World Trade Center

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
World Trade Center
World Trade Center, New York City - aerial view (March 2001).jpg
As torres gêmeas do World Trade Center em Março de 2001. Todos os edifícios do complexo podem ser vistos nesta foto.
Precedido por Empire State Building
Ultrapassado por Sears Tower
Manhattan
Flag of New York City.svg Nova Iorque
 Nova Iorque
 Estados Unidos
Status Destruído nos ataques de 11 de setembro de 2001
Demolição 11 de setembro de 2001 (12 anos)
Construção 1966-1973
Inauguração 4 de abril de 1973
Pedra fundamental 1966
Uso Comercial
Altura
Antena 526,3 m
Telhado 417,0 m
Último andar 413,0 m
Características
Elevador 198 (1 & 2)
Área 800 000 m² (1 & 2)
Andares 110
Construção
Arquiteto Minoru Yamasaki
Emery Roth & Sons
Contratante Tishman Realty & Construction Company
Proprietário Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey
Engenheiro Leslie E. Robertson Associates

O World Trade Center (WTC) é um complexo de edifícios em construção na região de Lower Manhattan, Nova York, Estados Unidos, em substituição ao complexo original de sete prédios que anteriormente existia no local com o mesmo nome. O WTC original, caracterizado por marcantes torres gêmeas, foi inaugurado em 4 de abril de 1973 e destruído durante os ataques de 11 de setembro de 2001, juntamente com o World Trade Center 7. Os outros edifícios do complexo foram danificados nos ataques e suas ruínas foram então demolidas. O local está sendo reconstruído com cinco novos arranha-céus e um memorial para as vítimas dos ataques. Em novembro de 2011, apenas um arranha-céu já havia sido concluído; os outros quatro estão previstos para serem concluídos até 2020. O One World Trade Center será o principal edifício do novo complexo,[1] que se tornou o edifício mais alto da cidade de Nova York em 30 de abril de 2012 e está previsto para ser concluído até 2013. Uma sexta torre para o complexo ainda aguarda confirmação.

No momento da sua conclusão, o World Trade Center 1 (Torre Norte) e World Trade Center 2 (Torre Sul) originais, conhecidos em conjunto como "Torres Gêmeas", eram os edifícios mais altos do mundo. Os outros edifícios incluídos no antigo complexo eram o WTC 3 (o Marriott World Trade Center), WTC 4, WTC 5, WTC 6 e WTC 7. Todos estes edifícios foram construídos entre os anos de 1975 e 1985. O custo da construção foi de 400 milhões de dólares. O complexo, localizado no coração do centro financeiro de Nova York, tinha 1 240 000 metros quadrados de espaço de escritórios.[2] [3]

O World Trade Center passou por um incêndio em 13 de fevereiro de 1975, um atentado a bomba em 26 de fevereiro de 1993 e um assalto em 14 de janeiro de 1998. Em 1998, a Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey decidiu privatizar o complexo, ao arrendar os edifícios para uma empresa privada gerenciar e o escolhido com o contrato foi a Silverstein Properties em julho de 2001. Na manhã de 11 de setembro de 2001, sequestradores membros da organização fundamentalista islâmica al-Qaeda colidiram dois jatos Boeing 767 contra as Torres Gêmeas do complexo, em um ataque terrorista coordenado. Depois de queimar por 56 minutos, a Torre Sul (WTC 2) desmoronou, seguido depois de meia hora pela Torre Norte (WTC 1), resultando em 2.753 mortes.[4] Os escombros das torres, combinados aos incêndios que os destroços iniciaram em vários edifícios vizinhos, levou ao colapso parcial ou completo de todos os outros edifícios no complexo e causou danos maiores a dez outras grandes estruturas na zona próxima. O processo de limpeza e recuperação no local do World Trade Center levou oito meses.

Nos anos seguintes, os planos para um reconstruir o World Trade Center começaram a tomar forma. O primeiro prédio novo no local foi o World Trade Center 7, inaugurado em maio de 2006. A Lower Manhattan Development Corporation (LMDC), empresa criada em novembro de 2001 para supervisionar o processo de reconstrução, organizou competições para selecionar um projeto para um memorial. O projeto "Fundações da Memória", de Daniel Libeskind, foi selecionado como o plano diretor, mas depois passou por mudanças substanciais. O novo complexo do World Trade Center irá incluir o One World Trade Center, além de três outros arranha-céus de escritórios e o Memorial & Museu Nacional do 11 de Setembro.

Planejamento e construção[editar | editar código-fonte]

Layout de um andar típico e a disposição dos elevadores das torres do WTC.

A ideia de criar o World Trade Center em Nova York foi proposta pela primeira vez em 1943. A Assembléia Legislativa de Nova York aprovou uma lei autorizando o governador do estado, Thomas E. Dewey, a começar a desenvolver planos para o projeto,[5] mas eles foram suspensos em 1949.[6] Durante os anos 1940 e 1950, o crescimento econômico de Nova York estava concentrado em Midtown Manhattan. Para ajudar a estimular uma renovação urbana em Lower Manhattan, David Rockefeller sugeriu que a Autoridade Portuária construísse o World Trade Center na região.[7]

Os planos iniciais, tornados públicos em 1961, identificaram um local ao longo do East River para a construção do World Trade Center.[8] Como uma agência bi-estadual, a Autoridade Portuária precisava da aprovação dos governadores de Nova York e Nova Jersey para novos projetos. O então governador de Nova Jersey, Robert B. Meyner, opôs-se à Nova York receber um projeto de 335 milhões de dólares.[9] No final de 1961, as negociações com o governador Meyner chegaram a um impasse.[10]

