Guna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Guna é, segundo a filosofia Samkhya, uma das três "tendências" — sattva, rajas e tamas — que caracterizam um comportamento, estado mental ou fenómeno natural.

Sattva[editar | editar código-fonte]

Ser, existência ou entidade, tem sido traduzido por equilíbrio, ordem e pureza. Este guna implica que uma pessoa com tendências sáttvicas tenha um estado mental positivo e coerente. Psicologicamente é afectuosa, calma, desperta, altruísta e lúcida. Tem grande amor pela meditação, filosofia e actividades espirituais.

Rajas[editar | editar código-fonte]

Originalmente, atmosfera, ar, firmamento: Gera actividade. Este tipo de actividade é explicado pelo termo yogakshem. Yogakshem é composto por duas palavras: yoga e kshem. Yoga, neste contexto, significa adquirir algo que não se possui. Kshem significa perder algo que já se tem. Rajas é a força que cria desejos para adquirir coisas novas e temores de perder aquilo que já se tem. Estes desejos e medos conduzem à actividade. (Rajas não tem qualquer relação etimológica com a palavra raja.) As pessoas com tendências rajásicas são muito dinâmicas, egocêntricas, consumistas, ambiciosas, vaidosas, sempre preocupadas e inquietas, com fome de poder, riqueza e prestígio.

Tamas[editar | editar código-fonte]

Originalmente, escuridão, obscuridade: Tem sido traduzido como inércia, negativo, letárgico, entorpecido ou lento. Geralmente, está associado à escuridão, à ilusão ou ignorância. Uma qualidade tamásica indica que uma pessoa tem um estado mental auto-destrutivo, caótico ou embotado. Essa pessoa dedica-se constantemente a atividades destrutivas, criminosas ou imorais, ou então é muito preguiçosa, pouco ambiciosa, passiva, ignorante e inconsciente, vivendo o dia-a-dia de modo banal, embrutecido e conformista.

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.