Cisto sebáceo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Medicina.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

Cisto sebáceo no pescoço.

Um cisto sebáceo, mais adequadamente chamado de cisto epidérmico é um caroço fechado abaixo da superfície da pele preenchido com material branco, semi-sólido, e de odor forte, sendo chamado de sebum. O cisto epidérmico é macio ao toque, de tamanho variado e geralmente de formato redondo. Trauma na pele, ou dos folículos cutâneos podem causar o cisto.

Algumas fontes afirmam que um cisto sebáceo deveria ser definido não pelo conteudo do cisto (sebum), mas pela sua origem (glândulas sebáceas). Como um cisto epidérmico origina-se na epiderme, enquanto outros tipos de cisto se orginiam nos folículos pilosos, nenhum dos dois deveriam ser chamados de cisto sebáceo.[1] Porém, na prática, estes dois tipos de cistos também são denominados cistos sebáceos, devido ao seu conteúdo (sebum). O cisto sebáceo stricto sensu, relacionado com a glândula sebácea, é uma condição rara.

Pode acometer qualquer segmento da pele e semimucosas. Cisto sebáceo não é canceroso (maligno). Geralmente requer tratamento médico quando apresenta crescimento ou quando se torna infectado. A excisão do cisto (cirurgia) é um procedimento relativamente simples e é curativo.

Se o cisto sebáceo é menor do que 1 cm, existe um tratamento não-cirúrgico que é efetivo: consiste em colocar diretamente sobre o cisto uma bolsa de água quente (na temperatura da água de banho) por 15 a 30 minutos duas vezes por dia durante 10 dias. O cisto diminuirá gradualmente até desaparecer (embora ele possa retornar em alguns casos).[2] Este método funciona porque o calor derrete o material "gorduroso" (sebum) dentro do cisto, transformando-o aos poucos em pequenas quantidades de um fluido oleoso, o que facilita sua reabsorção e processamento pelo organismo.

Não se deve nunca espremer um cisto sebáceo, pois isto pode romper a bolsa em que ele se encontra, podendo provocar uma infecção e abrindo mais espaço para o cisto crescer.

Apresenta vários diagnósticos diferenciais como outros cistos, tumores benignos e malignos - sendo assim, é fundamental uma consulta médica para avaliar adequadamente a doença e tratamento.

Referências