Na época, o número de passageiros na Ferrovia Hudson e Manhattan (H&M), de Nova Jersey, caiu substancialmente de um auge de 113 milhões em 1927 para 26 milhões em 1958, depois de novos túneis e pontes para automóveis terem sido abertas em todo o rio Hudson.[11] Em um reunião de dezembro de 1961 entre o direito da Autoridade Portuária, Austin J. Tobin, e o recém-eleito governador de Nova Jersey, Richard J. Hughes, a Autoridade Portuária ofereceu-se para assumir a estrada de ferro Hudson & Manhattan para torná-la a Port Authority Trans-Hudson (PATH). A Autoridade Portuária também decidiu mudar o projeto do World Trade Center para o local da construção do Terminal Hudson, no lado oeste de Lower Manhattan, um local mais conveniente para os passageiros que chegassem de New Jersey pela PATH.[10] Com a nova localização e a aquisição pela Autoridade Portuária da Ferrovia H&M, Nova Jersey concordou em apoiar o projeto do complexo do World Trade Center.[12]

O projeto também precisava da aprovação do prefeito, John Lindsay, e do Conselho da Cidade de Nova York. Os desentendimentos com a cidade centraram-se em questões fiscais. Em 3 de agosto de 1966, foi celebrado um acordo onde a Autoridade Portuária faria pagamentos anuais à prefeitura em vez de pagar impostos pela parcela arrendada do World Trade Center a inquilinos privados.[13] Nos anos seguintes, os pagamentos voltaram a subir conforme a taxa de imposto imobiliário aumentava.[14]

Design[editar | editar código-fonte]

Em 20 de setembro de 1962, a Autoridade Portuária anunciou a seleção de Minoru Yamasaki como arquiteto-chefe e Emery Roth & Sons como arquitetos associados.[15] Yamasaki concebeu o plano de incorporar torres gêmeas; o plano original de Yamasaki era de torres de 80 andares de altura,[16] mas para cumprir a exigência da Autoridade Portuária de 930.000 m² de espaço de escritórios, cada um dos edifícios deveria ter 110 andares de altura.[17]

Vista do World Trade Center. O World Financial Center e o Battery Park City foram construídos em um aterramento marítimo.

Um importante fator limitante na altura do edifício é a questão dos elevadores; quanto mais alto o edifício, mais elevadores são necessários para atender o prédio, exigindo mais espaço.[17] Yamasaki e os engenheiros decidiram usar um novo sistema com dois lobbies, onde as pessoas poderiam mudar de um elevador expresso de grande capacidade para um elevador local que vai para cada andar em uma seção. Este sistema, inspirado no sistema de metrô de Nova York,[18] permitiu que o projeto empilhasse vários elevadores locais dentro de um mesmo poço. Localizado nos andares 44 e 78 de cada torre, esse lobbies permitiam que os elevadores fossem utilizados de forma eficiente, ao aumentar em 62-75 por cento a quantidade de espaço utilizável em todos os andares, reduzindo o número de poços de elevador.[19] [20] Ao todo, o World Trade Center tinha 95 elevadores expressos e locais.[21]

O projeto de Yamasaki para o World Trade Center, apresentado ao público em 18 de janeiro de 1964, exigia um plano quadrado de aproximadamente 63 metros de dimensão em cada lado.[16] [22] Os edifícios foram projetados com estreitas janelas do escritório de 46 cm de largura, o que refletia o medo de altura de Yamasaki, além do seu desejo em fazer os ocupantes do edifício se sentirem seguros.[23] O projeto de Yamasaki incluiu fachadas cobertas de liga de alumínio.[24] O World Trade Center foi um das mais impressionantes implementações americanos da ética arquitetônica de Le Corbusier e foi a expressão seminal das tendências gótico-modernistas de Yamasaki.[25]

Além das torres gêmeas, o plano para o complexo do World Trade Center incluia outros quatro edifícios mais baixos, que foram construídos no início de 1970. Os 47 andares do prédio do World Trade Center 7 foram adicionados na década de 1980, a norte do complexo principal. Ao todo, o complexo do World Trade Center ocupava um superbloco de 65 mil metros quadrados.[26]

Construção[editar | editar código-fonte]

O World Trade Center em construção em 1971.

Em março de 1965, a Autoridade Portuária começou a adquirir propriedade no local do World Trade Center.[27] O trabalho de demolição começou em 21 de março de 1966, para limpar os 13 quarteirões de edifícios baixos, conhecidos como Radio Row, para a construção do World Trade Center.[28] A construção do World Trade Center iniciou-se em 5 de agosto de 1966.[29]

O local do World Trade Center foi localizado em um aterro onde a rocha matriz localizava-se a 20 metros abaixo do nível do solo.[30] Para a construção do World Trade Center, foi necessário construir uma "banheira" com uma parede subterrânea ao redor da Rodovia West Side, ao lado do local, para manter a água do rio Hudson fora do complexo.[31] O método de construção escolhido pelo engenheiro-chefe da Autoridade Portuária, John M. Kyle Jr., envolvia cavar uma trincheira e, conforme a escavação procedia, preencher o espaço com uma mistura pastosa composta por bentonita e água, o qual era conectado a buracos e mantido em águas subterrâneas. Quando a vala foi escavada, uma gaiola de aço foi inserida e concreto foi derramado, forçando que a "pasta" ficasse para fora. Levou 14 meses para que o muro fosse concluído; isso foi necessário antes da escavação do material do interior do local poder começar.[32] Os 917 mil metros cúbicos de material escavado foram usados ​​(juntamente com outro enchimento e materiais dragados) para expandir a costa de Manhattan ao longo da West Street para formar o Battery Park City.[33] [34]

