MIRV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Teste dos veículos de reentrada denominados "Peacekeeper" no Atol de Kwajalein. Todas as oito ogivas foram disparadas de um único míssil M.I.R.V. Cada linha que mostra a trajetória das ogivas, representa aproximadamente o poder explosivo de 25 artefatos de mesmo impacto que os de Hiroshima (little boy).

Do inglês Multiple independently targetable reentry vehicle, os Mísseis de Reentrada Múltipla Independentemente Direccionados ou apenas MIRV consistem em um projétil balístico lançado em terra ou mar (em um submarino) o qual, após ativar sua pós-combustão e deixar a atmosfera, fragmenta-se em diversas partes com orientação independente, atingindo múltiplos alvos e causando maior impacto pela alta velocidade atingida.

As ogivas carregadas no interior dos M.I.R.V são essencialmente radioativas, podendo atingir seu ponto de impacto em solo ou ar.

  • As ogivas no interior do míssil contém sistemas anti-radares (decoys), e dispersivos em geral que aumentam a chance de não serem rastreados ou interceptados por mísseis de defesa.

Possuem também propulsores que lhes garante maior velocidade e consequentemente um impacto mais destrutivo após sua reentrada na atmosfera. Considerando-se a aceleração da gravidade em aproximadamente 9,80665 m/s² somada à massa dos projéteis e seu impulso por meio dos propulsores com pós-combustão, pode se ter idéia da destruição causada pelo impacto ao atingir seus alvos.

  • O seccionamento do foguete e propulsores é pré-programado, assim como nas naves espaciais.
  • Os alvos redirecionáveis são orientáveis por meio de assistência remota, proporcionada pela base operacional.
  • Os testes iniciais foram executados sem material nuclear para a não-degradação da fauna local, evitando possíveis contaminações

Modo de Operação[editar | editar código-fonte]

O M.I.R.V é inicialmente acoplado a um foguete propulsor de 3 estágios, contendo propulsores diferenciados em potência e impulso, dependendo de seu estágio. Após o término da ignição/pós-combustão no 3° estágio, o M.I.R.V entra em semi-órbita e é operado por um sistema computadorizado de navegação em inércia. Então o projétil se desprende; os mísseis são liberados e redirecionados, reentrando em órbita terrestre com seus sensores anti-radares e dispersivos, diminuindo a eficácia de mísseis anti-balísticos.

Sequência de lançamento do M.I.R.V Minuteman III:
1. O míssil é lançado de sua ogiva, ativando seu estágio primário de propulsão (A). 2. Aproximadamente 60 segundos após seu lançamento, o 1° estágio é seccionado, iniciando a ignição do motor do 2° estágio(B). A cápsula do 1° estágio deixa o míssil. 3. Aproximadamente 120 segundos após o lançamento, o motor do 3° estágio (C) entra em ignição e separando-se do 2° estágio. 4. Aproximadamente 180 segundos após seu lançamento, a propulsão do 3 estágio termina e o veículo de pós-combustão é separado (D) do foguete. 5. O veículo de pós-combustão é acionado, se auto-ajustando e preparando-se para estabilizar o veículo de reentrada. (RV) 6. Os veículos de reentrada, dispositivos anti-radares e dispersivos são acionados juntamente com os propulsores. 7. Os veículos de reentrada e propulsão re-adentram a atmosfera em altas velocidades, e são armados para a detonação durante o voô de descida. 8. As ogivas nucleares detonam, seja em terra ou ar, de acordo com sua orientação remota.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]