Usevolodo I de Quieve

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vsevolod I de Kiev)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Usevolodo I de Quieve
Representação de Usevolodo
Príncipe de Pereaslávia
Reinado 10541073
Antecessor(a) Desconhecido
Sucessor(a) Rostislau I
Príncipe de Czernicóvia
Reinado 10731078
Predecessor Esvetoslau I
Sucessor Vladimir I
Grão-príncipe de Quieve
Reinado 10781093
Predecessor Esvetoslau II
Sucessor Esvetopolco II
 
Cônjuge Anastácia
Ana
Descendência Com Anastácia:
* Vladimir II
* Joana

Com Ana:
* Eupráxia
* Rostislau I
* Catarina
* Maria
Casa ruríquida
Nascimento ca. 1030
  Quieve
Morte 13 de abril de 1093
  Visgorodo
Pai Jaroslau I, o Sábio
Mãe Ingegerda da Suécia

Usevolodo I (em latim: Usevolodus; em russo: Всеволод I Ярославович; em ucraniano: Всеволод I Ярославич) ou Vissivaldo (em nórdico antigo: Vissivald; 1030 – 13 de abril de 1093) foi príncipe de Pereaslávia de 1054 a 1073, príncipe de Czernicóvia de 1073 a 1078 e grão-príncipe de Quieve de 1078 a 1093.

Vida[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Era o quinto[1] e favorito filho de Jaroslau I, o Sábio com Ingegerda da Suécia e nasceu cerca de 1030.[2] Em seu selo de seus últimos anos, foi chamado "André Usevolodo" em grego, implicando que seu nome batismal era André.[3] Para apoiar um armistício assinado com o imperador Constantino IX (r. 1042–1055) em 1046, seu pai casou Usevolodo com uma princesa grega, que segundo a tradição se chamava Anastácia ou Maria. Pelo fato do filho do casal, Vladimir Monômaco, usar o nome da família do imperador, se pensou que era membro da família de Constantino, mas nenhuma evidência contemporânea demonstra a relação específica ou que o imperador deu-lhe qualquer filha.[4]

Com a morte de seu pai em 1054, recebeu em apanágio as cidades de Pereslávia,[5] Rostóvia, Susdália e a cidade de Bielozera que permaneceria em posse de seus descendentes até o fim da Idade Média. Junto com seus irmãos mais velhos Iziaslau I e Esvetoslau II, formou um triunvirato principesco que guerrearam contra os nômades das estepes, os cumanos, e compilou o primeiro código legal eslavo oriental Em 1055, Usevolodo lançou uma expedição contra os turcos que nos anos anteriores repeliram os pechenegues das estepes pônticas. Ele também fez a paz com os cumanos que apareceram pela primeira vez na Europa no mesmo ano. Os cumanos invadiram seu principado em 1061 e repeliram Usevolodo na batalha. Usevolodo persuadiu seu irmão Iziaslau e seu primo distante Useslau a unirem-se a ele para atacar os turcos em 1060.[6]

Em 1067, a esposa grega de Usevolodo morreu e logo ele casou-se com a princesa quipchaca Ana. Deu-lhe outro filho, que se afogou após a Batalha do rio Estugna,[7] e filhas, uma virou freira e a outra, Eupráxia de Quieve, casou-se com o imperador Henrique IV.[8] Os cumanos novamente invadiram a Rússia de Quieve em 1068. Os irmãos uniram suas forças contra eles, mas os cumanos repeliram-os ao rio Alta.[9] Após sua derrota, Usevolodo retirou-se para Pereaslávia.[10] Porém, os cidadãos de Quieve rebelaram-se abertamente, destronaram Iziaslau e libertaram e proclamaram Useslau I como seu grão-príncipe.[11] Usevolodo e Esvetoslau não tentaram expulsar o usurpador de Quieve.[12]