Em janeiro de 1967, a Autoridade Portuária recebeu 74 milhões de dólares em contratos com diversos fornecedores de aço e Karl Koch foi contratado para erguer a estrutura de aço.[35] A Tishman Realty & Construction foi contratada em fevereiro de 1967 para supervisionar a construção do projeto.[36] A construção iniciou-se com a Torre Norte em agosto de 1968, a construção da Torre Sul estava em andamento até janeiro de 1969.[37] Os "Túneis do Hudson" originais, que levavam os trens da PATH ao Terminal Hudson, permaneceram em serviço como túneis elevados durante o processo de construção até 1971, quando uma nova estação foi aberta.[38]

O WTC 1 (Torre Norte) alcançou o topo de sua altura ocorreu em 23 de dezembro de 1970, enquanto o WTC 2 (Torre Sul) o atingiu em 19 de julho de 1971.[37] Os primeiros inquilinos se mudaram para a Torre Norte em dezembro de 1970; a Torre Sul aceitou inquilinos em janeiro de 1972.[39] Quando o Torres Gêmeas do World Trade Center foram concluídas, o custo total para a Autoridade Portuária chegou a 900 milhões de dólares.[40] A cerimônia de inauguração foi em 4 de abril de 1973.[41]

Fotografia panorâmica de Lower Manhattan, com destaque para as Torres Gêmeas do WTC, em dezembro de 1991.

Complexo antigo[editar | editar código-fonte]

O complexo antigo do WTC era formado por sete edifícios, sendo:

A planta do Complexo WTC. Em laranja, os edifícios que faziam parte do complexo.
  • As Torres Gêmeas;
    • A Torre Norte, ou WTC 1, que tinha no andar 107 um restaurante chamado Windows on the World e no andar 110, ou seja, no topo da torre havia uma torre de telecomunicações que servia como base de irradiação do sinal para algumas emissoras e como torre secundária para cobrir a Baixa Manhattan, região das torres. Eis as emissoras de TV que tinham seus sinais irradiados daquele local: WCBS 2, WNBC 4, WNYW 5, WABC 7, WWOR 9, WPIX 11, WNET 13, WPXN 31 e a WNJU 47. Também servia de base e/ou secundária para as seguintes rádios: WPAT 93.1, WNYC 93.9, WKCR 89.9 e WKTU 103.5.
    • A Torre Sul, ou WTC 2, que tinha um posto de observação apelidado de Top of the World.
  • O Hotel Marriott (WTC 3) Um hotel de classificação de 4 diamantes (superior à de 5 estrelas) que possuía 22 andares com o total de 825 quartos. No dia do atentado, haviam-se hospedado no Hotel Marriott cerca de 1000 pessoas que foram retiradas após o choque do American 11 na Torre Norte. Foi usado como centro de emergência dos bombeiros para a evacuação dos prédios. Ruiu com a queda da Torre Sul.
  • WTC 4 era um prédio de escritórios de 9 andares localizado a sudeste das torres e estavam instalados no prédio:
    • O Deutsche Bank (banco da Alemanha que ocupava o 4.º, 5.º e 6.º andar);
  • WTC 5 era um prédio de escritórios de 9 andares na zona a nordeste das torres que possuía a forma de um L e funcionava os escritórios da:
    • US Airways (aviação dos Estados Unidos), American Airlines (a mesma que teve seu avião lançado contra a Torre Norte), FedEx (Empresa serviços de frete e logística norte-americano), Council of State Governments (Administração do governo), Credit Suisse First Boston (Banco Suíço) e também funcionava no subsolo a estação de metropolitano do World Trade Center.
  • WTC 6 era um prédio do governo com sete andares localizado a Noroeste das torres onde funcionava uma espécie de abrigo;
  • WTC 7 era um prédio de 47 andares localizado a norte das Torres Gêmeas. Funcionavam no prédio 7 órgãos do governo:

Eventos[editar | editar código-fonte]

Vista da Estátua da Liberdade, Ellis Island, Empire State Building e o World Trade Center em maio de 2001.

Em um dia típico 50 000 pessoas trabalhavam nas torres, com outras 200 000 passando como visitantes. O complexo foi tão grande que ele tinha o seu próprio código postal, 10048. As torres ofereciam uma vista espetacular do deck de observação (localizado no topo da Torre Sul) e o restaurante Windows on the World (localizado no topo da Torre Norte). As torres gêmeas ficaram conhecidas em todo o mundo, aparecendo em filmes, programas de TV, postais, merchandising, revistas e muito mais, e se tornou um ícone de Nova Iorque, como o Edifício Empire State, ou a Estátua da Liberdade.

Em 7 de agosto de 1974, às sete da manhã, Philippe Petit, um jovem equilibrista francês, então com 24 anos, atravessou sobre um cabo de aço esticado, de uma torre para outra. Cruzou os 43 metros que separavam os dois edifícios (então ainda inacabados) por oito vezes. Ao todo foi uma aventura de 45 minutos a 400 metros do solo. Sem cabo de segurança. Apenas transportando uma pesada vara de contrapeso com oito metros de comprimento. E em 1977, George Willig escalou a torre sul.

Incêndio de 13 de Fevereiro de 1975[editar | editar código-fonte]

Em 3 de fevereiro de 1975, a Torre Norte do WTC foi envolvida por um incêndio que se espalhou ao longo de quase metade do 11º andar. O incêndio se espalhou para outros andares através de aberturas no piso, que eram usadas para transportar fios de telefone. Os incêndios em outros pisos foram extintos quase que imediatamente, e os focos principais foram extinguidos em poucas horas. Não houve danos estruturais para a torre, pois as colunas eram protegidas com aço. Este acontecimento levou à instalação de um sistema de aspersão em ambas as torres. Bombeiros afirmam que os aspersores tinham sido instalados quando a torre foi construída, e o fogo provavelmente não teria se espalhado tanto como ocorreu realmente. Diferentemente dos danos causados pelo fogo, alguns andares abaixo sofreram danos causados pela água a partir da extinção do incêndio acima.

