Pais e Filhos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Pais e Filhos é a obra-prima do escritor russo Ivan Turgenyev, publicada originalmente em 1862, uma época de grande perturbação social e política em seu país.

Personagens e idéias[editar | editar código-fonte]

Foi nesta obra que se popularizou o termo niilismo, aplicado ao protagonista Bazárov, para descrever uma espécie de rebeldia que "não se inclina a nenhuma autoridade nem aceita nenhum princípio sem exame". Bazárov é um jovem intelectual materialista, que nega o amor, a arte, a religião e a tradição, e diz acreditar apenas em verdades cientificamente comprovadas pela experiência. O personagem teria sido inspirado num médico que o próprio escritor conheceu pessoalmente.

"O lugar insignificante que ocupo é tão minúsculo em comparação com o resto do espaço em que não estou e onde não se importam comigo. A parcela de tempo que hei de viver é tão ridícula em face da eternidade, onde nunca estive e nunca estarei... Neste átomo, neste ponto matemático, o sangue circula, o cérebro trabalha e quer alguma coisa... Que estupidez! Que inutilidade!"- Bazárov refletindo sobre a inutilidade da vontade de viver.

No decorrer da obra, Bazárov se apaixona e dessa forma o livro apresenta uma crítica ao niilismo, fato que fez com que fosse criticado pelos intelectuais da época, militantes do niilismo. No livro, Turgueniev coloca em choque a juventude (geração de 60) e os conservadores (geração de 40), estes descritos pelo jovem personagem Nikolai como "cartas fora do baralho", o que evidentemente desagradou a quem se identificava com a geração dos "pais".

Contexto[editar | editar código-fonte]

Pouco após a publicação do livro, iniciou-se na Rússia uma série de atentados e movimentos. Ainda que se tratasse de manobras políticas com pouca ou nenhuma relação com o niilismo dos personagens de "Pais e filhos", houve quem responsabilizasse Turgueniev pela situação. Consta que certa vez um vizinho gritou para Turgueniev: "Viu o que seus niilistas fizeram? Colocaram fogo em Petesburgo!", o que certamente contribuiu para sua decisão de deixar a Rússia e fixar-se na Alemanha a partir de 1863.

Intertextualidade[editar | editar código-fonte]

Dostoiévski, também russo, que apreciou a obra, colocou Ivan Turgueniev em sua obra Os Irmãos Karamazovi (1880), sob o nome de Ivan Fiedorovitch, e mostrando as consequências da decadência de valores dos seus seguidores através de Smierdiakov, o qual tomou Fiedorovitch como mestre. Existem também algumas alusões ao livro de Turgueniev no livro Crime e Castigo.

Mais tarde Nietzsche intitulou-se "o último niilista". Apesar de não ter citado Turgueniev em suas obras, é crível que o filósofo alemão tenha sido influenciado diretamente por Bazárov e seus contemporâneos.