Celofane

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde junho de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
processo produtivo do Rayon

O celofane é um polímero natural derivado da celulose. Tem o aspecto de uma película fina, transparente, flexível e resistente a esforços de tensão, porém muito fácil de ser cortado. Outra de suas qualidades é ser biodegradável. Não resiste bem à humidade, já que tende a absorvê-la.

O processo de produção se dá a partir de fibras de celulose de madeira, algodão, cânhamo, ou de outras fontes dissolvidos em álcali dissulfureto de carbono e para fazer uma solução chamada viscose, que é depois extrudida através de uma frincha para um banho de ácido reconverter a viscose em celulose. A processo semelhante, usando um buraco (uma fieira) em vez de uma frincha, é usado para fazer a fibra chamada raiom. Quimicamente, celofane, raiom e celulose são polímeros de glicose e contém os elementos químicos carbono, hidrogênio e oxigênio.

É utilizado principalmente como envoltório. Foi muito usado na elaboração de fitas adesivas, porém substituído em grande parte por outros polímeros. Algumas de suas aplicações, porém, até hoje se mantém, como para a produção de borracha (como desmoldante), para embrulhar pães (uma vez que os plásticos não deixam os pães 'respirarem' deixando-os abafados e moles), etc.

Em algumas aplicações, a sua superfície é recoberta para complementar ou modificar suas propriedades, pois o celofane puro não possui a capacidade de selar. Já o celofane envernizado com PVdC, por exemplo, sela tão bem quanto os plásticos, porém não agride o meio ambiente.

Celofane era originalmente uma marca, que hoje foi generalizada de forma errada. Hoje em dia é comum chamar qualquer plástico de celofane. Porém, o celofane deriva da viscose/ celulose regenerada (igual ao papel), e não do petróleo (como os plásticos). Logo o correto seria chamar o celofane de papel celofane.

Por ser feito de um produto essencialmente natural (celulose), o Celofane não contamina os alimentos com os quais entra em contato. E por isso está sendo muito usado hoje em dia para assar alimentos. O processo de assar alimentos em churrasqueiras e fornos, envolvidos em filmes ou alumínios (folha), deu-se pela necessidade de manter os líquidos durante o processo de assar.

O papel celofane, ao contrário do alumínio, deixa escapar os líquidos, diminuindo o tempo do assado. Pode ir ao micro-ondas e ao freezer.

Efeito piezoelétrico[editar | editar código-fonte]

Que a celulose tem um efeito piezoelétrico - ela se curva ligeiramente sob a ação de um campo elétrico - isso já é sabido há muito tempo. Mas, ao contrário dos cristais piezoelétricos, que "dão um tranco", o efeito sutil notado na celulose até hoje não havia atraído muito a atenção dos cientistas.(Fonte: Site Inovação Tecnológica)

Uma equipe liderada pelo professor Jaehwan Kim fez um experimento que lançou o celofane definitivamente na área dos materiais inteligentes; e com aplicações práticas muito promissoras.

Em sua experiência, eles construíram dois eletrodos, um de cada lado da borda de uma folha de celofane, na forma de duas finíssimas e estreitas camadas de ouro. Aplicando uma corrente nesses dois eletrodos, eles descobriram que o papel celofane se curva em direção ao polo positivo.

Para construir um avião, basta alternar rapidamente a voltagem - aplicando uma corrente alternada, ao invés de uma corrente contínua. Assim, o papel vibra na frequência da corrente que o percorre, funcionando como o bater de asas. E está pronto o avião de papel mais "high-tech" do mundo. Ou, talvez, a primeira borboleta artificial já construída.

Seja como for, o aparato voador não precisará ter fios: a celulose é sensível o suficiente para ser sensibilizada por micro-ondas, que podem ser dirigidas por uma antena até o avião-borboleta.

Mas os cientistas destacam que as maiores possibilidades de utilização estão em microescala: microrobôs e MEMS poderão ganhar mobilidade sem a necessidade de complicados motores - que, além do mais, consomem muita energia. Microrobôs "movidos a celofane" poderão ser acionados à distância, recebendo sua energia de uma antena de microondas.

Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.