Juliana de Hesse-Darmstadt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Juliana
Condessa da Frísia Oriental
Condessa de Hesse-Darmstadt
Julianeostf.jpg
Juliana
Governo
Consorte Ulrique II da Frísia Oriental
Vida
Nascimento 14 de Abril de 1606
Darmstadt, Alemanha
Morte 15 de Janeiro de 1659 (52 anos)
Osterode am Harz, Alemanha
Filhos Eno Luís da Frísia Oriental
Jorge Cristiano da Frísia Oriental
Edgar Fernando da Frísia Oriental
Pai Luís V de Hesse-Darmstadt
Mãe Madalena de Brandemburgo

Juliana de Hesse-Darmstadt (14 de abril de 1606 - 15 de janeiro de 1659) foi a esposa de Ulrique II da Frísia Oriental e regente do seu filho Eno Luís entre 1648 e 1651.

Família[editar | editar código-fonte]

Juliana era a quinta filha do conde Luís V de Hesse-Darmstadt e da condessa Madalena de Brandemburgo. Os seus avós paternos eram o conde Jorge I de Hesse-Darmstadt e a condessa Madalena de Lippe. Os seus avós maternos eram o príncipe-eleitor João Jorge de Brandemburgo e a princesa Isabel de Anhalt-Zerbst.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Juliana chegou à Frísia Oriental no dia 5 de março de 1631 e casou-se com Ulrique II da Frísia Oriental no mesmo dia. O casal teve três filhos. Apesar de a Guerra dos Trinta Anos estar no seu auge, Ulrique construiu um palácio chamado Lustschloss em Sandhorst. Ficou completo em 1648, apesar de a Frísia Oriental ter sofrido grandes perdas durante a guerra devido aos vários ocupantes estrangeiros que se foram apoderando do território.

Regência[editar | editar código-fonte]

Após a morte do marido, Juliana foi declarada guardiã dos seus filhos ainda menores e regente do estado. Contudo, Juliana enviou os seus filhos incomodativos para o estrangeiro e viveu uma vida decadente, deixando as responsabilidades do governo nas mãos dos seus preferidos que pioraram ainda mais a já de si grave situação do estado. As suas atitudes levaram ao aumento dos problemas com os estados da Frísia Oriental.

O mais conhecido destes favoritos eram o conselheiro Johann von Marenholz e a sua esposa, Elisabeth von Ungnad zu Sonneck, que tinha sido uma dama-de-companhia da Juliana. A duquesa supostamente tinha um caso amoroso com Marenholz que depois provou estar inocente. Apesar de tudo foi executado no dia 21 de julho de 1651 depois de um julgamento fingido. Entretanto, Juliana mudou a corte de Aurich para Sandhorst para viver a sua vida despreocupadamente. Muitos habitantes do estado exigiram que o filho exilado de Juliana voltasse.

O imperador Fernando III interveio, declarando Eno Luís maior de idade em 1651 e, em maio daquele ano, o novo conde expulsou a sua mãe do governo, exilando-a no Castelo de Berum. Em 1654, a antiga regente foi levada para uma quinta em Osterode am Harz onde viria a morrer no dia 15 de janeiro de 1659.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Tielke, Martin (ed.): Biographisches Lexikon für Ostfriesland, Ostfriesisches Landschaftliche Verlag- u. Vertriebsgeschäft, Aurich, vol. 1 ISBN 3-925365-75-3 (1993), vol. 2 ISBN 3-932206-00-2 (1997), vol. 3 ISBN 3-932206-22-3 (2001)
  • Franz Kurowski: Das Volk am Meer – Die dramatische Geschichte der Friesen, Türmer-Verlag 1984, ISBN 3-87829-082-9.
  • Mathilde Raven: Elisabeth von Ungnad - Biographischer Roman aus der Geschichte Oldenburg - Ostfrieslands Lohse-Eissing Verlag, ISBN 3-92060-223-4.