Comuna de Paris (1792)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
A Comuna no 9 Termidor do Ano II.

A Comuna de Paris (1789-1795) é o nome dado ao governo revolucionário de Paris, estabelecido em 14 de Julho de 1789 após a Tomada da Bastilha, marco inicial da Revolução Francesa. Seu primeiro prefeito foi Jean-Sylvain Bailly e teve suas sessões do Hôtel de Ville (em francês). Transformada em Comuna Revolucionária a partir de 10 de Agosto de 1792, porta-voz dos elementos revolucionários do movimento parisiense, ela será personagem dos movimentos mais dramáticos vividos pela Revolução.

Pela lei de 21 de Maio de 1790, o governo revolucionário passa a ser um organismo regular. Os membros do Comitê Geral da Comuna de Paris eram eleitos pelos cidadãos das 48 secções da cidade de Paris. Depois da substituição de Jean-Sylvain Bailly por Jérôme Pétion, em 13 de Novembro de 1791 - suspensa de 6 a 13 de Julho de 1792 -, a Comuna teve por prefeitos sucessivos : Philibert Borie (prefeito interino), Boucher-René (prefeito interino), Chambon, Jean-Nicolas Pache e Jean-Baptiste Fleuriot-Lescot que manteve suas funções até o 9 Termidor do Ano II (27 de Julho de 1794).

A Comuna Insurrecional de Paris[editar | editar código-fonte]

Jérôme Pétion de Villeneuve

Na noite de 9 para 10 de Agosto de 1792, sob a ameaça de invasão externa e o receio de uma traição do Rei Luís XVI, uma comuna insurrecional, dirigida por Pétion, Pierre Louis Manuel e seu substituto Georges Danton toma o lugar da comuna legal. Formada por 52 comissários designados com a participação dos cidadãos parisienses, ela defende as idéias dos sans-culottes e torna-se um dos órgãos principais do governo, impondo seu poder às províncias.

A Comuna Insurrecional de Paris contribuiu para a criação do Tribunal Revolucionário (17 de Agosto de 1792), destinado a julgar suspeitos, permaneceu passiva face aos Massacres de Setembro, impôs a proscrição dos Girondinos (2 de Junho de 1793, a instituição do Terror e participou do movimento de descristianização. Titular dos poderes da polícia, nomeou os policiais parisienses encarregados do encarceramento em massa de suspeitos.

Foi dominada , em 1793, pelo Comitê de Salvação Pública, dirigido por Robespierre, Saint-Just e Couthon. A Comuna Insurrecional de Paris perdeu sua influência após a eliminação dos Herbertistas (24 de Março de 1794). A Convenção Nacional suprimiu a Comuna de Paris e decidiu guilhotinar 93 de seus membros.

Sob a Convenção Termidoriana, a Comuna de Paris foi substituída por dois comissários.

A Constituição do Ano III (1795) então trocou a Comuna de Paris por doze municipalidades distintas, coordenadas por um escritório central, para impedir uma nova ditadura popular.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.