Escravos de Jó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Escravos de Jó é uma cantiga de roda de origem, africana.Formada a roda, as crianças (ou jogadores) permanecem paradas, podendo inclusive ficar sentadas, com um objeto igual para todos (pedrinhas, copo, caneca, etc), na mão direita. Ao ritmo da música, marcando os tempos fortes, iniciam a brincadeira de passar o objeto que têm na mão direita para o vizinho da direita, e receber com a mão esquerda o objeto do vizinho da esquerda (se estiver de pé), trocando-o rapidamente de mão.

Quando a letra diz "zigue, zigue, zá", o objeto é retido na mão direita, e só passado para a pessoa da direita na última palavra.

Observação: Quando o jogo é feito sentado (geralmente em torno de uma mesa), pode-se usar somente a mão direita, largando-se o objeto sempre à frente do vizinho da direita. Vão saindo da roda aqueles que se perderem no ritmo, ou passarem mal o objeto, que pode ser caixinha de fósforo, ou qualquer outro objeto que seja fácil de tomar com uma só mão. Para super cobras no jogo, pode ser tentada uma rodada especial invertendo o sentido da brincadeira (para a esquerda).[1]

Objetivo do jogo[editar | editar código-fonte]

Vários jogadores se dispõem ao redor de uma mesa, com um objeto (uma pedra, uma caneca ou uma caixa de fósforos) na mão.

Ao ritmo e ao som de uma música com letra, ficam trocando as peças com os jogadores ao lado.

Quem erra a disposição das pedras é eliminado da competição.

Ver descrição

Letra[editar | editar código-fonte]

[editar | editar código-fonte]

Escravos de Jó (versão Zé Pereira )[editar | editar código-fonte]

Escravos de Jó, jogavam caxangá
Escravos de Jó jogavam caxangá.
Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar...
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.

Escravos de Jó (Versão "tira, põe)[editar | editar código-fonte]

Escravos de Jó jogavam caxangá.
Tira. Põe. Deixa ficar...
Guerreiros com guerreiros fazem zigue-zigue-zá.
Guerreiros com guerreiros fazem zigue-zigue-zá.

Escravos de Jó (versão Zambelê)[editar | editar código-fonte]

Escravos de Jó, jogavam caxangá
Escravos de Jó jogavam caxangá.
Tira, põe, deixa o Zambelê ficar...
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.

Escravos de Jó (versão Cão Guerreiro)[editar | editar código-fonte]

Escravos de Jó, jogavam caxangá
Escravos de Jó jogavam caxangá.
Tira, bota, deixa o cão guerreiro entrar...
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá

Escravos de Jó (versão "tira-bota" Original)[editar | editar código-fonte]

Escravos de Jó jogavam caxangá
Escravos de Jó jogavam caxangá.
Tira, bota, deixa ficar...
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá;
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.

Escravos de Jó (versão "vamos a Belém")[editar | editar código-fonte]

Escravos de Jó jogavam caxangá.
Escravos de Jó jogavam caxangá.
Tira, bota, vamos a Belém, que vai que vem
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá;
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá

A Regra Internacional[editar | editar código-fonte]

  1. As mesas devem estar sempre alinhadas, em caso de mais de uma mesa;
  2. Cada jogador deve ter um objeto nas mãos;
  3. Na primeira vez é cantada a música com a letra tradicional;
  4. Na segunda, a melodia é entoada apenas com os sons de "lá-lá-lá" no mesmo ritmo;
  5. Na terceira vez, os jogadores apenas murmuram a melodia no mesmo ritmo fazendo "Boca Chiusa";
  6. Na quarta vez, os jogadores apenas movimentam os objetos no ritmo, sem nenhum som, de modo que apenas as batidas na mesa deem o ritmo da cantiga;
  7. A partir de então, bem vindo ao nível cinco, onde tudo acontece em ritmo mais acelerado a iniciar pela 3ª regra internacional.

Dispostos ao redor de uma mesa, os jogadores pegam um objeto cada um.

Ao ritmo da música, entregam seu objeto ao companheiro da direita.

Em determinados momentos da letra, não o solta e o trazem de volta.

Movimento[editar | editar código-fonte]

Escravos (entrega a pedra e pega a do jogador à esquerda) (movimento 1)

de Jó (repete o movimento 1)

jogavam (repete o movimento 1)

caxangá (repete o movimento 1)

Escravos (repete o movimento 1)

de Jó (repete o movimento 1)

jogavam (repete o movimento 1)

caxangá (repete o movimento 1)

tira (leva a pedra e não a solta) (movimento 2)

bota (traz a pedra de volta) (movimento 3)

deixa (movimento 1)

o zambelê (movimento 2)

ficar (movimento 3)

Guerreiros (movimento 1)

com guerreiros (movimento 1)

fazem zig (movimento 2)

zig (movimento 3)

zá (movimento 1)

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Há controvérsias a respeito da origem, do significado e da letra do jogo. [2]

  1. Corruptela da letra
  2. A letra do jogo fazia alusão aos escravos que juntavam caxangá (uma espécie de crustáceo).
  3. A versão que fala de "Zambelê" se refere à lenda de um escravo honrado cuja alma ajuda a quem precisa. [3]

Ver[editar | editar código-fonte]

Cantiga de roda

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. MAFFIOLETTI, Leda; RODRIGUES, Jussara H.. Cantigas de roda
  2. *Controvérsias
  3. A lenda do Zambelê