Atentado de 1993[editar | editar código-fonte]

A destruição causada pelo carro bomba.

Em 26 de fevereiro de 1993, às 12h17m, um caminhão Ryder carregado com 682 quilogramas de dinamite colocado por Ramzi Yousef explodiu na garagem do complexo, mais precisamente no canto sudeste do subsolo da Torre Norte, matando 6 pessoas, causando pânico em outras milhares e abrindo um buraco de 30m de profundidade (4 andares) no concreto das torres, causando um prejuízo de 300 milhões de dólares à seguradora. A ideia era de que a explosão derrubasse a Torre Norte sobre a Torre Sul, que consequentemente devastaria a área de Wall Street. Na época, as centenas de pessoas que ficaram presas em seus escritórios foram resgatadas pelos bombeiros e não precisaram passar pelas escadas escuras e asfixiantes. A partir do ataque de 1993, a Administração do Porto mandou instalar luzes de emergência em todas as escadas, salvando muitas pessoas nos ataques de 11 de setembro. Cerca de 28 pessoas que subiram até o topo da Torre Sul foram resgatadas pelo helicóptero da polícia. Isso criou uma esperança nas pessoas daquele 11 de setembro, que poderiam esperar tranquilamente nos seus escritórios até a ajuda chegar, o que não foi possível devido ao calor intenso e fumaça densa impossibilitando a mera aproximação de aeronaves.

Os seis terroristas islâmicos foram presos em 1997 e 1998 e todos receberam pena de morte pelo ataque. Foi construído um memorial em forma de uma fonte às pessoas mortas no ataque na praça que ficava entre as Torres Gêmeas. Nos serviços de limpeza dos escombros após a queda das torres foram descobertos pedaços da fonte intactos.

Privatização[editar | editar código-fonte]

WTC em julho de 2001.

Em 1998, a Autoridade Portuária de Nova Iorque aprovou um plano para a privatização do World Trade Center. Em 2001 manifestou interesse público no arrendamento do World Trade Center a uma entidade privada. Como resultado, recebeu uma proposta de arrendamento do Vornado Realty Trust que representava a proposta conjunta elaborada entre a Brookfield Properties Corporation e a Boston Properties, e uma proposta conjunta da Silverstein Properties e do Grupo Westfield. Ao privatizar o World Trade Center, permitia-lhe que as verbas fossem incluídas nas receitas da cidade e se tornassem disponíveis para outros projectos da Autoridade Portuária.

Em 15 de fevereiro de 2001, a Autoridade Portuária anunciou que o Vornado Trust tinha apresentado a melhor proposta para o arrendamento do World Trade Center, pagando 3250 milhões de dólares para os 99 anos de operação. A proposta do Vornado Trust tinha suplantado a do grupo de Silverstein em 600 milhões de dólares, apesar deste ter elevado a sua oferta para 3220 milhões de dólares. No entanto, o Vornado Trust introduziu e insistiu em modificações de última hora ao proposto, incluindo a redução do período de arrendamento para 39 anos, que a Autoridade Portuária considerou não negociável. Como resultado, o Vornado Trust retirou-se e a proposta do grupo Silverstein foi aceite a 26 de abril de 2001 e fechada a 24 de Julho do mesmo ano.

Destruição[editar | editar código-fonte]

Colisão do voo 175 da United Airlines contra a torre sul do WTC.

Em 11 de setembro de 2001, terroristas sequestraram o voo 11 da American Airlines e jogaram o avião na fachada norte da torre norte às 08:46, destruindo a torre entre os andares 93 e 99. Dezessete minutos depois, uma segunda equipe de terroristas colapsaram de forma semelhante o avião sequestrado do voo 175 da United Airlines na torre sul, destruindo o edifício entre os andares 77 e 85.[42] O prejuízo causado à torre norte, pelo voo 11, destruiu todos os meios de evacuação de quem estava acima da zona de impacto, prendendo 1 344 pessoas.[43] O voo 175 teve um impacto muito menos centrado em relação ao voo 11 e uma única escada foi deixada intacta, no entanto, poucas pessoas conseguiram passar com êxito por ela antes da torre desabar. Embora os andares da torre sul tenham sofrido um impacto menor, ao menos 700 pessoas morreram instantaneamente ou foram arremessadas.[44] Às 9h59, a torre sul desabou devido ao incêndio, que prejudicou os elementos estruturais do aço, já enfraquecido com o impacto do avião. A torre norte desmoronou às 10:28, após se incendiar por aproximadamente 102 minutos.[45]

Às 17:21[46] em 11 de setembro de 2001, o 7WTC desabou misteriosamente, existe a possibilidade de ter sido implodido.[47] A 3WTC, um hotel da rede Marriott, foi destruído durante o colapso da torre sul. Os três edifícios restantes do complexo do WTC sofreram graves danos devido aos detritos e acabaram demolidos.[48] O Deutsche Bank Building, localizado do outro lado da Liberty Street em relação ao complexo World Trade Center, foi depois condenado devido às condições tóxicas no interior do edifício que o tornavam inabitável; ele está passando por uma desconstrução.[49] [50] O Fiterman Hall do Borough of Manhattan Community College na 30 West Broadway também foi condenado devido aos danos ocorridos nos ataques e está previsto para também ser desconstruido.[51]

O World Trade Center em chamas após o impacto dos aviões.

