John Addington Symonds

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
John Addington Symonds, foto oferecida a Walt Whitman datada de 1889.

John Addington Symonds (5 de Outubro de 1840 - 19 de Abril de 1893) foi um poeta e crítico literário inglês que advogou a validade do amor homossexual, que incluia, no seu entender, tanto a relação com menores como com adultos, e que ele designava por l'amour de l'impossible (o amor impossível).

A temática homossexual na obra de Symonds[editar | editar código-fonte]

Mesmo com os tabus da época Vitoriana de Inglaterra a impedir Symonds de escrever francamente acerca da homossexualidade, as suas obras para o público em geral já continham fortes implicações homossexuais e algumas das primeiras referências a sexo entre homens da literatura inglesa são da sua autoria. Por exemplo, em "The Meeting of David and Jonathan", de 1878, Jonathan toma David nos braços e beija-o: "In his arms of strength / [and] in that kiss / Soul into soul was knit and bliss to bliss".

Em simultâneo com estas referências discretas em obras disponíveis para o público em geral, Symonds escrevia e distribuía, para um círculo privado, algumas obras mais abertas sobre homossexualidade, como um grande conjunto de poemas escritos ao longo das décadas de 1860 e 70, e um dos primeiros ensaios de língua inglesa em defesa da homossexualidade: "A Problem in Greek Ethics", de 1883. Um novo ensaio de 1891, "A Problem in Modern Ethics", incluía propostas concretas para reformar a rígida legislação homofóbica da época.

Estes ensaios tiveram grande impacto no "sub-mundo" dos escritores homossexuais, como Henry James, do final do século XIX e início do século XX e continuaram a ser secretamente publicados e distribuídos durante décadas após a morte de Symonds. As memórias de Symonds, escritas durante um período de 4 anos entre 1889 e 1893, representam a mais antiga autobiografia conscientemente homossexual.