Hóquei em patins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hóquei em Patins)
Ir para: navegação, pesquisa
Hóquei em Patins
Switzerland-Spain final 2007 rink hockey world championship.jpg
Campeão Mundial
Masculinos: Angola 2013
Último
 Espanha
Mais títulos
 Espanha (16)
Femininos: Recife 2012
Último
 França
Mais títulos
 Argentina e
 Espanha (4)
Campeão Europeu
Masculinos:Paredes 2012
Último
 Espanha
Mais títulos
 Portugal (20)
Femininos: Cronenberg 2011
Último
 Espanha
Mais títulos
 Portugal e
 Espanha (3)
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Hóquei em patins
ERG-Iserlohn1.JPG

O hóquei em patins, ou hóquei sobre patins, é um desporto colectivo que se joga num rinque de patinagem, em que os atletas rolam sobre patins e usam um stick para conduzir uma bola que tentam introduzir na baliza adversária.

O hóquei em patins tradicional é jogado por cinco jogadores, quatro em campo e um guarda-redes. Neste desporto é utilizado o seguinte equipamento: Patins (compostos por quatro rodas cada patim, travão, chassi e bota), stick e bola. Como equipamento de protecção utiliza-se caneleiras, joelheiras, luvas, coquilha e no caso dos guarda-redes, protecção de coxa e mascara para a cabeça. O jogo disputa-se num rinque.

O Organismo máximo para esta modalidade a nível mundial é o CIRH, Comité Internacional de Hóquei em Patins, enquanto que a nível europeu temos CERH (Comité Europeu), responsável por todas as provas existentes no continente europeu e o CSP (Comité Sul Americano), responsável pelas provas no continente Sul Americano. As principais provas a nível de selecções masculinas e femininas são o Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins e Campeonato Europeu de Hóquei em Patins.

História[editar | editar código-fonte]

As origens do hóquei são muito antigas. Foi encontrado um baixo-relevo egípcio, que mostra um grupo de crianças batendo uma bola com um bastão muito grosso. Em Atenas também foi encontrado um baixo-relevo da civilização clássica grega, que representa vários jogadores em posição de jogar uma bola e empunhando aléus (sticks). Em França, nos fins da Idade Média, o jogo era conhecido por Crosse e por vezes chamavam-lhe Hoquet, que, possivelmente, deu origem em inglês a Hockey. Outros autores defendem que o Hóquei (de rodas e de gelo) constitui uma derivante do jogo Bandy, cujo termo em Inglês designa cajado e que era praticado pelos Índios Americanos. E se o hóquei remonta à Antiguidade Pré-Clássica, a patinagem (deslizar em rodas) tem o seu aparecimento, segundo a existência de diversas gravuras, no início do século XII. A divulgação do primeiro patim de rodas é atribuída ao belga Joseph Merlin, mas foi a partir do jogo elástico do americano James Plympton (1850) que se deu a grande expansão da patinagem. Em Inglaterra começou a ser praticada em 1877. Mas de uma forma competitiva e organizada, só em 1905. Em 1949 passou a chamar-se Roller Hockhey. A Inglaterra venceu o primeiro campeonato da Europa (1926) e do mundo (1936). Foi a partir da segunda guerra mundial que Portugal e Espanha passaram a dominar o hóquei patinado europeu. Em 1947 Portugal venceu os terceiros campeonatos da Europa, realizados em Lisboa. A partir daí a população portuguesa ficou definitivamente conquistada por este bonito e emocionante desporto, o qual passou a ser unanimemente considerado modalidade nacional.

Actualmente é praticada em cerca de 60 países e tem como principais potencias Portugal, Espanha, Itália e Argentina, estando a crescer em países como França, Suíça, Brasil, Angola, Moçambique, Estados Unidos e China através da antiga província Portuguesa, Macau. É de esperar que num futuro bem próximo a modalidade cresça ainda mais tanto em termos masculinos como femininos de forma a poder fazer parte de novo nos Jogos Olímpicos como já aconteceu em 1992 em Barcelona, onde não conseguiu conquistar os responsáveis para que se transformasse em modalidade olímpica. Portugal, Espanha, Inglaterra, Itália e Argentina são actualmente os países que detêm mais títulos europeus e mundiais no seu historial.

Hóquei em patins tradicional[editar | editar código-fonte]

Hóquei patins tradicional foi a primeira modalidade da patinagem a conseguir o estatuto de desporto olímpico, algo que aconteceu em 1992, durante os Jogos Olímpicos de Barcelona. Praticada actualmente em cerca de trinta países, é muito apreciada em Portugal, Espanha (sobretudo Catalunha e Galiza), Itália e Argentina (desporto-rei em San Juan e Mendoza).

