Apagamento bissexual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Apagamento bissexual é a tendência de ignorar, remover, falsificar, ou re-explicar a evidência de bissexualidade do registro histórico, materiais acadêmicos, meios de comunicação de notícias, e outras fontes primárias. Quando o apagamento bissexual é encontrada em trabalhos intelectualmente desonestos ou errôneos, ele é uma manifestação de bifobia. Na sua forma mais extrema, o apagamento bissexual pode inclusive negar que a pessoa bissexual de fato exista.[1]

Na comunidade gay[editar | editar código-fonte]

O apagamento bissexual pode originar-se de uma crença que a pessoa bissexual não merece a posição igual ou a inclusão dentro de comunidades gays e lésbicas.[2]

Isto pode tomar a forma de omitir a palavra bissexual em nome de uma organização ou evento que serve à comunidade LGBT inteira. A pessoa homossexual que se ocupa em apagamento bissexual pode exigir que bissexuais são de fato gays "trancados" que desejam parecer heterossexuais.[3] Se este fosse o caso ele seria apagamento homossexual.

É também comum para escritores gays e ativistas para retratar bissexual e gênero que obscurece comportamentos em culturas antigas e não-ocidentais, como pederastia grega antiga ou berdaches indígeno-estadunidense, como prova que o homossexualismo foi largamente aceito em outros tempos e culturas, embora essas instituições históricas não combinem com o conceito moderno da orientação sexual gay.[carece de fontes?]

Em alguns casos, os comentaristas gays nos meios de comunicação estadunidenses retrataram indivíduos pegos em escândalos que implicam casos sexuais do mesmo sexo, como o Senador Republicano Larry Craig o televangelista Ted Haggard, como "homossexuais reprimidos". Propriamente dito, esses indivíduos foram empregados em estilos de vida bissexuais, desde então enquanto o comportamento foi homossexual, ambos tinham parceiras heterossexuais regulares além de amantes sexuais do mesmo sexo, e não se etiquetaram como gay ou homossexual.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sexual Prejudice: The erasure of bisexuals in academia and the media (em português: Preconceito Sexual: O apagamento dos bissexuais na academia e na mídia American Sexuality Magazine. Visitado em 19 de dezembro de 2010.
  2. GL vs. BT: The Archaeology of Biphobia and Transphobia Within the U.S. Gay and Lesbian Community (em português: GL vs BT: A Arqueologia de bifobia e Transfobia Dentro da Comunidade Gay e Lésbica dos EUA Journal of Bisexuality (2004). Visitado em 19 de dezembro de 2010.
  3. Yoshino, Kenji (January 2000). "The Epistemic Contract of Bisexual Erasure". Stanford Law Review 52 (2): 353–461. Stanford Law School. DOI:10.2307/1229482.

Outras leituras[editar | editar código-fonte]

  • Fraser, M., Identity Without Selfhood: Simone de Beauvoir and Bisexuality, Cambridge and New York: Cambridge University Press 1999. p. 124-140.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]