Água corporal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

Na fisiologia, a água corporal corresponde ao volume de água de um corpo animal que está contido nos tecidos, no sangue, nos ossos e em outras partes. As percentagens de água corporal contidas em vários compartimentos de fluido do corpo, somam a Água Corporal Total (ACT). Essa água constitui uma fração significativa do corpo humano, tanto em peso quanto em volume. Garantir a quantidade certa de água corporal é parte do equilíbrio de fluidos, um aspecto da homeostase.

Distribuição corpórea[editar | editar código-fonte]

Em peso, o macho adulto humano médio é de aproximadamente 60% de água e a fêmea adulta média é de aproximadamente 55%.[1] Pode haver considerável variação na porcentagem de água corporal com base em vários fatores como idade, saúde, ingestão de água, peso e sexo. Em um grande estudo de adultos de todas as idades e de ambos os sexos, o corpo humano adulto teve uma média de ~65% de água. No entanto, isso variou substancialmente por idade, sexo e adiposidade (quantidade de gordura na composição corporal). O valor da fração de água por peso nesta amostra foi de 58 ± 8% de água para machos e de 48 ± 6% para fêmeas.[2] A água corporal constitui 93% do peso corporal de um recém-nascido, enquanto algumas pessoas obesas são de apenas 15% em peso de água.[3] Isto é devido a como o tecido adiposo não retém a água, bem como o tecido magro. Essas médias estatísticas variam de acordo com fatores como tipo de população, idade das pessoas amostradas, número de pessoas amostradas e metodologia. Portanto, não há, e não pode ser, uma figura que seja exatamente a mesma para todas as pessoas, por essa ou qualquer outra medida fisiológica.

A maior parte da água corporal do animal está contida em vários fluidos corporais. Estes incluem fluido intracelular; fluido extracelular; plasma sanguíneo; fluido intersticial; e fluido transcelular.[4] A água também está contida dentro dos órgãos, nos fluidos gastrointestinal, cerebrospinal, peritoneal, e ocular. O tecido adiposo contém cerca de 10% de água, enquanto o tecido muscular contém cerca de 75%.[5][6]

No Atlas da Fisiologia Humana de Netter, a água do corpo é dividida nos seguintes compartimentos:[4]

  • Fluido intracelular (2/3 da água do corpo) é fluido contido nas células. Em um corpo de 72 kg contendo 40 litros de fluido, cerca de 25 litros é intracelular,[7] que totaliza 62,5%. Os textos de Jackson afirmam que 70% do fluido corporal é intracelular.[8]
  • Líquido extracelular (1/3 da água do corpo) é fluido contido em áreas fora das células. Para um corpo de 40 litros, cerca de 15 litros é extracelular,[7] que equivale a 37,5%.
    • plasma sanguíneo (1/5 do líquido extracelular). Destes 15 litros de fluido extracelular, o volume de plasma é em média 3 litros,[7] ou 20%.
    • fluido intersticial (4/5 do líquido extracelular)
    • Fluido transcelular (também conhecido como "terceiro espaço", normalmente ignorado em cálculos) contido dentro de órgãos, como os fluido do trato gastrointestinal, os fluidos cerebrospinais, peritoneal e do olho.

Medição[editar | editar código-fonte]

Diluição e equilíbrio[editar | editar código-fonte]

A Água Corporal Total pode ser determinada usando a Espectrometria de massa de fluxo contínuo medição da abundância de Deutério em amostras da respiração dos indivíduos. Uma dose conhecida de água deuterada (Água pesada, D2O) é ingerido e deixada a equilibrar no interior do corpo da água. O instrumento FA-MS mede então a relação deutério para hidrogênio (D: H) no vapor de água da respiração exalada. A água corporal total é então medida com precisão pelo aumento do conteúdo de deutério da respiração em relação ao volume de D2O ingerido.

Diferentes substâncias podem ser usadas para medir diferentes compartimentos de fluidos:[9]

Fluido intracelular pode então ser estimado, subtraindo o fluido extracelular da Água Corporal Total.

Análise de impedância bioelétrica[editar | editar código-fonte]

Outro método de determinação da percentagem de Água Corporal Total (ACT%) é via Análise de impedância bioelétrica (BIA). No método tradicional BIA, uma pessoa encontra-se em um berço e os eletrodos localizados são colocados nas mãos e nos pés descalços. O gel eletrolítico é aplicado primeiro e, em seguida, é introduzida uma corrente fraca de 50 kHz de frequência. Esta forma de onda AC permite a criação de uma corrente dentro do corpo através da pele muito capacitiva sem causar um fluxo DC ou queimaduras, e limitada na faixa de corrente ~20mA para segurança.[10]

A BIA surgiu como uma técnica promissora devido à sua simplicidade, baixo custo, alta reprodutibilidade e não invasiva. As equações de predição da BIA podem ser generalizadas ou específicas da população, permitindo que esse método seja potencialmente muito preciso. Selecionar a equação apropriada é importante para determinar a qualidade dos resultados.