O país com o maior número títulos mundiais é Portugal, seguido pela Espanha. Em Portugal existem actualmente cerca de 150 clubes, com a modalidade de hóquei em patins no activo. No Brasil existem poucos clubes. O hóquei tradicional chegou ao Brasil em 1952, por influência dos emigrantes portugueses que viviam no Brasil. A primeira presença do Brasil em Campeonatos do Mundo foi em 1953, em Genebra, em que o Brasil se classificou na 10ª posição (total 13 países). Actualmente, e apesar das dificuldades económicas, o Brasil é a 5ª Melhor selecção masculina e a 2ª Melhor selecção feminina do mundo.

O hóquei em patins teve a sua criação em Inglaterra.

Evolução do Hóquei em Patins em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, julga-se que o hóquei em patins teve a sua origem no jogo da Choca. Esse jogo era jogado por cinco jogadores munidos de um pau (que podia ser, ou não, curvo na ponta), uma pequena bola de madeira (ou uma pinha) que tinha o nome de reca, choca ou porca, ou em outras localidades, unha de boi (corneta).

O primeiro relato histórico remete-nos para 1873, data em que D. Maria Pia terá apresentado os primeiros patins em Mafra. Durante muito tempo a patinagem esteve ligada à aristocracia. O primeiro rinque foi construído na antiga cidade de Lourenço Marques (1905). Os primeiros registos de patinagem em recintos públicos apontam para o Colégio Militar e Escola Académica de Lisboa (1905). Nesse mesmo ano terá sido praticada colectivamente em Carcavelos, por influência de funcionários ingleses. Os ingleses foram também os responsáveis pela realização do primeiro jogo entre equipas portuguesas (1912), com equipamentos cedidos por eles. Os ingleses terão sido os grandes impulsionadores e influenciadores do inicio da prática do Hóquei em Patins em Portugal. Nos anos 1930 a 1940, era praticado nos concelhos de Viana do Castelo, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Vinhais, Espinho, Cantanhede, Fornos de Algodres, várias localidades da Beira Baixa e ainda Sesimbra. A Federação Portuguesa de Patinagem foi fundada em 1933. Em 1939 organiza os primeiros campeonatos nacionais, os quais foram ganhos pelo Sporting. Portugal, para orgulho de todos os portugueses e em especial dos praticantes e de todas as pessoas ligadas ao hóquei em patins, é o país do mundo com mais títulos internacionais conquistados. De Portugal, Armindo Melão e seu filho Jorge Melão vieram ao Brasil, em Fortaleza, no Ceará e trouxeram o esporte hóquei em patins, dando origem à quadra do nome Armindo Melão na Beira-Mar. Hoje já é muito praticado, porém atualmente o hóquei no brasil passa por momentos difíceis pois só está de pé por conta de pessoas apaixonadas pela modalidade que carregam o esporte nas costas.Um grande exemplo é a cidade de recife que contém duas grandes equipes brasileiras (Clube Português e Sport Recife), apresentando ambas dificuldades para a evolução das categorias de base.O Sport Recife tem o apoio do ex-jogador e atual professor Beto Gesteira, que por sua vez faz um trabalho comunitário, conseguindo manter a modalidade no clube. Já o Clube Português do Recife passa por momentos horríveis por conta da falta de material atribuída pelo clube, porém tem o apoio do professor e também ex-jogador Ricardo que tenta manter o hóquei no clube mesmo com condições precárias.

Regulamentos e Regras do Jogo[editar | editar código-fonte]

Uma partida de hóquei em patins consiste em duas partes de 25 minutos cada (20 minutos em torneios de jogos em dias sucessivos), durante os quais duas equipas com cinco jogadores cada tentam marcar o maior número de golos possível. Os golos são marcados quando a bola, que só pode ser tocada com o stick, atravessa totalmente a linha de golo adversária.[1]

Rinque[editar | editar código-fonte]

O terreno de jogo, ou rinque consiste numa pista rectangular, de superfície plana e lisa, construída num material aprovado - madeira, cimento ou outros (polímeros) – e que permita uma boa utilização, em termos de aderência e deslizamento dos patins. Os jogos são geralRnte disputados em pistas cobertas (pavilhão), embora no passado tenha sido frequentes as partidas disputadas ao ar livre. As dimensões podem variar entre os 34 metros de comprimento por 17 metros de largura (mínimo) e os 44 metros de comprimento por 22 metros de largura (máximo). O perímetro da pista de jogo é delimitado por uma vedação fechada (tabelas), com 1 metro de altura e tendo quatro cantos arredondados, de formato semicircular.[2]

