Zona Oeste de Guaratinguetá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Zona
Oeste
Guaratinguetá Fábrica.JPG
Zonas de Guaratinguetá.png
Zona Oeste.png
Área 60 km²
População 46440 [1] hab. (2006)
Densidade 774 hab./km²
Renda média R$
IDH 0,835
Macro-Bairros Jardim Rony, Parque São Francisco, Jardim Aeroporto, São Dimas, Jardim Bela Vista, Alto Pedregulho, Pedregulho, Village Santana, Residencial Santa Clara, Santa Luzia, Retiro, Pingo de Ouro, Aeronáutica e São Manoel
Zonas de Guaratinguetá Bandeira Guaratingueta SaoPaulo Brasil 2.svg

A Zona Oeste de Guaratinguetá é a maior zona administrativa da cidade[2], bem como a Zona mais populosa[1]. A região foi uma das primeiras a ser urbanizada, logo após o Centro e a Zona Sul. É recortada pela Avenida João Pessoa[2] mais movimentada da cidade, é sede da Câmara Municipal e da Escola de Especialistas de Aeronáutica. Localizam-se, ainda, na Zona Oeste importantes infra-estruturas municipais de vários gêneros, tais como o Ginásio Municipal, o Aeroporto Edu Chaves, o centro de Assistência Médica Especializada da cidade, além de escolas, centros culturais, indústrias, comércio e parques[2].

Trânsito[editar | editar código-fonte]

Obras do Anel-Viário Mário Covas, que hoje se encontra concluído.

A Zona Oeste é recortada pela Avenida mais movimentada da cidade, Avenida João Pessoa, sendo que a mesma está conecta à Avenida JK através do Anel Viário Mário Covas[2], que foi construído para desafogar o trânsito daquela, na altura do Macro-Bairro do Alto Pedregulho. Outra via importante da Zona Oeste, é a Avenida Ministro Salgado Filho, que iterliga a Avenida João Pessoa à Escola de Especialistas de Aeronáutica. A urbanização dos bairros do Pedregulho, Alto Pedregulho, Vila Comendador e Residencial Costa e Silva é estruturada com ruas paralelas de dois metros de diâmetro, recortadas por ruas perpendiculares com três metros de diâmetro, sendo que essas, desembocam seu fluxo diretamente na Avenida João Pessoa[2]. Na periferia da Zona Oeste destacam-se a Estrada Vicinal Presidente Tancredo de Almeida, Avenida São Dimas e a Estrada Vicinal Céaser Zangrandi[2].

Âmbito Social[editar | editar código-fonte]

Qualidade de vida[editar | editar código-fonte]

IDH na Zona Oeste[3][4].

A Zona Oeste é a região mais populosa e também uma das mais contrastantes regiões da cidade[4]. Por apresentar área periférica muito extensa, acaba por ocorrer o distanciamento da população dos serviços públicos, ficando, assim, uma parcela dos moradores segregada do acesso eficiente à serviços como cultura, lazer, saúde e transporte[4]. A Região apresenta bairros em forma de condomínios, tais como Jardim Panorama I e II e Residencial Hípica, que figuram como alguns dos bairros mais caros da cidade. Apresenta, também, condomínios populares e bairros construídos pela ação do Estado, como BNH e CECAP[2][4]. O IDH da Zona Oeste[4][3] apresenta um declínio, quanto mais se distancia da Avenida João Pessoa, tanto no sentido Leste, bem como no sentido Oeste - salvo a parte do extremo norte da Zona Oeste, onde localizam-se os Condomínios de Alto Padrão Jardim Panorama I e II, Residencial Hípica e Village Mantiqueira -. Um outro tipo de variação de tecido urbano, que é reflexo direto da qualidade de vida da população na Zona Oeste, é a presença de bairros operários - ligados principalmente à instalação da Fábrica de Cobertores e Companhia de Fiação e Tecidos de Guaratinguetá, instalada no bairro do Pedregulho[5][4] - e bairros de classe média, ligados aos setores de comércio e serviços, predominante na Avenida João Pessoa.

Referências

  1. a b «Planejamento de Abastecimento de Água de Guaratinguetá» (PDF). Consultado em 26 de novembro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 4 de setembro de 2011 
  2. a b c d e f g Mapa e Guia da Cidade de Guaratinguetá,SANTOS,Ralfer Eberson Brito dos,e SIQUEIRA,Lia,edição 2008,Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação
  3. a b «Censo 2000 - IBGE» 
  4. a b c d e f Monografia: Desenvolvimento Social em Guaratinguetá, nº985,MAIA,Thereza,2009,Museu Frei Galvão,dados IBGE
  5. «City Brazil - Guaratinguetá - História da Cidade». Consultado em 30 de novembro de 2008. Arquivado do original em 4 de março de 2009