Na sequência dos ataques, a imprensa sugeriu que dezenas de milhares de pessoas poderiam ter sido mortas nos ataques, visto que, como em qualquer outro dia, mais de 50 mil pessoas poderiam estar dentro torres do WTC. Posteriormente, 2.752 atestados de óbito foram apresentados relativos aos ataques de 11 de setembro, incluindo o apresentado por Felicia Dunn-Jones, que foi adicionada ao número de mortes oficiais em maio de 2007; Dunn-Jones faleceu cinco meses depois dos ataques por uma doença de pulmão associada à exposição a poeira durante o colapso do World Trade Center.[52] Duas outras vítimas foram adicionadas ao número oficial de mortos pelo escritório médico legista da cidade de Nova Iorque: Dr. Philip Sneha Anne, que estava desaparecido desde um dia antes dos ataques, e Leon Heyward, um homem que desenvolveu um linfoma e, posteriormente, morreu em 2008, como resultado da ingestão de poeira durante os acontecimentos após os atentados às Torres Gêmeas.[53] [54]

O Cantor Fitzgerald LP, um banco de investimento nos andares 101a-105a do World Trade Center, perdeu 658 funcionários, muito mais do que qualquer outro empregador,[55] enquanto a Marsh & McLennan Companies, localizada imediatamente abaixo ao banco, perdeu 295 funcionários, e 175 colaboradores da Aon Corporation foram mortos.[56] 343 mortes foram de bombeiros de Nova Iorque, 84 eram funcionários da Autoridade Portuária, dos quais 37 eram membros da Autoridade Portuária Departamento de Polícia, e outros 23 foram os oficiais do New York City Police Department.[57] [58] [59] De todas as pessoas que ainda estavam nas torres quando elas entraram em colapso, apenas 20 foram resgatadas com vida.[60]

Reconstrução e reformulação[editar | editar código-fonte]

Plano de construção do novo complexo do World Trade Center. (em inglês)

Depois de anos de atraso e polêmica, a reconstrução do World Trade Center está agora bem encaminhada. O novo complexo vai incluir o One World Trade Center (anteriormente conhecido como "Torre da Liberdade"), o World Trade Center 7, além de outros três edifícios de escritórios, um museu e um memorial e um centro de transportes semelhante em tamanho ao Grand Central Terminal. As torres WTC 1 e WTC 4 estão em vias de conclusão e ocupação em 2013.[61] [62] O Memorial do 11/9 está completo e o museu deverá abrir em 2013.[63] Os World Trade Center 2 e 3, bem como o centro de transportes, também estão tendo progressos e estão previstos para serem concluídos por volta de 2015.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O processo de limpeza e recuperação foi contínuo 24 horas por dia durante um período de oito meses. Os detritos foram transportados do local do World Trade Center para o aterro sanitário de Fresh Kills, em Staten Island, onde o material foi mais analisado. Em 30 de maio de 2002, foi realizada uma cerimônia para marcar oficialmente o fim dos esforços de limpeza.[64]

Em 2002, foi iniciada a construção de um novo World Trade Center 7, situado ao norte do local principal do World Trade Center. Uma vez que não fazia parte do plano principal, foi Larry Silverstein capaz de proceder, sem demora, com a reconstrução do World Trade Center 7, que foi concluído e inaugurado oficialmente em maio de 2006; este edifício tinha sido considerado uma prioridade desde o restabelecimento da Consolidated Edison Cos, uma subestação elétrica nos pisos inferiores do edifício, foi necessário para atender às demandas de energia de Lower Manhattan.[65] [66] [67] Uma estação ferroviária temporária no World Trade Center foi inaugurada em novembro de 2003 e será substituída por uma estação permanente projetada por Santiago Calatrava.[68]

O espaço vazio resultante da destruição do World Trade Center, tem inúmeros proprietários, incluindo Silverstein e a Autoridade Portuária, o que significa que o Governador do Estado de Nova York, George Pataki, tinha alguma autoridade sobre o local. Também as famílias das vítimas, as pessoas nos bairros adjacentes, o prefeito Michael Bloomberg e outros queriam participação no local. O governador Pataki estabeleceu a 'Lower Manhattan Development Corporation (LMDC) em novembro de 2001, uma comissão oficial para supervisionar o processo de reconstrução do local.[69]

Vista do One World Trade Center em construção em julho de 2013.

A LMDC realizou uma concorrência para avaliar os possíveis projetos possíveis para o local. O Memory Foundations criado por Daniel Libeskind foi escolhido como o plano diretor para o local do World Trade Center.[70] O plano incluí a Freedom Tower com 541 metros de altura (agora conhecida como One World Trade Center), bem como um memorial e uma série de torres de escritório. Fora da concorrência para a escolha do projeto do novo World Trade Center, um desenho de Michael Arad e Peter Walker, intitulado "Refletindo Ausência" foi selecionado em janeiro de 2004.[71]

Em 13 de março de 2006, os trabalhadores chegaram ao local do World Trade Center para remover detritos remanescentes dos ataques e iniciar o trabalho de construção. Isto marcou o início oficial da construção do Memorial & Museu Nacional do 11 de Setembro, embora com controvérsia e preocupações de alguns membros de famílias das vítimas.[72] Em abril de 2006, a Autoridade Portuária e Larry Silverstein chegaram a um acordo em que Silverstein cedeu os seus direitos para desenvolver a Freedom Tower e a Torre Cinco em troca de um financiamento com a Liberty Bonds para a construção das torres Dois, Três e Quatro.[73] [74] Em 27 de abril de 2006, uma cerimônia de início das obras foi realizada para a Freedom Tower.[75]

Em maio de 2006, os arquitetos Richard Rogers e Fumihiko Maki foram anunciados como os arquitetos das Torres Três e Quatro, respectivamente.[76] Os desenhos finais das Torres Dois, Três e Quatro foram apresentados em 7 de setembro de 2006. A Torre Dois, ou 200 Greenwich Street, terá uma altura de total de 410 metros. A Torre Três, ou 175 Greenwich Street terá uma altura total de 383 metros. A Torre Quatro, ou 150 Greenwich Street, terá uma altura total de 288 metros.[77] Em 22 de junho de 2007, a Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey anunciou que o JP Morgan Chase vai construir a Torre Cinco, com 42 andares, no local antes ocupado pelo Deutsche Bank Building[78] e Kohn Pedersen Fox foi selecionado como o arquiteto responsável pela obra.[79]

