Um er-Rasas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Um er-Rasas (Kastrom Mefa'a) *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Umm Rasas House ruins.JPG
País Jordânia
Critérios (i)(iv)(vi)
Referência 1093
Coordenadas 31° 30′ N 35° 55′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 2004  (28ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Um er-Rasas,[1] também conhecido por Kastrom Mefa'a[2] é um sítio arqueológico jordano que contém ruínas de civilizações romanas, bizantinas e muçulmanas. Está localizado a 30 km a sudeste de Madaba, no centro da Jordânia. Já foi acessado pelos ramos da Rota Comercial dos Reis e está localizado na região de estepe semi-árida do deserto jordano. O local foi referido como o assentamento bíblico de Mephaat no Livro de Jeremias. O exército romano usou o local como uma guarnição estratégica, mas depois foi convertido e habitado por comunidades cristãs e islâmicas. Em 2004, o local foi inscrito como Património da Humanidade pela UNESCO,[3] e é valorizado pelos arqueólogos pelas extensas ruínas dos períodos romano, bizantino e muçulmano. Studium Biblicum Franciscanum[4] realizou escavações no extremo norte do local em 1986, mas grande parte da área permanece enterrada sob detritos.

A maior parte do site não foi escavada, tendo sido descoberto até ao momento um acampamento ligado a Limes Arabicus e várias igrejas.

No final do século IV, o castrum romano foi ocupado por uma unidade de cavalaria das legiões romanas. Essas tropas foram separadas por Diocleciano, após a reorganização das fronteiras subsequentes à guerra contra a rainha Zenobia de Palmira, conquistada por Aureliano em 272.[5]

Historia[editar | editar código-fonte]

Especialmente durante tempos da Idade do Bronze, da Idade do Ferro e das épocas romanas-bizantinas, densas populações habitaram o local até às regiões topográficas além das costas ocidentais da habitadas Mar Morto .[6] Entre esses assentamentos antigos, Mefaate foi mencionado nos textos bíblicos como uma das cidades do planalto para ser condenada a uma destruição (Jr 48:21).[7] Muitos dos ramos da Rota Comercial dos Reis forneceram um meio para alcançar as antigas cidades mais remotas, tendo a rota principal servido como o precursor da Via Trajana, construída pelo imperador romano Trajano (53-117).[7] Esta estrada com muitos ramos facilitou a viagem e os acampamentos militares romanos foram estabelecidos na estrada como uma medida defensiva contra os ataques bárbaros através da fronteira do deserto romano conhecido como o Limes Arabicus. Eusebio de Cesarea identificou Mefaate como um acampamento do exército romano perto do deserto em sua Onomasticon (K.128: 21).[8] Além disso, a escavação e descoberta de uma igreja bizantina no local expõe uma inscrição de nomenclatura da área como Castron Mephaa, apoiando ainda mais a teoria de que Um er-Rasas e Mefaate são o mesmo local.[9]

Mosaicos[editar | editar código-fonte]

Representación de un pescador.

A descoberta mais importante no local foi o piso em mosaico da Igreja de São Estêvão. Foi feito em 785 e descoberto em 1986. O piso em mosaico perfeitamente preservado é o maior da Jordânia. No painel central, caça e pesca cenas são representadas enquanto outro painel ilustra as cidades mais importantes da região, incluindo Filadélfia (Amã), Madaba, Esbounta (Heshbon), Belemounta (Ma'an) Areopolis (Ar-Rabba), Charac Moaba (Al-Karak), Jerusalém, Nablus, Caesarea e Gaza. O quadro de mosaico é especialmente decorativo. Seis mestres de mosaico assinaram o trabalho: Staurachios de Esbus, Euremios, Elias, Constantinus, Germanus e Abdela. É sobreposto em outro piso de mosaico danificado da Igreja (587) do bispo Sergio. Quatro outras igrejas foram escavadas nas proximidades e também apresentam traços de decoração em mosaico.

Referências

  1. em árabe : ʾumm ar-raṣāṣ, ar,
  2. latim : castrum, praça forte ; campo fortificado. O local é identificado no antigo testamento como Méphaath, e em grego antigo como Μεφααθ
  3. http://whc.unesco.org/en/list/1093 Ficha en UNESCO
  4. http://www.christusrex.org/www1/ofm/sbf/SBFinfo.html Christusrex-org
  5. (en inglés) Ariel Lewin, Kastron Mefaa, the Equites Promoti Indigenae and the creation of a late roman frontier PDFlink sem parâmetros PDF
  6. Dearman 1997, p. 205.
  7. a b May & Metzger 1977.
  8. Timm 2010, p. 477.
  9. Dearman 1997, p. 210.

Bibliografía[editar | editar código-fonte]

  • Ball, Warwick (2000). Rome in the East: The Transformation of an Empire. New York, NY: Routledge 
  • Britt, Karen C. (2015). «Through a glass brightly: Christian communities in Palestine and Arabia during the early Islamic period». In: Mohammad Gharipour. Sacred Precincts: The Religious Architecture of non-Muslim Communities across the Islamic World. Leiden: Brill 
  • Bowersock, G. W. (2006). Mosaics as History. Cambridge, MA: Harvard University Press 
  • Dearman, J. Andrew (1997). «Roads and settlements in Moab». The Biblical Archaeologist. 60 (4): 205–213. JSTOR 3210622 
  • May, Herbert G.; Metzger, Bruce M. (1977). The New Oxford Annotated Bible with the Apocrypha: Revised Standard Version, Containing the Second Edition of the New Testament and an Expanded Edition of the Apocrypha. New York, NY: Oxford University Press 
  • Schick, Robert (1988). «Christian life in Palestine during the early Islamic period». The Biblical Archaeologist. 51 (4): 218–221, 239–240. JSTOR 3210074 
  • Timm, Stefan (2010). Eusebius und die Heilige Schrift: Die Schriftvorlagen des Onomastikons der Biblischen Ortsnamen. Berlin: Walter de Gruyter 
  • Wilken, Robert L. (1988). «Byzantine Palestine: a Christian holy land». The Biblical Archaeologist. 51 (4): 214–217, 233–237. JSTOR 3210073 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Um er-Rasas


Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.