Marcações[editar | editar código-fonte]

A pista de jogo contém as seguintes marcações específicas:

Área de Grande Penalidade ou Área da Baliza: De forma rectangular e marcada em cada meia pista, a área de grande-penalidade ou área de baliza está delimitada por quatro linhas de 9 m por 5,40 m.
Zona de protecção dos guarda-redes: Semicírculo – o qual é demarcado a partir do seu centro, que está situado a meio da linha de golo da respectiva baliza – e vai de poste a poste.
Marca de Grande Penalidade ou Penalti: Situa-se a meio da linha de área mais próxima do meio da pista a uma distância de 5,40 m do centro da linha de golo, no seu alinhamento perpendicular.
Marca de Livre directo: Marca em cada uma das meias pistas, a uma distância de 7,40 metros do centro da linha de golo, no seu alinhamento perpendicular.
Linha divisória de meia pista
Círculo central da pista
Marca para início e reinício do jogo

Equipamentos necessários[editar | editar código-fonte]

Patins de rodas (geralmente de 4 rodas, dispostas em forma quadrangular);
Stick
Calções e camisola desportiva
Meias
Material de protecção, como caneleiras, joelheiras e cotoveleiras
Luvas e capacetes específicos para a protecção dos guarda-redes

O stick[editar | editar código-fonte]

O stick é geralmente feito de madeira, podendo ser de plástico ou outro material que seja previamente aprovado pelo CIRH, podendo variar entre os 0,90 m e 1,15 m, não podendo exceder 0,500 kg.

A bola[editar | editar código-fonte]

A bola é fabricada em cortiça prensada e borracha vulcanizada, tendo um peso de 0,155 kg, com um perímetro de 23 cm

Regras do jogo[editar | editar código-fonte]

Os jogadores (com excepção do Guarda-Redes) só podem jogar a bola com o stick, não podendo levantar a bola a mais de 1,50 metros de altura, excepção feita ao Guarda-redes quando na sua área de penalti, ou quando a bola é alvo de ressalto num jogador, baliza ou tabelas. Tal como os demais jogadores, o Guarda-redes deve apoiar-se nos seus patins, podendo no entanto - enquanto permanecer na sua área de penalty – ajoelhar-se, sentar-se, deitar-se ou rastejar, podendo deter a bola com qualquer parte do seu corpo ou equipamento de protecção, mesmo que em contacto temporário com a pista.

Assim que uma equipa recuperar a posse de bola, tem 10 segundos para passar para a zona ofensiva da pista (meia pista adversária) e 45 segundos para rematar na direcção da baliza. Durante este tempo, se a bola re-entrar na área defensiva, a equipa dispõe de 5 segundos para voltar a colocar na meia pista ofensiva. Em caso de infracção a posse de bola passará para a equipa adversária.

Infrações[editar | editar código-fonte]

Os Árbitros Principais devem interromper o jogo para marcação duma falta, exceptuando as situações em que tenham de aplicar a “lei da vantagem”.

As infrações podem ser de origem técnica (englobam todas as infracções praticadas com origem na pista de jogo e que estão, essencialmente, relacionadas com o não cumprimento das Regras de Jogo, como jogar a bola intencionalmente com o patim) não tendo punição disciplinar, ou Infracções Leves e faltas de equipa, de foro disciplinar. As faltas leves e faltas de quipa são sancionadas com um livre indirecto. As faltas de equipa são contabilizadas, e quando atingirem as 10 faltas, a equipa é punida com a marcação de um livre directo. Após a 10ª falta, a equipa será novamente punida sempre que for admoestada com mais 5 faltas.

Para as faltas graves ou muito graves existem as seguintes sanções:

Cartão azul - A suspensão temporária do jogo (2 minutos) por faltas graves ou interrupção de uma jogada de contra-ataque com potencial para golo. Durante este período, o jogador penalizado não é substituído, jogando a equipa em inferioridade numérica (situação designada de power-play), salvo se a sua equipa sofrer um golo contrário, podendo entrar um jogador que não o jogador expulso. Findo o período de 2 minutos, o jogador poderá voltar a ser utilizado sem restrições.
A amostragem do Cartão azul, regra geral, tem como consequência a marcação de um livre directo (ou penalti caso a falta seja cometida na área) contra a equipa do infrator.
Cartão vermelho - A expulsão definitiva do jogo por faltas muitos graves que englobam os actos muito graves de indisciplina, de que possam resultar violência ou danos graves, bem como as acções violentas que possam fazer perigar a integridade física de terceiros. O jogador sancionado não poderá voltar a participar no jogo e a sua equipa jogará em inferioridade numérica, durante 4 minutos, de maneira semelhante ao ocorrido na amostragem do cartão azul, incluindo a sanção técnica (livre directo ou penalti).


