Apagamento bissexual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Apagamento bissexual é a tendência de ignorar, remover, falsificar, ou re-explicar a evidência de bissexualidade do registro histórico, materiais acadêmicos, meios de comunicação de notícias, e outras fontes primárias. Quando o apagamento bissexual é encontrada em trabalhos intelectualmente desonestos ou errôneos, ele é uma manifestação de bifobia. Na sua forma mais extrema, o apagamento bissexual pode inclusive negar que a pessoa bissexual de fato exista.[1]

Na comunidade gay[editar | editar código-fonte]

O apagamento bissexual pode originar-se de uma crença que a pessoa bissexual não merece a posição igual ou a inclusão dentro de comunidades gays e lésbicas.[2]

Isto pode tomar a forma de omitir a palavra bissexual em nome de uma organização ou evento que serve à comunidade LGBT inteira. A pessoa homossexual que se ocupa em apagamento bissexual pode exigir que bissexuais são de fato gays "trancados" que desejam parecer heterossexuais.[3] Se este fosse o caso ele seria apagamento homossexual.

É também comum para escritores gays e ativistas para retratar bissexual e gênero que obscurece comportamentos em culturas antigas e não-ocidentais, como pederastia grega antiga ou berdaches indígeno-estadunidense, como prova que o homossexualismo foi largamente aceito em outros tempos e culturas, embora essas instituições históricas não combinem com o conceito moderno da orientação sexual gay.[carece de fontes?]

Em alguns casos, os comentaristas gays nos meios de comunicação estadunidenses retrataram indivíduos pegos em escândalos que implicam casos sexuais do mesmo sexo, como o Senador Republicano Larry Craig o televangelista Ted Haggard, como "homossexuais reprimidos". Propriamente dito, esses indivíduos foram empregados em estilos de vida bissexuais, desde então enquanto o comportamento foi homossexual, ambos tinham parceiras heterossexuais regulares além de amantes sexuais do mesmo sexo, e não se etiquetaram como gay ou homossexual.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sexual Prejudice: The erasure of bisexuals in academia and the media (em português: Preconceito Sexual: O apagamento dos bissexuais na academia e na mídia. American Sexuality Magazine. Página visitada em 19 de dezembro de 2010.
  2. GL vs. BT: The Archaeology of Biphobia and Transphobia Within the U.S. Gay and Lesbian Community (em português: GL vs BT: A Arqueologia de bifobia e Transfobia Dentro da Comunidade Gay e Lésbica dos EUA. Journal of Bisexuality (2004). Página visitada em 19 de dezembro de 2010.
  3. Yoshino, Kenji (January 2000). "The Epistemic Contract of Bisexual Erasure". Stanford Law Review 52 (2): 353–461. Stanford Law School. DOI:10.2307/1229482.

Outras leituras[editar | editar código-fonte]

  • Fraser, M., Identity Without Selfhood: Simone de Beauvoir and Bisexuality, Cambridge and New York: Cambridge University Press 1999. p. 124-140.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]