Leandro, Rei da Helíria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Leandro, Rei da Helíria é um texto dramático infantil da autoria de Alice Vieira, inspirado na narrativa popular, com semelhanças ao enredo de Rei Lear de Shakespeare.

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O Rei Leandro teve um sonho em que o seu reino se afastava. Para ele, isso significava um aviso dos deuses para deixar de governar. Como tinha três filhas ( Amarílis, Hortênsia, Violeta), resolveu dar o reino àquela que demonstrasse mais amor por ele. Hortênsia respondeu que precisava do pai como precisava do Sol, Amarílis disse que dava a vida pelo pai, e Violeta disse gostar do pai como a comida do sal. O rei, zangado, expulsou Violeta do seu reino. Então, ele decidiu que iria viver seis meses com cada filha das que herdaram do reino. As filhas, depois de conseguirem o reino, expulsa-no. Ele foi, muito tempo depois, encontrado numa gruta com o seu Bobo por um pastor a quem o Bobo contou tudo o que aconteceu. O Pastor foi ao reino da filha Violeta, casada com o príncipe Reginaldo. A filha mandou convidar o pai para um banquete sem este saber qual a sua verdadeira identidade. Violeta ofereceu-lhe muitos pratos diferentes, mas todos sem sal. Leandro reclamou bastante, mas acabou por compreender o significado das palavras da filha, a única que afinal gostava dele.


Anos mais tarde, Leandro encontra-se pobre e cego pois as filhas mais velhas o abandonaram. Por acaso, foi parar ao reino onde reinava, depois de casada, Violeta e que acolhe lhe prova como a comida precisa mesmo do sal para ser boa. Fazem as pazes e reencontram-se pai e filha.

O texto é editado em Portugal pela Editorial Caminho.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]