Withania somnifera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaWithania somnifera
Fruta da Withania
Fruta da Withania
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Filo: Tracheophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Solanales
Família: Solanaceae
Subfamília: Solanoideae
Tribo: Physaleae
Subtribo: Withaninae
Género: Withania
Nome binomial
W. somnifera
(L.) Dunal
Sinónimos
Flores
Frutos
Planta cultivada em vaso

Withania somnifera, Comumente conhecida como ashwagandha,[3] ginseng indiano,[4] groselha venenosa(poison gooseberry),[4] ou cereja de inverno(winter cherry),[3] é uma planta na planta da família das Solanaceae. Várias outras espécies do gênero Withania são morfologicamente similares..[5] É usada como planta medicinal na Medicina Aiurvédica.[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Esta espécie é uma planta pequena perene, arbustiva, crescendo a 35–75 cm de altura. Os ramos tomentosos se estendem radialmente a partir de uma haste central. As folhas são verdes pálidas, elípticas, geralmente até 10 a 12 cm de comprimento. As flores são pequenas, verdes e em forma de sino. O fruto maduro é vermelho-alaranjado.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome da espécie somnifera significa indutora de sono em Latim.[6]

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Withania somnifera é cultivada em muitas regiões mais secas de Índia, como Distrito de Mandsaur da Madhya Pradesh, Punjab, Sindh, Gujarat, Kerala and Rajasthan.[7] é também encontrada no Nepal, China[8] e Yemen.[9]

Patologia[editar | editar código-fonte]

Withania somnifera é propensa a várias pragas e doenças. A doença da mancha foliar causada por Alternaria alternata é a doença mais prevalente, que é mais grave nas planícies de Punjab, Haryana e Himachal Pradesh . Foi relatada a biodiereiração de seus componentes farmaceuticamente ativos durante a doença da mancha foliar.[10] A Choanephora cucurbitarum causa a queda da haste e da folha da Withania somnifera.[11] Esta cigarra alimenta-se das porções apicais do caule, tornando-as ásperas e lenhosas na aparência e de cor marrom. As folhas apicais caem e a planta morre gradualmente.[12] O ácaro chamado aranha vermelha ( Tetranychus urticae ) é a praga mais prevalente da planta na Índia.[13]

Uso culinário[editar | editar código-fonte]

A polpa e casca das bagas podem ser usadas como substituto do coalho na fabricação de queijo.[7]

Bioquímica[editar | editar código-fonte]

Os constituintes químicos principais são lactonas alcalóides e lactonas esteróidais. Estes incluem tropina e cuscohigrina (pirrolidina alcaloide) . As folhas contêm as lactonas esteróidais, andanolides,[5] notavelmente Vitaferin A(Lactona esteriodal), que foi o primeiro a ser isolado da planta. Tropano é um derivado do alcalóide tropano contendo um grupo hidroxilo no terceiro carbono. Também chamado de 3-tropanol.

A benzatropina e a etilbenzatropina são derivados da tropana. É também um bloco de construção da atropina, uma droga anticolinérgica prototípica da classe antagonista muscarínica. A cuscohigrina é um alcalóide de pirrolidina encontrado na coca. Também pode ser extraído de plantas da família Solanaceae também, incluindo Atropa belladonna, Datura inoxia e Datura stramonium. O cuscohygrino geralmente vem com outros alcaloides mais potentes como a atropina ou a cocaína.

A cuscohigrina (juntamente com o metabolito relacionado higrina) foi o primeiro isolado por Carl Liebermann em 1889 como um alcaloide que acompanha a cocaína nas folhas de coca (também conhecidas como folhas de Cusco). A cuscohigrina é um óleo que pode ser destilado sem decomposição apenas no vácuo. É solúvel em água. Também forma um tri-hidrato cristalino, que derrete a 40-41 °C. Há também os alcalóides ashwagandhina, ashwaganidhina e somniferina, todos identificados exclusivamente na própria planta de ashwagandha.