Usevolodo apoiou Esvetoslau contra Iziaslau. Forçaram seu irmão a fugir de Quieve em 1073.[13] Teodósio, o hegúmeno santificado ou chefe do Mosteiro das Cavernas em Quieve permaneceu leal a Iziaslau e recuou-se a almoçar com Esvetoslau e Usevolodo.[2] Iziaslau conferiu o antigo principado de Esvetoslau para Usevolodo, mas os filhos de Esvetoslau consideraram o Principado de Czernicóvia como seu patrimônio ou otchina.[13] Olegue I fez uma aliança com os cumanos e invadiu Czernicóvia. Iziaslau chegou ao resgate de Usevolodo e eles forçaram Olegue a se retirar, mas Iziaslau foi assassinado na batalha.[14][15]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Com a morte de Iziaslau, Usevolodo, como único filho vivo de seu pai, tomou o trono de Quieve, unindo os três principados centrais da Rússia — Quieve, Czernicóvia e Pereaslávia.[16] Ele nomeou seu filho mais velho Vladimir como administrador de Czernicóvia.[15][17] A Crônica de Nestor afirma que "as pessoas não mais aceitavam a justiça do príncipe, [e] juízes tornaram-se corruptos e venais".[18] Ele seguiu o conselho de seus jovens conselheiros em vez de seus antigos servidores nos seus últimos anos.[19]

Usevolodo falava cinco línguas estrangeiras, segundo a autobiografia de Vladimir.[20] Segundo George Vernadsky, dentre elas talvez estava o grego e o cumano, pois era a nacionalidade de suas duas esposas, e provavelmente falou latim, nórdico e osseta.[21] Perdeu a maioria de suas batalhas e Vladimir, guerreiro grande e famoso, lutou boa parte delas por seu pai. Os últimos anos de seu reinado foram obscurecidos por grave doença, e Vladimir presidiu sobre seu governo.

Família[editar | editar código-fonte]

Corte de Quieve no tempo de Usevolodo

Usevolodo e sua primeira esposa, uma parente de Constantino IX, tiveram filhos:

Usevolodo e sua segunda esposa teve filhos:

Referências

  1. Martin 1993, p. 32.
  2. a b Raffensperger 2012, p. 99.
  3. Raffensperger 2012, p. 36, 99.
  4. Kazhdan 1989, p. 416—417.
  5. Vernadsky 1948, p. 83.
  6. Martin 1993, p. 54.
  7. a b Dmytryshyn 2000, p. 60.
  8. Althoff 2006, p. 207f.
  9. Martin 1993, p. 55.
  10. Vernadsky 1948, p. 86.
  11. Martin 1993, p. 31, 55.
  12. Martin 1993, p. 31.
  13. a b Martin 1993, p. 33.
  14. Martin 1993, p. 57.
  15. a b Vernadsky 1948, p. 87.
  16. Martin 1993, p. 33, 35.
  17. Martin 1993, p. 35, 41.
  18. Cross 1953, p. 174 (ano 6601).
  19. Vernadsky 1948, p. 87, 183.
  20. Vernadsky 1948, p. 291.
  21. Vernadsky 1948, p. 292.
  22. Vernadsky 1948, p. 351.
  23. Vernadsky 1948, p. 154, 351.
  24. Vernadsky 1948, p. 340.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Althoff, G. (2006). Heinrich IV. Darmstádio: WBG 
  • Cross, Samuel Hazzard; Sherbowitz-Wetzor, Olgerd P. (1953). The Russian Primary Chronicle: Laurentian Text (Translated and edited by Samuel Hazzard Cross and Olgerd P. Sherbowitz-Wetzor). Cambridge, Massachusetts: Medieval Academy of America. ISBN 978-0-915651-32-0 
  • Dmytryshyn, Basil (2000). Medieval Russia: A sourcebook 850-1700. Fort Worth, Texas: Holt, Rinehart and Winston 
  • Kazhdan, Alexander (1989). «Rus'-Byzantine Princely Marriages in the Eleventh and Twelfth Centuries». Harvard Ukrainian Studies. Harvard Ukrainian Research Institute. 12/13: 414–429 
  • Martin, Janet (1993). Medieval Russia, 980–1584. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-67636-6 
  • Raffensperger, Christian (2012). Reimagining Europe: Kievan Rus' in the Medieval World. Cambridge: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-06384-6 
  • Vernadsky, George (1948). A History of Russia, Volume II: Kievan Russia. New Heaven, Connecticut: Yale University Press. ISBN 0-300-01647-6