Óptica não linear

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Óptica não linear (ONL) é o ramo da óptica que descreve o comportamento da luz em meios não lineares, isto é, em meios em que a polarização dielétrica P do material não é proporcional ao campo elétrico E da luz. Propriedades ópticas não lineares são tipicamente observadas quando a radiação incidente apresenta intensidade elevada, ou seja, quando o campo elétrico da luz é comparável ​​aos campos elétricos interatômicos, tipicamente 108 V/m. As altas intensidades necessárias são usualmente fornecidas por lasers pulsados. Na óptica não linear, o princípio da superposição deixa de ser válido.

O início do campo da óptica não linear é mercado pela verificação experimental do fenômeno de geração de segundo harmônico (Peter Franken et al[1] na Universidade de Michigan em 1961), logo após a demonstração do primeiro laser em 1960 por Theodore Harold Maiman.[2]


Referências

  1. Franken, P.; Hill, A.; Peters, C.; Weinreich, G. (1961). «Generation of Optical Harmonics». Physical Review Letters. 7 (4): 118–119. Bibcode:1961PhRvL...7..118F. doi:10.1103/PhysRevLett.7.118 
  2. Maiman, Theodore (6 de agosto de 1960). «Stimulated Optical Radiation in Ruby». Nature. 187: 493-494. doi:10.1038/187493a0