Plano de reconstrução
do
World Trade Center
Torres
1 World Trade Center (Freedom Tower)
200 Greenwich Street (Torre 2)
175 Greenwich Street (Torre 3)
150 Greenwich Street (Torre 4)
130 Liberty Street (Torre 5)
7 World Trade Center
Memorial e museu
Museu e Memorial Nacional do 11 de Setembro
Transportes
Estação PATH

Em agosto de 2011, o One World Trade Center alcançou 80 andares, com vidro até o 54º andar, a Torre Quatro alcançou 38 andares, com vidro até o 15º, o antigo Deutsche Bank Building foi completamente demolido.[80] O Centro de Transportes do World Trade Center está quase completo. O memorial inaugurado oficialmente aos parentes dos mortos durante os ataques de 11 de setembro de 2001 e para o público em geral em 12 de setembro de 2011. As fundações do World Trade Center 3 estão se tornando visíveis e o edifício será concluído em meados de 2014, se a Silverstein Properties puder atender aos requisitos estabelecidos pela Autoridade Portuária.[81] [82] A WTC 2 também será concluída dentro do cronograma de acordo com a empresa de construção. Em dezembro de 2011, as fundações do WTC 2 estavam concluídos.[83] Já que muitas empresas norte-americanas e chinesas estão "muito interessado" na locação de escritórios no novo WTC, o World Trade Center 2 pode ser concluído antes do esperado.[84] A gigante Condé Nast Publications concordou em transferir a sua sede para o One World Trade Center e, com essa mudança, espera-se que muitas outras empresas aluguem espaços no complexo.[85]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A construção de um novo World Trade Center foi recebida com várias críticas, que abrangem desde o design da obra até a mudança de nome.[86] [87] O prefeito de Nova Iorque, Michael Bloomberg, afirmou em 2003 que "A Freedom Tower não vai ser o One World Trade Center, será a Freedom Tower."[88] Em 2005, Donald Trump criticou o projeto da Freedom Tower, dizendo que a obra tinha "um design terrível".[89]

O World Trade Center na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O World Trade Center foi uma estrutura ícone e já apareceu em numerosos filmes, bem como em muitos shows de televisão, desenhos animados, revistas em quadrinhos, computador/video games, música e vídeos. As torres gêmeas apareceram em muitos programas populares, como Friends, Sex and the City, New York Undercover, NYPD Blue, nos desenhos Tartarugas Ninja, The Mr. Bill Show, Os Simpsons,Futurama e Family Guy. As torres também apareceram em filmes populares como Escape From New York, Godspell, King Kong, Gremlins 2: The New Batch, New Jack City, Home Alone 2: Lost in New York, She-Devil. Em Deep Impact as Torres Gemeas são os únicos prédios não destruídos de Nova Iorque, Die Hard: With a Vengeance, Daylight, Sleepless in Seattle, The Wiz, Armageddon, Independence Day, Inteligência Artificial, Crocodile Dundee Crocodile Dundee IIeLembranças. As torres foram também apresentadas em clipes por músicos populares, como: You Are The One (A-Ha) Janet Jackson, Spice Girls, Madonna, Depeche Mode, Linkin Park.

As Torres Gêmeas no outono de 1993.

Os acontecimentos em torno do 11 de setembro são retratados em vários documentários e filmes, incluindo dois grandes filmes feitos em 2006, World Trade Center de Oliver Stone, United 93 de Paul Greengrass e Flight 93 de Peter Markle. Vários filmes lançados após o 11/9 tiveram que remover as torres digitalmente, como em Spider Man e Zoolander. A partir de 2007 a maioria dos programas reapresentados pela TV optaram por não exibir as torres, cortando as partes aonde as mesmas vinham a aparecer em Friends e Os Simpsons.

No jogo da Atari Driver Parallel Lines, que se passa em Nova Iorque, tem duas partes uma nos anos 70 e outra em 2006. Nos anos 80 você pode encontrar as torres gêmeas em forma digitalizada, mas se você procurá-la em 2006 irá encontrar o que se vê nos dias atuais, um terreno triste e sombrio.

Na série de televisão Fringe, no episódio "There's More Than One of Everything", que encerra a primeira temporada, a última cena mostra a personagem Olivia Dunham em um universo paralelo, no qual as Torres Gêmeas não foram destruídas.

Bounce é o 8º álbum de estúdio americano de hard rock Bon Jovi, lançado em 8 de outubro de 2002 pela Island Records. Produzido por Lucas Ebbin, Jon Bon Jovi e Richie Sambora, o álbum foi gravado no Santuário II Studio, em Nova Jersey. Bounce foi fortemente influenciada pelo 11 de setembro de 2001 atentados terroristas, em parte devido à proximidade Jon Bon Jovi de Nova York. O álbum vendeu mais de 160 000 cópias na primeira semana nos Estados Unidos, e estreou em #2 na Billboard 200[carece de fontes?], tornando-a maior estreia do Bon Jovi na história da banda na época. No entanto, o álbum de estúdio da banda apenas para não ser disco de platina nos Estados Unidos. A faixa "Undivided" fala mais especificamente no rescaldo do 11 de setembro, e se tornou um favorito dos fãs fora do álbum." A música Bright Sunny Morning, do artista e compositor Bert Jansch cantada em um rítimo folk rock conta a historia do terrível 11/9. O CD "Live Scenes from New York", da banda americana Dream Theater, teve sua capa alterada, pois mostrava as torres gêmeas pegando fogo. Por coincidência, a data de lançamento do CD foi em 11/09/2001. No CD "Octavarium", a banda homenageou a cidade com a música "Sacrified Sons", que homenageia todas as vítimas dos acontecimento.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre World Trade Center

