Vinicius Terra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vinicius Terra
Vinicius Terra durante show na FLIP 2019.jpg

Vinicius Terra durante show na FLIP 2019 (foto: Charles Trigueiro)
Informação geral
Nome completo Vinicius Terra Luccas
Nascimento 24 de julho de 1981 (41 anos)
Local de nascimento São João de Meriti
Brasil
Gênero(s) Rap lusófono, hip hop, Mpb
Gravadora(s) Mondé
Afiliação(ões) Allen Halloween, Dino d'Santiago, Mundo Segundo, Akira Presidente, Dexter, CHS,
Página oficial viniciusterra.com.br

Vinicius Terra (São João de Meriti, 24 de Julho de 1981) é um rapper, professor de Português e Literatura e articulador cultural brasileiro.[1] É considerado uma figura singular e pioneira na cultura hip-hop por promover intensamente a construção e o fortalecimento dos laços entre os países que falam português.[2] É também criador do Festival internacional de língua portuguesa "Terra do Rap", com edições no Rio de Janeiro e Lisboa.[3] [4]

Entre 2017 e 2019 excursionou o Brasil com a exposição itinerante “A Energia da Língua Portuguesa” se tornando curador musical do palco "EDP Na FLIP".[5] Participou do “Experimenta Portugal” 2018 (do Consulado Geral de Portugal) e em 2019 esteve nas edições brasileira e portuguesa do “Iminente - Festival de Expressividades de Cultura Urbana Lusófona”.[6] [7] No âmbito da educação Terra realiza uma série de oficinas e apresentações em escolas, assim como workshops, talks e debates acerca da relação do Rap com a Língua Portuguesa e o conceito de Nova Lusofonia em universidades e centros culturais.[8][9]

Em 2013 lançou "Versos que Atravessam o Atlântico", o primeiro registro musical com artistas do Brasil, Portugal e África Lusófona.[10] No ano seguinte fundou o "Projecto B.P.M: Brasil Portugal Misturados", 1º coletivo de rap luso-brasileiro. Entre 2008 e 2010 estudou na Universidade de Letras da Universidade do Porto (Portugal) e lançou “Quando A Bossa Encontra o Rap”.[11] [12] “Elxs Ñ Sabem a Minha Língua {...}”, seu álbum mais recente, remonta toda a história da língua portuguesa sob a ótica do rap – desde o trovadorismo do século XII até o hip-hop lusófono do século XXI e as conexões entre Portugal, África e Brasil.[13]

Referências

  1. NBC & Vinicius Terra | Programa Completo | Reverbera | TV Brasil | Cultura, 28 de setembro de 2018, consultado em 9 de outubro de 2020 
  2. «Vinicius Terra fará live neste sábado estreando nova plataforma para músicos independentementes.». Rapevolusom. 29 de maio de 2020. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  3. «Festival Terra do Rap encerra dia 09/12, no Teatro do Sesi, Rio de Janeiro». Rádio Graviola. 7 de dezembro de 2016. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  4. «Brasil e Portugal unidos na primeira vez que Lisboa é a Terra do Rap». Rimas e Batidas. 23 de fevereiro de 2018. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  5. «Exposição itinerante "Energia da Língua Portuguesa" chega a Paraty». Museu da Língua Portuguesa. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  6. «Terra do Rap – Festival de Rap da Língua Portuguesa | Consulado Geral de Portugal em São Paulo». Consultado em 9 de outubro de 2020 
  7. «Festival IMINENTE - RIO DE JANEIRO 07 - 08 JUNHO». www.festivaliminente.com. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  8. «Espaço na Tijuca recebe workshop sobre o mundo do rap». O Globo. 21 de março de 2018. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  9. D, Noise (19 de março de 2018). «Rio de Janeiro: Inscrições abertas para workshop gratuita de rap e beat». Bocada Forte - Desde 1999. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  10. Anderson Hebreu. «Rapper Vinicius Terra lançara o álbum "Manifesto à Descolonização da Palavra Lusofonia"». Noticiário Periférico. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  11. «União de rimas no festival Terra do Rap». O Globo. 31 de julho de 2014. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  12. Fusão do rap e a da bossa com o músico, poeta e produtor cultural Vinicios Terra | Estúdio Móvel | TV Brasil | Cultura, 5 de agosto de 2014, consultado em 9 de outubro de 2020 
  13. «Máscaras de Azulejo: em novo clipe Vinicius Terra fala sobre corpo, linguagem e sereias sufocadas pelo lixo». Philos. 20 de agosto de 2020. Consultado em 9 de outubro de 2020