Tensor tensão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Em mecânica de meios contínuos, o tensor tensão é o tensor que trata da distribuição de tensões e esforços internos nos meios contínuos.

Tipos de tensor tensão[editar | editar código-fonte]

Tensor tensão de Cauchy[editar | editar código-fonte]

O teorema de Cauchy (sobre as tensões de um corpo) estabelece que dada uma distribuição de tensões internas sobre a geometria de um meio contínuo deformado, que satisfaz as condições do princípio de Cauchy, existe um campo tensorial T simétrico definido sobre a geometria deformada com as seguintes propriedades:

  1. .  t(\mathbf{x},n) = [T_C(\mathbf{x})](n),
  2. .  \nabla\cdot T_C(\mathbf{x}) + f(\mathbf{x}) = 0,
  3. .  T_C(\mathbf{x}) = T_C^T(\mathbf{x})

A terceira propriedade significa que este tensor será dado sobre as coordenadas especificadas por uma matriz simétrica. Cabe assinalar que em um problema mecânico a priori é difícil conhecer o tensor tensão de Cauchy já que este está definido sobre a geometria do corpo uma vez deformado, e esta não é conhecida de antemão. Portanto previamente é necessário encontrar a forma deformada para conhecer exatamente o tensor de Cauchy. Entretanto, quando as deformações são pequenas, em engenharia e aplicações práticas se emprega este tensor ainda que definido sobre as coordenadas do corpo sem deformar (o qual não conduz a erros de cálculo excessivo se todas as deformações máximas são inferiores a 0,01).

Representação gráfica das componentes do tensor tensão em uma base ortogonal.

Fixado um sistema de referência ortogonal, o tensor tensão de Cauchy é dado por uma matriz simétrica, cujas componentes são:


[T_C]_{xyz} =
\begin{bmatrix}
  \sigma_{xx} & \sigma_{xy} & \sigma_{xz} \\
  \sigma_{yx} & \sigma_{yy} & \sigma_{yz} \\
  \sigma_{zx} & \sigma_{zy} & \sigma_{zz}
\end{bmatrix} =
\begin{bmatrix}
  \sigma_x & \tau_{xy} & \tau_{xz} \\
  \tau_{yx} & \sigma_y & \tau_{yz} \\
  \tau_{zx} & \tau_{zy} & \sigma_z
\end{bmatrix}

A segunda forma é a forma comum de chamar às componentes do tensor tensão em engenharia.

Primeiro tensor tensão de Piola-Kirchhoff[editar | editar código-fonte]

Os tensores de Piola-Kirchhoff TR se introduzem para evitar a dificuldade de ter que trabalhar con um tensor definido sobre a geometria já deformada (que normalmente não é conhecida de antemão). A relação entre ambos tensores vem dada por:

 T_R(\mathbf{x}) = det(\nabla F) T_C(\mathbf{x}) (\nabla F)^{-T}

Onde F é o tensor gradiente de deformação. Este tensor entretanto, tem o problema de que não é simétrico (ver segundo tensor tensão de Piola-Kirchhoff).

Segundo tensor tensão de Piola-Kirchhoff[editar | editar código-fonte]

Este tensor se introduz para lograr um tensor definido sobre a geometria previa à deformação e que além disso seja simétrico, a diferença do primeiro tensor de Piola-Kirchhoff que não tem porque ser simétrico. O segundo tensor tensão de Piola-Kirchhoff vem dado por:

 \Sigma_R(\mathbf{x}) = det(\nabla F)((\nabla F)^{-1})T_C(\mathbf{x}) (\nabla F)^{-T},

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre física é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.