Avenida Frei Serafim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde março de 2011)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Avenida Frei Serafim placa histórica..JPG
Subprefeitura: SDU Centro
Bairro: Centro Norte, Centro-Sul, Ilhotas e Cabral
Início*: Igreja São Benedito, Praça da Liberdade
Término*: Ponte Juscelino Kubitschek
Comprimento: 1.836 m
Abertura: 1896
Designação anterior: Estrada Real
(*):O início e o término do logradouro geralmente é indicativo, apontando as vias principais.

A Avenida Frei Serafim é um dos principais logradouros mais importantes da cidade de Teresina. Antigamente antigamente era uma avenida residencial.

História[editar | editar código-fonte]

Avenida Frei Serafim é parte importante pela vida histórica, arquitetônica e urbanística. O que hoje é a mais importante artéria da cidade constava nos primeiros mapas de Teresina como “Estrada Real”, trilha que se iniciava no limite oriental da cidade, na vizinhança do Cemitério da Jurubeba, atual localização da Igreja de São Benedito. Foi o eixo de crescimento da capital durante o século XX, dirigindo-a para o Leste (que no início da construção era apenas fazendas, hoje área nobre da cidade) e fazendo que o perímetro urbano fosse ampliado além do Rio Poti e serviu como divisão da zona norte e zona sul da cidade.

Sucessivas reformas para embelezamento e modernização foram realizadas ao longo do tempo, as duas maiores na década de 1970 do século XX, patrocinada pelo Governo do Estado e o Tesouro Nacional, e em 2007, feita pela Prefeitura, ainda preservada desde a última reforma; os altos postes de iluminação são da década de 1970.

Homenagem[editar | editar código-fonte]

Frei Serafim de Catânia foi um missionário Capuchinho que chegou ao Brasil por Recife, em 1841. Percorreu todo o Nordeste pregando e edificando igrejas, tornando-se famoso por sua bondade e ganhando fama de milagreiro.

Chegou a Teresina em 1874, construindo na pequena e pobre capital, com esmolas da comunidade e doações do Tesouro Público, a majestosa Igreja de São Benedito, concluída em 1886. Tal trabalho deve ter consumido sobremaneira a saúde do idoso frade, que retornou à Itália e lá faleceu no ano seguinte. A cidade demonstrou sua gratidão ao religioso dando seu nome à sua principal Avenida - que começa na monumental igreja por ele construída (e erguendo uma estátua em sua homenagem em seu passeio central).

Caractéristicas[editar | editar código-fonte]

A Avenida Frei Serafim é também espetacular à noite, com um intenso tráfego de veículos passando em frente a prédios especialmente iluminados, como a Igreja de São Benedito e o Colégio Sagrado Coração de Jesus.

O passeio central é um pavimento decorado, que a transformaram em um espaço similar às ramblas espanholas. O 2º Batalhão de Engenharia de Construção, construído em 1958, recebeu a denominação de “Batalhão Heróis do Jenipapo”, em homenagem aos patriotas piauienses que lutaram na célebre Batalha do Jenipapo, decisiva para a consolidação da Independência do Brasil. Vários edifícios têm nomes que homenageiam personalidades históricas, no Natal a avenida ganha decoração especial e torna-se um grande espetáculo de luzes.

O entorno da Avenida Frei Serafim possui uma atividade intensa. Um importante Pólo de Saúde foi erguido a partir do Hospital Getúlio Vargas, que atrai pacientes de vários lugares, o maior do estado. Vários dos principais hotéis da cidade (inclusive de redes internacionais) também estão situados no seu perímetro, que tem comércio e serviços extremamente diversificados. Por sua localização privilegiada, elegantes condomínios residenciais também são erguidos em sua vizinhança, no bairro Ilhotas.

Passeio[editar | editar código-fonte]

A história de Teresina também é contada em homenagens feitas a filhos ilustres do Estado ao longo do canteiro da Avenida Frei Serafim. Estátuas do próprio Frei Serafim de Catânia, do ex-prefeito Wall Ferraz,ex-ministro Petrônio Portella e um busto do ex-presidente Getúlio Vargas podem ser vistas em seu trajeto.

O canteiro central da avenida, é bastante arborizada dando-lhe características de boulevard que a levaram a tornar-se o endereço de escolha para a elite da cidade na primeira metade do século XX. Em 2007, o canteiro central da Frei Serafim foi modificado e bem estruturado, pavimentada em pedras portuguesas, com jardins, canteiros, rampas de acessibilidade, restauro de postes antigos e bancos para melhor receber os visitantes, um dos principais cartões postais da cidade de Teresina.

Casarões[editar | editar código-fonte]

Antigamente, a Frei Serafim era uma avenida residencial, cheia de casarões foi um endereço elegante da cidade durante muitos anos. As famílias de posses (principalmente de prósperos imigrantes árabes) erguiam casarões ecléticos na avenida e nas ruas adjacentes, com elementos decorativos ricos e variados, como os estilos em chalé suíço. Embora boa parte destes casarões tenha sido demolida, muitos resistiram aos anos e foram adaptados a usos comerciais modernos, alguns dos quais podem ser vistos.

Não existem mais famílias morando nela; mas desde a década de 1950 os luxuosos casarões foram preservados e pelo seu valor imobiliário e comercial, deram abrigo ao comércio, clínicas e empresas de grande e médio porte; que também faz contraste com grandiosos prédios.

Via Religiosa[editar | editar código-fonte]

Além da própria Igreja de São Benedito, outros edifícios da Igreja Católica são marcantes na paisagem da Avenida Frei Serafim. O Convento de São Benedito, construído em 1948 pelos Frades Capuchinhos, está localizado logo atrás da grande Igreja.

O Colégio Sagrado Coração de Jesus, mais conhecido como Colégio das Irmãs, pertencente às Irmãs Savinianas, é outro imponente edifício, com sua bela capela neogótica. Palácio Arcebispal de Teresina, residência do Arcebispo Metropolitano, edificação eclética de 1925, projetada por um engenheiro austríaco. Centro Pastoral Paulo VI, antigo seminário-mor e atual séde da Cúria Metropolitana.

Ver também[editar | editar código-fonte]