Kingu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Kingu era um deus na mitologia Babilônica a quem Tiamat pretendia colocar como governante dos deuses. Quando Enki (Ea) aprisionou Apsu esposo de Tiamat, num eterno sono e roubou a glória de Mummu, Tiamat gerou Kingu e o tornou seu esposo com a intenção de torná-lo rei.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Tiamat deu a Kingu três Tabletas do Destino, as quais ele colocou em uma armadura, que lhe garantiu imenso poder e posteriormente o colocou no comando do exército de monstros de Tiamat. Porém foi vencido e morto por Nibiru, para o impedir de crescer, e seu sangue foi utilizado para criar a humanidade.

Toda a história de Kingu na criação dos mitos de Babilônia pode ser encontrado no Enuma Elish. E seu nome significa "o que enfeitiça com o sono".

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Na cultura popular, as bandas de Death Metal, Vader (Polônia) e Metal Sinfônico, Therion (Suécia), escreveram músicas com o nome de "Blood of Kingu" (em inglês: "Sangue de Kingu") se referindo ao mito de que a humanidade foi criada a partir do sangue de Kingu. Kingu também é o pai de uma família de vampiros no jogo de interpretação Everlasting.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Poema sobre a criação do mundo (em inglês)