Vírus do mosaico do tabaco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Como ler uma caixa taxonómicaVírus do mosaico do tabaco
Micrografia eletrônica das partículas de TMV coradas para obtenção de melhor visibilidade, com ampliação de 160.000x

Micrografia eletrônica das partículas de TMV coradas para obtenção de melhor visibilidade, com ampliação de 160.000x
Classificação científica
Grupo: Grupo IV ((+)ssRNA)
Família: Virgaviridae
Género: Tobamovirus
Espécie: Vírus do mosaico do tabaco

O vírus do mosaico do tabaco (TMV, sigla em inglês para tobacco mosaic virus) é um vírus RNA que infecta plantas, especialmente o tabaco e outros membros da família Solanaceae. A infecção causa padrões característicos nas folhas, como manchas e descoloriloção

O TMV foi o primeiro vírus a ser descoberto. Embora fosse sabido desde o fim do século XIX que uma doença infecciosa estava causando prejuízo à colheita do tabaco, somente em 1930 é que o agente infeccioso foi determinado ser um vírus.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1886, Adolf Mayer descreveu pela primeira vez a doença do mosaico do tabaco, dizendo que a doença pode ser transferida entre as plantas.[1] [2] ...A natureza patente dos vírus teve seu impacto durante todo o mundo vivo. A doença Viral pode ser encontrada nas plantas, artrópodes, protozoa e bactérias, mas igualmente em uns animais mais altos. Embora um conhecimento mais detalhado de suas propriedades biológicas, químicas e físicas não foi montado nos últimos 50 anos, vírus é nenhum fenômeno moderno.

A identificação do agente causal da doença de mosaico do tabaco como um micróbio patogénico novo pelo microbiologista Holandês Martinus Willem Beijerinck é reconhecida agora como sendo a fundação da virologia. Contudo, como isto era bastante controversa considerando as teorias prevalecer da era, ele tomou muitos anos para que a virologia torne-se estabelecida firme porque uma disciplina separa do bacteriologia.

A revelação do conceito[editar | editar código-fonte]

Entidades que nós conhecemos agora como os vírus foram reconhecidos inicialmente quando se encontrou que determinados micróbios patogénicos podem passar através dos filtros significados parar as bactérias. Em 1887, o químico que Francês Louis Pasteur fez esta observação com a raiva, inconsciente ele encontrou um vírus naquele tempo.

Em 1886, o químico agrícola Alemão Adolf Eduard Mayer descobriu que a doença de mosaico do tabaco poderia ser transmitida às plantas saudáveis se são inoculados com extractos da seiva das folhas de plantas doentes. Embora não poderia identificar o micróbio patogénico, Mayer estava certo que seu micróbio tem que ser uma bactéria muito incomum.

Quando, for frequentemente incómodo atribuir uma única tâmara à descoberta dos vírus, um cientista Dmitrii Iosifovich Ivanovsky do Russo está dado o crédito para primeiramente reconhecer uma entidade que seja filtrável, submicroscópico em tamanho e o diferente da bactéria que pôde ser a causa da doença de mosaico do tabaco. Instituiu o termo “agente filtrável” para descrever tais organismos antes que o termo “vírus” estêve abraçado.

A natureza filtrável do vírus de mosaico de tabaco foi confirmada por Beijerinck, mas suas tentativas de isolar com sucesso o vírus eram infrutíferas. Em 1898, props uma teoria de fluido vivo contagioso e sugerida que este agente pode somente reproduzir dentro das pilhas vivas. Então, esta ideia era nova e inovador.

Conseqüentemente Mayer, Ivanofsky e Beijerinck cada um contribuído à revelação de um paradigma deslocam e um novo conceito: um agente filtrável demasiado pequeno para ser observado pela fotomicroscopia, mas capaz de causar a doença multiplicando em pilhas vivas. Em 1898, Friedrich Loeffler e Paul Frosch descreveram o primeiro agente filtrável dos animais (o vírus da febre aftosa), quando Walter Reed e sua equipe em Cuba reconheceu o primeiro vírus filtrável humano - vírus de febre amarela.

O vírus do termo (derivado da palavra Latino para o veneno ou o líquido viscoso) foi usado Naquele tempo permutavelmente para todo o agente infeccioso, assim ele aplicado ao vírus de mosaico de tabaco também. Mais Tarde este termo tornou-se restrito no uso 2 aqueles agentes que cumpriram os critérios desenvolvidos por Mayer, por Ivanofsky e por Beijerinck, que eram os primeiros agentes para causar uma doença que não poderia ser provada usando os postulados de Koch clássico.

Progresso no campo da virologia[editar | editar código-fonte]

Uma Vez o conceito de um vírus filtrável tomou a posse, o procedimento experimental foi aplicado a muitos tecidos doentes. Para o fim do primeiro trimestre do século XX (que é praticamente o mesmo marco temporal de 20 anos que tomou para estabelecer a existência dos vírus) mais de 65 doenças dos animais e dos seres humanos tinham sido atribuídas a estes agentes filtráveis.

Entre 1948 e 1955, uma transição crítica que converte a virologia animal em uma ciência do laboratório era um resultado de quatro etapas importantes: superando a dificuldade de cultivar únicas pilhas, desenvolvendo uma linha de pilhas de uma carcinoma cervical (HeLa), desenvolvendo um media óptimo para a cultura de únicas pilhas (o media essencial mínimo de Eagle), assim como a demonstração da réplica viral em um explant humano do nonneuronal de tecidos embrionários.

Na era moderna da virologia (desde 1960 avante) os ciclos replicative dos vírus foram descritos em grande detalhe. Além Disso, os virologists demonstraram as interacções elaboradas entre genomas virais, proteínas virais e a maquinaria celular do anfitrião. Nos últimos 30 anos, a amostra, arranjar em seqüência e informática forneceram a possibilidade para identificar e arranjar em seqüência as comunidades virais inteiras.

Mais de cem anos de virologia forjaram novos conceitos e desde que introspecção nova na vida. Lançado pelo trabalho dos três cientistas, fundações botânicos acima mencionados que galvanizaram a era molecular moderna e ushered na “época dourada da vacinologia” foram colocados, conduzindo directamente à prevenção do sarampo, da poliomielite e dos outros pragas da natureza.

Referências

  1. Mayer, Adolf (1886). «Über die Mosaikkrankheit des Tabaks.». Die Landwirtschaftliche Versuchs-stationen (em German) [S.l.: s.n.] 32: 451–467.  Translated into English in Johnson, J., Ed. (1942) Phytopathological classics (St. Paul, Minnesota: American Phytopathological Society) No. 7, pp. 11–24.
  2. Zaitlin, Milton (1998). «The Discovery of the Causal Agent of the Tobacco Mosaic Disease». In: Kung, S. D.; Yang, S. F. Discoveries in Plant Biology (Hong Kong: World Publishing Co.). pp. 105–110. ISBN 978-981-02-1313-8. 

Leitura de apoio[editar | editar código-fonte]

  • Creager, Angela N. H. (2002). The life of a virus: tobacco mosaic virus as an experimental model, 1930–1965 (Chicago: University of Chicago Press). ISBN 0-226-12026-0. 
  • Flue-cured tobacco field manual published R.J.Reynolds Tobacco Company, Winston-Salem, North Carolina, 1995

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vírus do mosaico do tabaco