Apoplasto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Numa planta, o apoplasto é o nome dado ao conjunto dos compartimentos existentes exteriormente à membrana plasmática1 , onde ocorre difusão simples. É interrompido pelas bandas de Caspari, por espaços preenchidos por ar entre as células e pela cutícula da planta. Estruturalmente, o apoplasto é formado pelo contínuo de paredes celulares de células adjacentes, assim como pelos espaços extracelulares, formando um compartimento comparável ao simplasto. A rota apoplástica facilita o transporte de água e de solutos através de um tecido ou órgão (Cambell and Reece, 2002). A este processo é dado o nome de transporte apoplástico.

A apoplasto desempenha um papel importante nos processos de comunicação da planta com o meio ambiente. A principal fonte de carbono para a planta, o dióxido de carbono, necessita de se solubilizar no apoplasto antes de ser transportado para dentro do cloroplasto e consumido durante a fotossíntese. Nas raizes, os iões difundem-se para o apoplasto da epiderme, antes de serem transferidos para o simplasto com auxílio de canais iónicos e antes de serem transportados pela planta devido à corrente de transpiração.

De maneira similar, todas as moléculas gasosas emitidas ou recebidas pela planta, tais como hormonas vegetais ou feromonas, têm que passar pelo apolasto. O apoplasto é também local para comunicação célula a célula. Durante estresse oxidativo local, o peróxido de hidrogénio e o anião superóxido podem-se difundir pelo apolasto e transportar um sinal de alerta para as células vizinhas. Em adição a isto, uma alcalinização local do apoplasto devido ao stress indicado, poderá ser difundido num tempo de minutos, para o resto da planta, através do xilema, desencandeando uma resistência sistémica adquirida (Felle et al., 2005).

Referências

  1. Burkhard Sattelmacher (2001) The apoplast and its significance for plant mineral nutrition New Phytologist 149 (2), 167–192. doi:10.1046/j.1469-8137.2001.00034.x
  1. Cambell, N.A., Reece, J.B. (2002). Biology. California: Benjamin Cummings. 753-754. ISBN 0-8053-6624-5
  2. Felle HH, Herrmann A, Hückelhoven R, Kogel K-H (2005) Root-to-shoot signalling: apoplastic alkalinization, a general stress response and defence factor in barley (Hordeum vulgare). Protoplasma 227, 17 - 24.
  3. Salibury F, Ross C (1991) Plant Physiology. Brooks Cole, pp 682, ISBN 0-534-15162-0.

Ver também[editar | editar código-fonte]