Marcinho VP (Dona Marta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Márcio Amaro de Oliveira. (desde maio de 2014)
(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).

Márcio Amaro de Oliveira, mais conhecido como Marcinho VP, foi um traficante de drogas da Favela Santa Marta, em Botafogo.

História[editar | editar código-fonte]

Ganhou notoriedade no Brasil após "autorizar" as filmagens do clipe de Michael Jackson no Santa Marta, nos anos 90. Na época, repórteres conseguiram entrevistá-lo, com a condição de que não revelassem segredos do tráfico. Essa entrevista causou grande repercussão, sendo um dos motivos que o fizeram entrar para a lista dos traficantes mais procurados pela polícia fluminense.

Por demonstrar preocupações sociais em seu discurso, ao contrário da grande maioria dos outros chefões do tráfico carioca, Marcinho VP acabou se aproximando de intelectuais que passaram a encontrá-lo na clandestinidade.

Caco Barcellos escreveu uma biografia, a partir de dados fornecidos pelo próprio bandido. A obra, intitulada Abusado: o Dono do Morro Dona Marta, traz detalhes sobre a história da Favela Santa Marta e do tráfico local, bem como do surgimento e funcionamento de facções criminosas da cidade do Rio de Janeiro, tais como o Comando Vermelho, ao qual Marcinho VP era ligado, Amigos dos Amigos e Terceiro Comando.

Segundo o livro, Marcinho VP queria largar o tráfico e sair da favela por uns tempos, mas não o fez por medo de que traficantes inimigos tomassem o Santa Marta. Em Abusado, Marcinho é chamado pelo pseudônimo Juliano VP, para não ser confundido com o outro bandido homônimo Marcinho VP, também citado na obra.

Uma vez preso, acabou sendo assassinado na prisão, provavelmente por outros líderes do Comando Vermelho, que não gostaram do fato de Marcinho VP ter dado tantos detalhes sobre o funcionamento da facção.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]