Referências

  1. "New World Trade Center climbs to 100 stories", 2 de abril de 2012.
  2. Holusha, John. "Commercial Property; In Office Market, a Time of Uncertainty", The New York Times, 6 de janeiro de 2002. Página visitada em 21 de novembro de 2008.
  3. "Ford recounts details of Sept. 11", Real Estate Weekly, BNET, 27 de fevereiro de 2002. Página visitada em 3 de janeiro de 2009.
  4. "Man's death from World Trade Center dust brings Ground Zero toll to 2,753", June 18, 2011. Página visitada em 1 de setembro de 2011.
  5. "Dewey Picks Board for Trade Center", The New York Times, 6 de julho de 1946.
  6. "Lets Port Group Disband, State Senate for Dissolution of World Trade Corporation", The New York Times, 11 de março de 1949.
  7. Gillespie (1999), pp. 32–33
  8. Gillespie (1999), pp. 34–35
  9. Gillespie (1999), p. 38
  10. a b Grutzner, Charles. "Port Unit Backs Linking of H&M and Other Lines", The New York Times, 29 de dezembro de 1961.
  11. Cudahy (2002), p. 56
  12. Wright, George Cable. "2 States Agree on Hudson Tubes and Trade Center", The New York Times, 23 de janeiro de 1962.
  13. Smith, Terence. "City Ends Fight with Port Body on Trade Center", The New York Times, 4 de agosto de 1966.
  14. Smith, Terence. "Mayor Signs Pact on Trade Center", The New York Times, 26 de janeiro de 1967.
  15. Esterow, Milton. "Architect Named for Trade Center", The New York Times, 21 de setembro de 1962.
  16. a b Huxtable, Ada Louise. "A New Era Heralded", The New York Times, 19 de janeiro de 1964.
  17. a b Huxtable, Ada Louise. "Biggest Buildings Herald New Era", The New York Times, 26 de janeiro de 1964.
  18. Gillespie (1999), p. 76
  19. Lew, H.S., Richard W. Bukowski, Nicholas J. Carino (September 2005). Design, Construction, and Maintenance of Structural and Life Safety Systems (NCSTAR 1-1). National Institute of Standards and Technology.
  20. Gillespie (1999), pp. 75–78
  21. Ruchelman (1977), p. 11
  22. NIST NCSTAR 1-1 (2005), p. 7
  23. Pekala, Nancy. "Profile of a lost landmark; World Trade Center", Journal of Property Management, 1 de novembro de 2001.
  24. Huxtable, Ada Louise. "Who's Afraid of the Big Bad Buildings", The New York Times, 29 de maio de 1966.
  25. Darton (1999), pp. 32–34
  26. Nobel, Philip. Sixteen Acres: Architecture and the Outrageous Struggle for the Future of Ground Zero. [S.l.]: Macmillan, 2005. p. 54. ISBN 0-8050-8002-3
  27. Ingraham, Joseph C.. "Port Agency Buys Downtown Tract", The New York Times, 29 de março de 1965.
  28. Gillespie (1999), p. 61
  29. Federal Emergency Management Agency. World Trade Center Building Performance Study. [S.l.: s.n.], May-2002. ISBN 0-16-067389-5 Página visitada em 9 de junho de 2011.
  30. Iglauer, Edith. "The Biggest Foundation", The New Yorker, November 4, 1972.
  31. Kapp, Martin S. "Tall Towers will Sit on Deep Foundations", Engineering News Record, 9 de julho de 1964.
  32. Gillespie (1999), p. 68
  33. Gillespie (1999), p. 71
  34. "New York Gets $90 Million Worth of Land for Nothing", Engineering News Record, 18 de abril de 1968.
  35. "Contracts Totaling $74,079,000 Awarded for the Trade Center", The New York Times, 24 de janeiro de 1967.
  36. Kihss, Peter. "Trade Center Job To Go To Tishman", The New York Times, 27 de fevereiro de 1967.
  37. a b Timeline: World Trade Center chronology. PBS – American Experience. Página visitada em 15 de maio de 2007.
  38. Carroll, Maurice. "A Section of the Hudson Tubes is Turned into Elevated Tunnel", The New York Times, 30 de dezembro de 1968.
  39. NIST NCSTAR 1-1, p. xxxvi
  40. Cudahy (2002), p. 58
  41. Gillespie (1999), p. 134
  42. 9/11 Commission Report. The National Commission on Terrorist Attacks Upon the United States.
  43. Dwyer, Jim, Lipton, Eric et al.. "102 Minutes: Last Words at the Trade Center; Fighting to Live as the Towers Die", The New York Times, 26 de maio de 2002. Página visitada em 23 de maio de 2008.
  44. Lipton, Eric. "Study Maps the Location of Deaths in the Twin Towers", The New York Times, 22 de julho de 2004. Página visitada em 22 de abril de 2008.
  45. NIST NCSTAR 1-1 (2005), p. 34; pp. 45–46
  46. FEMA: World Trade Center Building Performance Study, ch. 5, section 5.5.4
  47. Final Report on the Collapse of World Trade Center Building 7 - Draft for Public Comment (PDF) pp. xxxii. NIST (August 2008).
  48. World Trade Center Building Performance Study. FEMA (May 2002). Página visitada em 12 de julho de 2007.
  49. World Trade Center Building Performance Study - Bankers Trust Building (PDF). FEMA (May 2002). Página visitada em July 12, 2007.
  50. The Deutsche Bank Building at 130 Liberty Street. Lower Manhattan Construction Command Center. Página visitada em July 12, 2007.
  51. Fiterman Hall - Project Updates. Lower Manhattan Construction Command Center. Página visitada em November 19, 2008.
  52. DePalma, Anthony. "For the First Time, New York Links a Death to 9/11 Dust", The New York Times, 24 de maio de 2007.
  53. "Official 9/11 Death Toll Climbs By One", CBS News, 10 de julho de 2008. Página visitada em 29 de agosto de 2010.
