Voo Spanair 5022

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Voo Spanair 5022
Acidente aéreo
Uma aeronave da empresa Spanair.
Sumário
Data 20 de agosto de 2008 (6 anos)
Causa
Local Espanha Aeroporto de Madrid-Barajas, Espanha
Coordenadas 40° 29′ N 003° 34′ W
Origem Aeroporto de Madrid-Barajas
Destino Aeroporto de Gran Canária
Passageiros 162
Tripulantes 10
Mortos 154 (8 morreram no hospital)
Feridos 18
Sobreviventes 18
Aeronave
Modelo McDonnel Douglas MD-82
Operador Espanha Spanair
Prefixo EC-HFP

O voo JK 5022 da Spanair de 20 de agosto de 2008 foi um voo de um avião modelo McDonnel Douglas MD-82 do aeroporto de Barajas em Madrid para o aeroporto de Gran Canária na ilha de Gran Canária, Espanha. A aeronave caiu imediatamente após decolar da pista 36L do Aeroporto de Barajas, tornando-se o primeiro acidente com mortes na história da Spanair.

Este foi o mais grave acidente aéreo da Espanha desde 1985.[1]

Acidente[editar | editar código-fonte]

Esquema do local do acidente

O acidente ocorreu devido a um erro dos pilotos em não acionar os flapsslats, conforme exigido para a decolagem. Sem o uso destes dispositivos as asas não poderiam gerar elevação suficiente para manter a aeronave no ar durante a decolagem.[2] A aeronave saiu do solo momentaneamente, rolou para a direita, e impactou o chão ao lado da pista. 

Esta foi a segunda tentativa de decolagem do voo: mais de uma hora antes, os pilotos tinham tentado e abortado uma partida porque um sensor relatou temperaturas excessivas em uma entrada de ar, e o avião voltou ao pátio para verificação do problema. Esse sensor foi desativado no solo (segundo se informa um procedimento estabelecido) e outra decolagem foi então tentada,[3] durante o qual o acidente ocorreu. 

O MD-82 possui um sistema de aviso de decolagem que deveria ter alertado os pilotos de que o avião não estava corretamente configurado para a decolagem. No entanto, o aviso não soou pois o mesmo sensor que foi desativado era o responsável por acionar o alarme de configuração de decolagem.

Vítimas[editar | editar código-fonte]

De acordo com comunicado oficial, 27 sobreviventes foram encontrados nos destroços, e levados para hospitais da região; um deles, uma menina de dois anos, morreu a caminho do hospital. Dezenove dos sobreviventes estão em estado crítico. Especula-se que o restante dos passageiros morreram imediatamente após o acidente, no incêndio que se seguiu, mas as equipes de resgate ainda não retiraram os corpos da aeronave.[4]

Neste momento encontram-se confirmadas 153 mortes do total dos 172 pessoas a bordo (das quais 10 eram tripulantes).[5]

O Itamaraty confirma a existência de pelo menos um brasileiro entre as vítimas.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]