Thomas Magister

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Thomas, dito Magister (ou seja, magistro), também conhecido, quando monge, pelo nome de Teódulo Mônacos, foi um acadêmico e gramático bizantino nascido em Tessalônica e um confidente de Andrônico II Paleólogo (r. 1282 - 1328).

Vida e obras[editar | editar código-fonte]

Sua obra-prima, Ἐκλογὴ ὀνομάτων καὶ ῥημάτων ἀττικῶν, é uma coleção de palavras e frases áticas, parcialmente arranjadas em ordem alfabética e compiladas com o objetivo de ajudar a composição de textos em língua grega a partir das obras de Frínico[desambiguação necessária], Amônio[desambiguação necessária], Herodiano e Moeris. Ele também escreveu scholia sobre Ésquilo, Sófocles, Eurípides (com uma Vita) e três comédias de Aristófanes. A scholia sobre Píndaro, atribuída a ele em dois manuscritos, é agora atribuída a Demétrio Triclínio. Seus discursos e cartas consistem parcialmente de declamações sobre os temas sofistas usuais e parcialmente sobre eventos históricos, como uma discussão entre os pais de Cinégiros e Calímaco (dois atenienses que tombaram na Batalha de Maratona) sobre quem teria a melhor alegação de prioridade para proferir a oração funerária primeiro. Além destas, ele escreveu diversas outras obras dirigidas aos imperadores e generais bizantinos.

Suas obras foram publicadas por Migne, na Patrologia Graeca (volume CXLV).

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Paola Volpe Cacciatore, Toma Magistro. La Regalità. Testo critico, introduzione e indici, Napoli 1997 (em italiano)
  • Thomas (em inglês). Encyclopædia Britannica (11ª edição). Página visitada em 07/09/2011.