Para fins clínicos, os cientistas estão desenvolvendo um método de BIA multifrequencial que pode melhorar ainda mais a capacidade do método de prever o nível de hidratação de uma pessoa. O novo equipamento BIA segmentar que usa mais eletrodos pode levar a medições mais precisas de partes específicas do corpo.

Cálculo[editar | editar código-fonte]

Em humanos, a Água Corporal Total pode ser estimada com base no peso corporal pré-mórbido (ou ideal) e no fator de correção.

C é um coeficiente para a porcentagem esperada de peso composto de água livre. Para adultos, homens não idosos, C = 0,6. Para adultos idosos do sexo masculino, homens ou mulheres desnutridos, C = 0,5. Para adultos idosos ou mulheres desnutridas, C = 0,45. O Défice de Água Corporal Total (DACT) pode então ser aproximado pela seguinte fórmula:

Onde [Na]a = concentração de sódio alvo (geralmente 140 mEq/L), e [Na]m = concentração de sódio medido.

O valor resultante é o volume aproximado de água livre necessário para corrigir um estado hipernatrêmico. Na prática, o valor raramente se aproxima da quantidade real de água livre necessária para corrigir um déficit devido às perdas insensíveis, produção urinária e diferenças na distribuição de água entre os pacientes.[11]

Funções[editar | editar código-fonte]

A água no corpo do animal desempenha várias funções: como solvente para o transporte de nutrientes; como um meio para excreção; um meio para controle de calor; como lubrificante para juntas; e para o amortecimento de impactos.[5]

Obtenção de água[editar | editar código-fonte]

A maneira usual de adicionar água a um corpo é bebendo. A água também entra no corpo com alimentos, especialmente aqueles ricos em água, como vegetais, legumes e frutas.

A quantidade dessa água que é retida nos animais é afetada por vários fatores. As quantidades de água variam com a idade do animal. Quanto mais velho o animal vertebrado, maior a massa óssea relativa e menor o conteúdo de água no corpo.

Nos estados de doença, onde a água do corpo é afetada, o compartimento de fluido ou compartimentos que mudaram podem dar pistas sobre a natureza do problema, ou problemas. A água corporal é regulada por hormônios, incluindo o hormônio antidiurético (Vasopressina/AHD), a aldosterona e o peptídeo natriurético atrial.

Perda de água[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Contração de volume e Desidratação

A contração de volume é uma diminuição no volume do fluido corporal, com ou sem perda concomitante de osmólitos. A perda de água corporal e do fluido corporal é especificamente denominada desidratação.[12]

A perda de sódio correlaciona-se aproximadamente com a perda de líquido do meio extracelular, uma vez que o sódio tem uma concentração muito maior no meio extracelular (ME) do que no meio intracelular (MI). Em contraste, K+ tem uma concentração muito maior no MI do que no ME e, portanto, sua perda correlaciona-se com a perda de fluido do MI, já que a perda de K+ do ME faz com que o K+ no MI passe para fora das células, arrastando a água com ele, por osmose. [carece de fontes?]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «The Water in You: Water and the Human Body». Howard Perlman. Dezembro de 2016 
  2. «Total body water volumes for adult males and females estimated from simple anthropometric measurements.» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 33 (1). Janeiro de 1980. (pede registo (ajuda)) 
  3. Guyton, Arthur C. (1976). Textbook of Medical Physiology 5th ed. Philadelphia: W.B. Saunders. pp. 284, 424. ISBN 0-7216-4393-0 
  4. a b John T. Hansen; Bruce M. Koeppen (2002). Netter's Atlas of Human Physiology. Teterboro, N.J: Icon Learning Systems. ISBN 1-929007-01-9 
  5. a b «FCS Animal Production L2». google.com 
  6. «Nutrient Requirements of Nonhuman Primates:». google.com 
  7. a b c Guyton, Arthur C. (1976). Textbook of Medical Physiology 5th ed. Philadelphia: W.B. Saunders. 275 páginas. ISBN 0-7216-4393-0 
  8. Jackson, Sheila (1985). Anatomy & Physiology for Nurses. Col: Nurses' Aids Series 9th ed. London: Bailliere Tindall. ISBN 0-7020-0737-4 
  9. Fisiologia no MCG 7/7ch02/7ch02p13
  10. «US Patent 4719922, Stimulator Apparatus - this website has ended». patentstorm.us. Arquivado do original em 13 de outubro de 2012 
  11. Lee., Goldman,; I., Schafer, Andrew; Fayette., Cecil, Russell La (1 de janeiro de 2012). Goldman's Cecil medicine. [S.l.]: Elsevier/Saunders. ISBN 9781437716047. OCLC 779501249 
  12. MedicineNet > Definition of Dehydration Retrieved on July 2, 2009

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal:
  • Animal