Archiannelida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Como ler uma caixa taxonómicaArchiannelida
Polygordius appendiculatus.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Annelida
Classe: Archiannelida

Haplodrili ou Archiannelida é considerado um grupo de anelídeos primitivos, mas isso não é certo, uma vez que não se sabe se o grupo é primitivo ou se são uma degeneração de poliquetas.[carece de fontes?] Diversas famílias fazem parte desse grupo:Dinophilidae, Nerillidae, Polygordiidae, Prorodrilidae and Saccocirridae.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

  • são seres intersticiais (vivem entre os grãos de areia).
  • são transparentes / alaranjados.
  • possuem estruturas adesivas (ventosas ou muco) para se fixarem nos grãos de areia e assim não serem levados pelas marés.
  • corpo vermiforme e longo.
  • presença de cílios e flagelos.
  • podem posuir 2 cavidades (os poliquetas também têm) que são quimioreceptoras. Saem cerdas destas cavidades.
  • marinhos / dulcícolas.
  • corpo filiforme.
  • segmentos pouco diferenciados externamente.
  • fibras musculares bem desenvolvidas.
  • faringe eversível (probóscide).
  • parapódios reduzidos ou ausentes.
  • prostômio com ou sem tentáculos. Se sim, são 2 ou 3.
  • presença ou não de de 4 palpos no peristômio e de cirros tentaculares.
  • ausência ou 1 parde olhos.
  • órgãos nucais.
  • pigídio com papilas adesivas (muco).
  • sexos separados.
  • Fecundação interna / externa.
  • larva trocófora (desenvolvimento não é direto).
  • Até hoje só foi descrita a reprodução sexuada. A assexuada ainda não foi descrita mas não se pode falar que não ocorre porque este é um animal pouquíssimo estudado até hoje.

Referências

  1. Fauchald, K. (1977). The polychaete worms, definitions and keys to the orders, families and genera. Natural History Museum of Los Angeles County: Los Angeles, CA (USA), Science Series 28: 1–188, P. 152–155. The full text