Medicina tradicional[editar | editar código-fonte]

As raízes longas, castanhas e tuberosas da planta são usadas há séculos na medicina tradicional indiana.[5][7][8] Foi mencionado em textos médicos indianos antigos. A ashwagandha é usada na medicina herbal indiana para uma variedade de usos. No Iêmen, onde é conhecido como "ubab" [14] As folhas secas são moídas para um pó do qual uma pasta é feita e usada para queimaduras e feridas.[15]

Referências

  1. «Withania somnifera (L.) Dunal». Tropicos. Missouri Botanical Garden. Consultado em 25 de fevereiro de 2012 
  2. Withania somnifera en PlantList
  3. a b «Withania somnifera (L.) Dunal». Germplasm Resources Information Network - (GRIN) [Online Database]. Beltsville, Maryland: USDA, ARS, National Genetic Resources Program. National Germplasm Resources Laboratory. Consultado em 29 de outubro de 2011. Arquivado do original em 9 de abril de 2009 
  4. a b «Withania somnifera (L.) Dunal». PROTA (Plant Resources of Tropical Africa / Ressources végétales de l’Afrique tropicale) [Online Database]. Wageningen, Netherlands: Gurib-Fakim A. and Schmelzer G. H. Consultado em 7 de agosto de 2012. Arquivado do original em 12 de agosto de 2014 
  5. a b c d «Ashwagandha». Drugs.com. 2009. Consultado em 27 de agosto de 2017 
  6. Stearn, W. T. (1995). Botanical Latin: History, Grammar, Syntax, Terminology and Vocabulary 4th ed. [S.l.]: Timber Press. ISBN 0-88192-321-4 
  7. a b c Mirjalili, M. H.; Moyano, E.; Bonfill, M.; Cusido, R. M.; Palazón, J. (2009). «Steroidal Lactones from Withania somnifera, an Ancient Plant for Novel Medicine». Molecules. 14 (7): 2373–2393. PMID 19633611. doi:10.3390/molecules14072373 
  8. a b Pandit, S.; Chang, K.-W.; Jeon, J.-G. (fevereiro de 2013). «Effects of Withania somnifera on the growth and virulence properties of Streptococcus mutans and Streptococcus sobrinus at sub-MIC levels». Anaerobe. 19: 1–8. doi:10.1016/j.anaerobe.2012.10.007 
  9. Hugh Scott & Kenneth Mason, Western Arabia and the Red Sea, Naval Intelligence Division: London 1946, p. 597 ISBN 0-7103-1034-X.
  10. Pati, P. K.; Sharma, M.; Salar, R. K.; Sharma, A.; Gupta, A. P.; Singh, B. (2009). «Studies on leaf spot disease of Withania somnifera and its impact on secondary metabolites». Indian Journal of Microbiology. 48 (4): 432–437. PMC 3476785Acessível livremente. PMID 23100743. doi:10.1007/s12088-008-0053-y 
  11. Saroj, A.; Kumar, A.; Qamar, N.; Alam, M.; Singh, H. N.; Khaliq, A. (2012). «First report of wet rot of Withania somnifera caused by Choanephora cucurbitarum in India». Plant Disease. 96 (2): 293. doi:10.1094/PDIS-09-11-0801 
  12. Sharma, A.; Pati, P. K. (2011). «First report of Withania somnifera (L.) Dunal, as a New Host of Cowbug (Oxyrachis tarandus, Fab.) In Plains of Punjab, Northern India» (PDF). World Applied Sciences Journal. 14 (9): 1344–1346. ISSN 1818-4952 
  13. Sharma, A.; Pati, P. K. (2012). «First record of the carmine spider mite, Tetranychus urticae, infesting Withania somnifera in India» (PDF). Journal of Insect Science. 12 (50): 1–4. ISSN 1536-2442. doi:10.1673/031.012.5001 
  14. Hugh Scott; Kenneth Mason (1946). Western Arabia and the Red Sea. London: Naval Intelligence Division. p. 597. ISBN 0-7103-1034-X 
  15. «Herbal Medicine in Yemen: Traditional Knowledge and Practice, and Their Value for Today's World». Ingrid Hehmeyer and Hanne Schönig. Islamic History and Civilization. 96. Leiden: Brill. 2012. p. 200. ISBN 978-90-04-22150-5