwin (ou tubérculo auricular) é uma condição congênita do ouvido que geralmente se apresenta como um espessamento da hélice na junção dos terços superior e médio.

História[editar | editar código-fonte]

Digitalização da Figura 2, do livro A Descendência do Homem e Seleção em Relação ao Sexo, segunda edição, ilustrando o tubérculo de Darwin.

Essa característica atávica é assim denominada porque sua descrição foi publicada pela primeira vez por Charles Darwin nas páginas de abertura de A Descendência do Homem e Seleção em Relação ao Sexo, como evidência de uma característica vestigial indicando ancestralidade comum entre primatas que têm orelhas pontudas. No entanto, o próprio Darwin a chamou de ponta Woolneriana, em homenagem a Thomas Woolner, um escultor britânico que a representara em uma de suas esculturas e que primeiro teorizou como uma característica atávica. [1]

Prevalência[editar | editar código-fonte]

A estrutura está presente em aproximadamente 10,4% da população adulta espanhola, 40% dos adultos indianos e 58% das crianças em idade escolar suecas. [2] [3] [4] [5] Este nódulo acuminado representa a ponta da orelha do mamífero. A característica pode ser potencialmente bilateral, ou seja, presente nas duas orelhas ou unilateral, onde está presente em apenas uma orelha. Existem evidências mistas sobre se a expressão bilateral ou unilateral está relacionada à população ou a outros fatores. Algumas populações expressam bilateralidade total, enquanto outras podem expressar tanto unilateral quanto bilateralidade. No entanto, a bilateralidade parece ser mais comum do que a unilateralidade, no que se refere à expressão da característica. [6] [7] [8] [9]

Herança[editar | editar código-fonte]

Inicialmente pensou-se que o gene para o tubérculo de Darwin fosse herdado em um padrão autossômico dominante com penetrância incompleta, o que significa que aqueles que possuem o alelo (versão de um gene) não necessariamente se apresentarão com o fenótipo. [10] No entanto, estudos genéticos e familiares demonstraram que a presença do tubérculo de Darwin pode ser mais provável de ser influenciada pelo ambiente ou por acidentes de desenvolvimento do que unicamente pela genética. [11] [12] [5]

Ainda não clareza se a característica tem relação com o dimorfismo sexual. Em alguns estudos, existem dados claros de que o tubérculo de Darwin não está associado ao sexo. [7] [6] Em contraste, outros indicam que existe uma correlação com o dimorfismo sexual entre homens e mulheres, onde os homens tendem a ter mais o tubérculo do que as mulheres em algumas populações. [3] Dois outros estudos indicam que homens mais velhos tendem a ter maior expressão do tubérculo de Darwin do que mulheres mais velhas. [13]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Millard. «Darwin's Tubercle Belongs to Woolner». Archives of Otolaryngology. 91: 334–335. ISSN 0003-9977. doi:10.1001/archotol.1970.00770040492005 
  2. «An anthropometric study of the ear in an adult population». International Journal of Anthropology. 1: 135–43. 1986. doi:10.1007/BF02447350 
  3. a b Singh. «Observations of external ear—an Indian study». HOMO: Journal of Comparative Human Biology: 461–472 
  4. Hildén. «Studien über das Vorkommen der darwinschen Ohrspitze in der Bevölkerung Finnlands». Fennia: 3–39 
  5. a b «Myths of Human Genetics: Darwin's tubercle». udel.edu 
  6. a b Gurbuz. «The variations of auricular tubercle in Turkish people. Institute of Experimental Morphology and Anthropology». Acta Morphol. Anthropol. 10: 150–156 
  7. a b Rubio. «Anthropological study of ear tubercles in a Spanish sample». HOMO: Journal of Comparative Human Biology. 66: 343–356. doi:10.1016/j.jchb.2015.02.005 
  8. Bean. «Some characteristics of the external ear of American Whites, American Indians, American Negroes, Alaskan Eskimos, and Filipinos». American Journal of Anatomy. 18: 201–225 
  9. Singh. «Hypertrichosis pinnae auris, Darwin's tubercle and palmaris longus among Khatris and Baniyas of Patiala, India». Acta Genet. Med. Gemellol. (Rome). 26: 183–184 
  10. «Vestigial organs: Remnants of evolution». New Scientist. 198. 42 páginas. 2008. doi:10.1016/S0262-4079(08)61231-2 
  11. Quelprud. «Zur erblichkeit des darwinschen höckerchens». Zeitschrift für Morphologie und Anthropologie. 34: 343–363 
  12. Beckman. «An evaluation of some anthropological traits used in paternity tests». Hereditas: 543–569 
  13. Vollmer. «The shape of the ear in relation to body constitution». Arch. Pediatr. 54: 574–590