Masud I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Masud I, Mesud I ainda ou Ma'sud I (em árabe: ركن الدين مسعود - Rukn al-Dīn Mas'ūd; em turco: I. Mesud) foi o sultão de Rum entre 1116 até a sua morte em 1156.

História[editar | editar código-fonte]

Apos a derrota e o assassinato de seu pai, Kilij Arslan I por Fakhr al-Mulk Radwan de Alepo na Batalha do rio Khabur em 11071 , Masud perdeu o trono para seu irmão Malik Shah. Com a ajuda dos danismendidas, ele então capturou Icônio e derrotou o irmão em 1116, cegando-o e, eventualmente, assassinando-o. Masud posteriormente traiu os danismendidas e conquistou suas terras. Em 1130, ele começou a construção da Mesquida de Alaeddin em Icônio, que seria completada em 12212 .

Masud, ao final de seu longo reinado, lutou contra as forças da Segunda Cruzada. Haviam dois exércitos cruzados, um liderado pelo imperador germânico Conrado III e outro, pelo rei francês Luís VII, mas Masud derrotou ambos; o primeiro em Dorileia, perto da atual cidade de Eskişehir, em 11473 , e outro em Laodiceia, perto de Denizli, no ano seguinte.

Seu filho Kilij Arslan II o sucedeu. Uma de suas filhas se casou com João Tzelepes Comneno, um membro da casa real bizantina que se convertera ao islã4 .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Masud I
(1116-1156)
Precedido por: WLA lacma Anatolia Konya Silver Dirham Coin 1242-1243.jpg
Sultões de Rum
Sucedido por:
Malik Shah 4.º Kilij Arslan II


Referências

  1. Anatolia in the Period of the Seljuks and the Beyliks, Osman Turan, The Cambridge History of Islam, Ed. Peter Malcolm Holt, Ann K. S. Lambton and Bernard Lewis, (Cambridge University Press, 1970), 239.
  2. Konya, Julie A. Miller, International Dictionary of Historic Places: Southern Europe, Ed. Trudy Ring, Robert M. Salkin, Sharon La Boda, (Fitzroy Dearborn Publishers, 1995), 381.
  3. Martin Sicker, The Islamic World in Ascendancy: From the Arab conquests to the siege of Vienna, (Praeger Publishers, 2000), 77.
  4. The Turkish Element in Byzantium, Eleventh-Twelfth Centuries, Charles M. Brand, Dumbarton Oaks Papers, Vol. 43, (1989), 20.