  54. "9/11's Litany of Loss, Joined by Another Name", The New York Times, 11 de setembro de 2009. Página visitada em 29 de agosto de 2010.
  55. "Cantor rebuilds after 9/11 losses", BBC, 4 de setembro de 2006. Página visitada em 20 de maio de 2008.
  56. Siegel, Aaron. "Industry honors fallen on 9/11 anniversary", InvestmentNews, 11 de setembro de 2007. Página visitada em 20 de maio de 2008.
  57. Denise Grady, Andrew C. Revkin. "Lung Ailments May Force 500 Firefighters Off Job", The New York Times, 10 de setembro de 2002. Página visitada em 23 de maio de 2008.
  58. "Post-9/11 report recommends police, fire response changes", USA Today, 19 de agosto de 2002. Página visitada em 23 de maio de 2008.
  59. "Police back on day-to-day beat after 9/11 nightmare", CNN, 21 de julho de 2002. Página visitada em 23 de maio de 2008.
  60. Denerstein, Robert. "Terror in close-up", Rocky Mountain News, 4 de agosto de 2006. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  61. Lower Manhattan : 1 World Trade Center. Lowermanhattan.info. Página visitada em 9 de abril de 2013.
  62. Lower Manhattan : 4 World Trade Center (150 Greenwich Street). Lowermanhattan.info (8 de setembro de 2006). Página visitada em 8 de abril de 2013.
  63. National September 11 Memorial & Museum | World Trade Center Memorial. 911memorial.org (7 de dezembro de 2011). Página visitada em 9 de abril de 2013.
  64. "Ceremony closes 'Ground Zero' cleanup", CNN, 30 de maio de 2002. Página visitada em 11 de setembro de 2008.
  65. Bagli, Charles V.. "Developer's Pace at 7 World Trade Center Upsets Some", The New York Times, 31 de janeiro de 2002. Página visitada em 17 de fevereiro de 2008.
  66. 7 World Trade Center Opens with Musical Fanfare. Lower Manhattan Development Corporation (LMDC) (22 de maio de 2006). Página visitada em July 27, 2007.
  67. "Major Step at Ground Zero: 7 World Trade Center Opening", Architectural Record, 17 de maio de 2006. Página visitada em 17 de fevereiro de 2008.
  68. Urban Design and Visual Resources (Chapter 7) (PDF). Permanent WTC Path Terminal Final Environmental Impact Statement and Section 4(f) Evaluation. Port Authority of New York and New Jersey (maio 2005). Página visitada em November 19, 2008.
  69. Pérez-Peña, Richard. "State Plans Rebuilding Agency, Perhaps Led by Giuliani", The New York Times, 3 de novembro de 2001. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  70. Lower Manhattan Development Corporation. Selected Design for the WTC Site as of February 2003. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  71. Collins, Glenn and David W. Dunlap. "Unveiling of Memorial Reveals a Wealth of New Details", The New York Times, 15 de janeiro de 2004. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  72. Katersky, Aaron. "Construction on Ground Zero Memorial Ignites Protests", ABC News, 13 de março de 2006. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  73. Dunlap, David W.. "Freedom Tower Construction Starts After the Beginning", The New York Times, 28 de abril de 2006. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  74. Todorovich, Petra. (24 de março de 2006). "At the Heart of Ground Zero Renegotiations, a 1,776-Foot Stumbling Block". Spotlight on the Region 5(6). Regional Plan Association.
  75. Westfeldt, Amy. "Construction Begins at Ground Zero", Washington Post / AP, 28 de abril de 2006. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  76. Pogrebin, Robin. "Richard Rogers to Design Tower at Ground Zero", The New York Times, 3 de maio de 2006. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  77. Dunlap, David W.. "Designs Unveiled for Freedom Tower’s Neighbors", The New York Times, 7 de setembro de 2006. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  78. Bagli, Charles V.. "Chase Bank Set to Build Tower by Ground Zero", The New York Times, 14 de junho de 2007. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  79. Appelbaum, Alec. "Kohn Responds to WTC5 Criticisms", Architectural Record, 30 de julho de 2007. Página visitada em 19 de novembro de 2008.
  80. Shapiro, Julie (8 de fevereiro de 2011). Deutsche Bank Demolition Finally Reaches Street Level || News || World Trade Center. WTC.com. Página visitada em 12 de setembro de 2011.
  81. "World Trade Center deal may hasten rebuilding", 26 de agosto de 2010.
  82. 3 World Trade Center || About the WTC || World Trade Center. WTC.com. Página visitada em 12 de setembro de 2011.
  83. Two World Trade Center on Emporis. Página visitada em 30 de dezembro de 2011.
  84. Rubinstein, Dana (20 de outubro de 2010). Everybody Go Downtown! || News || World Trade Center. WTC.com. Página visitada em 12 de setembro de 2011.
  85. Bagli, Charles V.. "Condé Nast Signs Deal to Move to Ground Zero Tower", The New York Times, 3 de agosto de 2010.
  86. "Freedom Tower Name Change Slammed as Unpatriotic", Fox News.com, Associated Press, 28 de março de 2009.
  87. "Trump pushes own Ground Zero plan", CNN, 19 de maio de 2005.
  88. [1]
  89. [2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Empire State
Edifício mais alto do mundo
1972 - 1974
417 m
Sucedido por
Sears Tower