A amostragem de cartão azul ou vermelho não é contabilizada como falta de equipa. Quando for mostrado simultâneamente a ambas equipas um cartão azul ou vermelho, os jogadores serão excluídos, sendo no entanto substituídos no imeditado, não havendo lugar a power-play.

Livre Directo e Grande Penalidade (Penalti)[editar | editar código-fonte]

A execução do penalti ou do livre directo terá de ser efectuada na meia-pista da equipa sancionada e nas marcas especificamente assinaladas para tal efeito.

Os Jogadores que não têm intervenção na execução ou defesa da falta, têm de colocar-se na outra meia-pista, dentro da área de penalti, só podendo movimentar-se após a bola ter sido tocada pelo jogador que executa o Livre Directo ou Penalti. Após a autorização do árbitro o jogador não pode demorar mais de 5 segundos a marcar o Livre directo ou penalti.

Golpe Duplo[editar | editar código-fonte]

Tem lugar nas seguintes situações:

Bola presa nas redes da baliza, no lado de fora;
Bola presa pelo guarda-redes;
Falta simultânea de jogadores de ambas as equipas na disputa de lance.

Desconto de tempo / time-out[editar | editar código-fonte]

Cada equipa pode solicitar um desconto de tempo (“time-out”), com a duração de um minuto, em cada uma das partes do tempo regulamentar (no prolongamento de um jogo não podem ser concedidos descontos de tempo).


Campeonatos do Mundo — Seniores A Masculinos[editar | editar código-fonte]

O Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins é a principal competição entre as selecções nacionais do Mundo. Esta competição é organizada pelos organismos máximos para este desporto CIRH, Comité Internacional de Hóquei em Patins e a FIRS, Federation International de Roller Sports. A primeira edição ocorreu em 1936 e a 41ª edição decorreu em 2013 em Angola.

 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  Espanha 16 12 7 34
2  Portugal 15 10 12 37
3  Itália 4 8 10 22
4  Argentina 4 6 10 20
5  Inglaterra 2 1 0 3
6 Suíça 0 1 1 2
7  Bélgica 0 1 0 1
7  Países Baixos 0 1 0 1

Campeonatos da Europa — Seniores Masculinos[editar | editar código-fonte]

O Campeonato da Europa de Hóquei em Patins é a principal competição de seleções europeias masculinas de Hóquei em Patins. Esta competição acontece de dois em dois anos e é organizada pelo CERH, o Comité Européen de Rink-Hockey. A 1ª edição decorreu em 1926 e a última edição foi em 2012, e decorreu em Paredes, Portugal.

País Vitórias
Portugal Portugal 20
Espanha Espanha 16
Inglaterra Inglaterra 12
Itália Itália 2

Campeonatos do Mundo — Seniores Femininos[editar | editar código-fonte]

O Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins Feminino é a principal competição entre as selecções nacionais femininas do Mundo. Esta competição tem lugar de dois em dois anos e é organizada pelos organismos máximos para este desporto CIRH, Comité Internacional de Hóquei em Patins e a FIRS, a Federação Internacional de Desportos sobre Patins. A 1ª edição decorreu em 1992 e a última em 2012

 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  Espanha 4 3 2 9
2  Argentina 4 0 3 7
3  Canadá 1 1 0 2
3  França 1 1 0 2
5  Chile 1 0 0 1
6  Portugal 0 3 1 4
7  Brasil 0 2 0 2
7  Itália 0 2 0 2
9  Alemanha 0 0 1 1
9  Japão 0 0 1 1
9  Nova Zelândia 0 0 1 1
9  Colômbia 0 0 1 1

Campeonatos da Europa - Seniores Feminino[editar | editar código-fonte]

O Campeonato Europeu de Hóquei em Patins Feminino é a principal competição de selecções europeias femininas de Hóquei em Patins. Esta competição acontece de dois em dois anos e é organizada pelo CERH. A 1ª edição decorreu em 1991 e a última rem 2011.

Jogos Olímpicos - Masculino[editar | editar código-fonte]

* O Hóquei em patins foi disputado como desporto de exibição.

Outras Competições Internacionais[editar | editar código-fonte]

América[editar | editar código-fonte]

Ásia[editar | editar código-fonte]

Europa[editar | editar código-fonte]

África[editar | editar código-fonte]

Campeões Nacionais de Portugal - Seniores Masculinos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e Referências