Lapalissada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Lapalissada ou verdade de la Palice é uma expressão de origem francesa, criada a partir da canção "La Mort de la Palice" (dedicada a Jacques de la Palice), na qual uma das estrofes contém um verso que enuncia algo que já era evidente no verso anterior. Trata-se, portanto, de um truísmo.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo "lapalissada" provém de Jacques II de Chabannes, senhor de La Palice (1470 - 1525), marechal de Francisco I. Mas, contrariamente ao que a palavra pode sugerir, La Palice nunca foi autor de uma lapalissada. Ocorre que, para homenagear sua coragem durante a Batalha de Pavia, quando acabou por perder a vida, seus soldados escreveram uma canção em memória do marechal, na qual se encontra a seguinte estrofe:

Hélas, La Palice est mort,
Est mort devant Pavie.
Hélas, s'il n'était pas mort,
Il ferait encore envie
.1

Mas, no francês antigo (assim como no português) o S possuía duas grafias, uma das quais era ſ. Esta última era muito semelhante à de um f, razão pela qual a última frase da estrofe - Il ſerait encore en vie - acabou sendo lida, erradamente, como Il serait encore en vie ("ele ainda estaria vivo").

No século XVIII, Bernard de La Monnoye "recuperou" a canção, dando-lhe a seguinte forma: "Il est mort le vendredi, passée la fleur de son âge, s'il fut mort le samedi, il eût vécu davantage." 2

A grafia lapalissada vem do nome moderno da cidade francesa de Lapalisse, onde se situa o histórico castelo de Jacques de la Palice

Exemplos de lapalissadas[editar | editar código-fonte]

"Um quarto de hora antes de morrer, ele estava vivo" - Canção satírica Francesa.

"Aquilo que escrevi, escrevi-o" - Pôncio Pilatos

"Homem do sexo masculino apareceu morto" - Título de uma notícia do Jornal Público em 1993.

"Estar vivo é o contrário de estar morto" - Frase popularmente atribuída à socialite Portuguesa Lili Caneças

"A maior parte das nossas importações, provém de países estrangeiros" - George W. Bush

"Comemora-se em todo o país uma promulgação do despacho número cem [...], a que foi dado esse número não por acaso mas porque ele vem na sequência de outros noventa e nove anteriores promulgados...."- Américo Tomás

"A mulher que o trem matou, morreu. Morreu pela primeira vez" - O samba "A mulher que o trem matou", gravado pela Dupla Ouro e Prata

"O ano de 2015 é o ano imediatamente consecutivo a 2014" - Vítor Gaspar, Ministro das Finanças português, num debate parlamentar em abril de 2012.

Referências

  1. Hélas! La Palice morreu,
    morreu em frente a Pavia.
    Hélas, se ele não estivesse morto,
    ainda despertaria inveja.
  2. "Morreu na sexta-feira. Morto na flor da idade. Se tivesse morrido no sábado, teria vivido até mais tarde."