Vera-Ellen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vera-Ellen
Nome nativo Vera-Ellen
Nascimento 16 de fevereiro de 1921
Norwood
Morte 30 de agosto de 1981
Los Angeles
Cidadania Estados Unidos
Ocupação bailarina, roteirista, atriz de teatro, atriz cinematográfica
Causa da morte câncer

Vera Ellen (nascida Vera Ellen Westmeyer Rohe) (Norwood, 16 de fevereiro de 1921Los Angeles, 30 de agosto de 1981) foi atriz americana e bailarina/dançarina de peças na Broadway e de filmes em Hollywood, tendo contracenado com Ray Bolger, Fred Astaire, Gene Kelly, Donald O'Connor e John Brascia.

Vera Ellen hifenizou o nome durante um espetáculo na Broadway e assim é que foi para Hollywood, como Vera-Ellen. Trabalhou muito, trabalhou duro. Um pouco do que fez e do que podia fazer temos registrado em fotos e nos poucos filmes (quatorze) de que participou. Foi uma “sereia da tela”, mas nunca viveu a carne e sim o corpo.

Casada e divorciada duas vezes, teve uma filha do segundo casamento, Victoria Ellen, que faleceu, aos três meses de vida, vítima da Síndrome da Morte Súbita Infantil. Foi o choque de sua vida.

Em meados dos anos 1970, após escorregar e fraturar o quadril, o exame de raio X revelou que tinha artrite. Padeceu dores horríveis. Mas sempre foi muito positiva quanto a isso: “Você não pode esperar fazer coisas árduas com o corpo, como eu fiz, ano após ano, sem ter qualquer desgaste ou [derramar] lágrimas. Até uma máquina se acaba”.

Até bem pouco antes de morrer, vítima de um câncer, fez “aulas” com Michael Panaieff. “Venho aqui [ao estúdio de Panaieff] diariamente, dançar é parte da minha vida. É bom para mim física e mentalmente e tudo mais.”

Foi e é considerada ainda por muitos a melhor e mais técnica bailarina/dançarina da época de ouro do cinema americano.

Sua vida foi um ar de dança, sempre:

"Quando você estuda dança, você descobre que tem músculos e tendões de que você nunca teve consciência. Você se dá conta imediatamente de seu corpo e de que coisa bonita ele pode ser se você lhe der a devida atenção. Por exemplo: caminhar parece ser uma arte extremamente simples, de que qualquer um pode ser mestre com extrema facilidade. Isto é verdade até certo ponto. Nem todo caminhar é igual. Você pode passear rua abaixo como um preguiçoso, com um pé se arrastando logo após o outro, ou você pode fazer disso uma grande aventura, movimentando sua perna e balançando o seu corpo como se estivesse executando um tipo de passo de dança só seu, indicador da natureza da pessoa. A dança traz para fora o melhor numa pessoa porque ajuda a desenvolver um corpo sadio."

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • Wonder Man/no Brasil: Um rapaz do outro mundo (1945)
  • The Kid from Brooklyn/no Brasil: Um tigre domesticado (1946)
  • Three Little Girls in Blue/no Brasil: Procuram-se maridos (1946)
  • Carnival in Costa Rica/não exibido no Brasil (1947)
  • Words and Music/no Brasil: Minha vida é uma canção (1948)
  • Love Happy/no Brasil: Loucos de Amor (preto e branco, 1949)
  • On the Town/no Brasil: Um dia em Nova York (1949)
  • Three Little Words/no Brasil: Três palavrinhas (1950)
  • Happy Go Lovely/no Brasil: O mundo a seus pés (1951)
  • The Belle of New York/no Brasil: Ver, gostar e amar (1952)
  • Call Me Madam/no Brasil: Sua Excelência, a embaixatriz (1953)
  • Big Leaguer/não exibido no Brasil (preto e branco, sem dançar, 1953)
  • White Christmas/no Brasil: Natal Branco (1954)
  • Let’s Be Happy/no Brasil: Meu sonho é você (1957)

Na Broadway[editar | editar código-fonte]

Como Vera Ellen:

Como Vera-Ellen: