Estudos homéricos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Estudos homéricos tratam do estudo da poesia épica de Homero, especialmente as duas grandes epopeias sobreviventes, a Ilíada e a Odisseia. Atualmente, é parte de disciplinas acadêmicas em estudos clássicos, embora o tema seja um dos tópicos mais debatidos em todos os estudos ou ciências, remontando à antiguidade. Estritamente em termos de quantidade, é uma das maiores de todas as disciplinas sub-literárias: a publicação anual sobre o assunto supera àquela sobre Shakespeare.

Para o propósito do presente artigo, os estudos homéricos dividem-se entre três fases principais: antiguidade; séculos XVIII e XIX; e século XX em diante.

Estudos na antiguidade[editar | editar código-fonte]

Escólios[editar | editar código-fonte]

Poucas monografias de estudos antigos sobreviveram. A fonte mais importante para nosso conhecimento dos estudos antigos são os Escólios de Homero. Os Escólios consistem em comentários feitos na antiguidade, geralmente preservados às margens dos manuscritos de Homero; sobretudo, são abundantes, representando quantidade substancial em comparação a outros trabalhos antigos no mesmo sentido. Os escólios da Ilíada estão publicados em:

  • Erbse, edição de 1969-1988 (sete volumes) -- contem todos à exceção dos comentários alegóricos, incluindo escólios A, B, T, Ge(neveses) e escólios de papiro recentemente descobertos; e
  • van Thiel, escólios edição-D, 2000 ("scholia minora"), incluindo os escólios alegóricos e material derivado do filósofo Porfírio.

Diferentes comentários chegaram a nós em vários manuscritos diferentes: então, por exemplo, o comentário antigo mais importante é conhecido como "escólio A". Diferentes tipos de escólio reproduzem material também de outros tipos. Os escólios são compilações, e o material contido neles data da faixa entre o século V a.C. até o século VII ou VIII d.C. (os mais recentes - escólios bT). Alguns tipos são conhecidos pela inicial de seus detentores ou publicadores modernos, i.e. T para "escólios de Townley", que são bem exegéticos. Os escólios D ou scholia minora são explicações dos significados de palavras obscuras, tendo sido considerados produção do estudioso Dídimo (século I a.C.); hoje, sabe-se que eles pertenciam aos estudiosos do V e do IV séculos.

Os escólios A são nossa fonte mais importante. Eles são encontrados num manuscrito datado do século X d.C. conhecido como Venetus A, de modo que são também chamados "escólios Venetus". O Venetus A contem o melhor texto da Ilíada e as marcações críticas do estudioso alexandrino Aristarco da Samotrácia, bem como os escólios às margens do texto. Os escólios, por sua vez, consistem principalmente de extratos de quatro produções de estudiosos: o de Dídimo Calcenteros, sobre a revisão feita por Aristarco.

Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.