Vénus de Hohle Fels

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vênus de Hohle Fels
Venus vom Hohlen Fels Original.jpg

Vista frontal, lateral e traseira da Vênus de Hohle Fels. Tamanho real: 6 cm.
Material marfim de mamute
Criado (a) Entre 40.000 e 35.000 a.C.
Descoberto (a)  Alemanha, em Schelklingen

A Vênus de Hohle Fels (também conhecida como "Vênus de Schelklingen") é uma estatueta de Vênus esculpida com mármore das presas de mamute. Ela foi encontrada em 2008 perto da cidade de Schelklingen, na Alemanha, e possui cerca de 35.000–40.000 anos de idade, pertencendo, portanto, ao período Aurignaciano, nos primórdios do Paleolítico Superior – período associado com os primeiros indícios da aparição do Homem de Cro-Magnon na Europa.

A estatueta é o mais sólido e antigo indício de figurativismo humano pré-histórico já descoberto de arte pré-histórica, perdendo só para a estatueta do Homem-Leão, que é antropomórfica. A Vênus foi examinada em 2011, na Universidade de Tubinga, Alemanha, e na época discutia-se a possibilidade de deixá-la junto com outras descobertas, aos cuidados de um novo museu na região de Suábia, no sul do país [1] .

Sítio arqueológico[editar | editar código-fonte]

A região dos Alpes Suábios possui várias cavernas com artefatos feitos de restos de marfim de mamutes feitos; eles foram criados no Paeolítico Superior, e registram-se, até a determinada data, vinte itens encontrados, dentre os quais se encontra a estátua do Homem-Leão, citada anteriormente[2] [3] . O arquelogista Nicholas J. Conard supõe que os seres humanos do Período Aurignaciano que habitavam nos Alpes Suábios podem ter sido os inventores não só da arte figurativa e da música, mas possivelmente também de uma religião paleolítica primitiva[4] . A equipe do arqueólogo também encontrou, a 70 cm de distância da Estatueta de Vênus, uma flauta de ossos de abutre[5] . Na mesma camada da gruta arqueológica, também forem encontrados ossos esculpidos, restos de pedra talhada, mármore esculpido, e restos mortais de tarpans, renas, ursos-das-cavernas, mamutes-lanosos, e íbexes dos alpes[4] .

Descoberta[editar | editar código-fonte]

A descoberta da Vênus de Hohle Fels indica que os primeiros seres humanos modernos produziam arte figurativa há mais tempo do que se pensava[6] [7] , e demonstra que várias obras de arte foram produzidas ao longo do Período Aurignaciano[8] .

A estatueta foi encontrada em setembro de 2008, na gruta arqueológica de Hohle Fels ("rocha oca" em alemão suábio), perto de Schelklingen, a aproximadamente 15 km a oeste da cidade de Ulm, no estado alemão de Baden-Württemberg, localizado no sudoeste do país. Ela estava a uma distância de 20 metros da entrada da caverna, e a 3 metros abaixo da terra [9] . Também foi encontrada por perto uma flauta de osso que data de 42.000 anos, e é, incontestavelmente, o instrumento mais antigo conhecido até agora.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A estatueta foi esculpida a partir das presas de um mamute-lamoso e foi encontrada em fragmentos. Seis deles foram recuperados, faltando somente o abraço esquerdo e o ombro. Na cabeça da estatueta – que provavelmente demorou "dezenas, senão milhares de horas" para esculpir – foi encontrada uma protusão perfurada, o que indica que ela pode ter sido usada como um amuleto[4] .

Propósito da estátua[editar | editar código-fonte]

O arqueólogo britânico Paul Mellars, da Universidade de Cambridge, disse que, pelos padrões atuais, a estatueta é "quase pornográfica"[10] . Nicholas Conard, o descobridor da estátua, disse: "Esta [estatueta] representa o sexo e a reprodução... uma representação muito poderosa da essência de ser mulher"[11] . Em contrapartida, antropólogos noruegueses da Universidade Victoria de Wellington disseram sugerem que as estatuetas não são representações de beleza, mas da "esperança pela sobrevivência e longevidade dentro de comunidades bem-alimentadas e bem-sucedidas[12] .

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Benz, Otto, CDU und Freie Wähler wollen einen „Steinzeitpark“, www.schwaebische.de, news story (in German), July 7, 2011
  2. http://www.theartnewspaper.com/articles/Ice-Age-iLion-Mani-is-worlds-earliest-figurative-sculpture/28595
  3. http://www.bbc.co.uk/news/science-environment-18196349
  4. a b c Maugh II, Thomas H. (May 14, 2009). Estatueta de Vênus aponta para as origens da arte dos primeiros seres humanos (em inglês).. Los Angeles Times. Página visitada em 2009-05-14.
  5. http://www.epoc.de/artikel/999323&_z=798890
  6. Existem algums padrões tramados e hachurados na Caverna de Blombos, na África do Sul, que possuem cerca de 75.000 anos; entretanto, eles não são arte figurativa, e há dúvidas se eles são arte abstrata ou não.
  7. Com a descoberta, pode-se dizer que os primeiros seres humanos produziam arte figurativa há pelo menos 5.000 anos antes do imaginado, comparando a datação de 35.000 anos da Vênus de Hohle Fels com a Vênus de Galgenberg, ou até há 40.000 anos atrás, se tal datação for aceita.
  8. Estatueta pré-histórica de mulher é "o artefato erótico mais antigo já encontrado". (em en). The Times (13 de junho de 2009). Página visitada em 13 de junho de 2009.
  9. Conard, Nicholas J.. . "A female figurine from the basal Aurignacian of Hohle Fels Cave in southwestern Germany" (em en). Nature 459 (7244): 248–252. DOI:10.1038/nature07995. PMID 19444215. Página visitada em 13 de junho de 2009.
  10. Conard, Nicholas J.. (2009). "Full-Figured Statuette, 35,000 Years Old, Provides New Clues to How Art Evolved" (em en) 459 (7244): 248–252. New York Times. PMID 19444215. Página visitada em 23 de outubro de 2013.
  11. O debate sobre a arte nas cavernas. The Smithsonian. Página visitada em 23 de outubro de 2013.
  12. Estatuetas de Vênus do Paleolítico Europeu: símbolos de fertilidade ou sensualidade? (em en). Journal of Anthropology (13 de junho de 2009). Página visitada em 23 de outubro de 2013.

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

  • Cook, Jill (2013), Ice Age Art: the Arrival of the Modern Mind; [... to accompany the exhibition of the British Museum from 7 February to 26 May 2013]. London: British Museum Press. ISBN 978-0-7141-2333-2

Links externos[editar | editar código-fonte]