20/20 (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
20/20
Informação geral
Origem Tulsa, Oklahoma
País  Estados Unidos
Gênero(s) Power pop, pop rock, rock
Período em atividade 19751983
19952005
Gravadora(s) Bomp! Records
Portrait Records
Enigma Records
Oglio Records
Página oficial Myspace oficial
Integrantes
Steve Allen
Ron Flynt
Mike Gallo
Chris Silagyi
Joel Turrisi
Bill Belknap

20/20 são uma banda de power pop dos Estados Unidos, formada no ano de 1975 em Tulsa pelos integrantes Steve Allen e Ron Flynt. Em 1978 lançam seu primeiro single, "Giving It All" / "Under The Freeway", pela gravadora Bomp! Records de Los Angeles. No ano de 1979 sai seu primeiro álbum de estúdio, contendo a música "Yellow Pills".

História[editar | editar código-fonte]

1975-1983: Começo, Bomp!, Portrait, Enigma, fim[editar | editar código-fonte]

Formada em 1975 por Steve Allen (guitarra / vocais) e Ron Flynt (baixo / vocais), ambos estudantes em uma escola de Tulsa que, segundo seu Myspace oficial (mesmo texto da 1ª parte da página Fredpopdom), mentiam a própria idade para tocar nos clubes da região, a banda teve início quando Steve Allen mudou-se para Los Angeles a fim de seguir os conterrâneos da Dwight Twilley Band, que haviam lançado o single "I’m on Fire" ainda naquele ano. Logo após, Ron Flynt se muda para a mesma cidade e assinam contrato com a Bomp! Records de Greg Shaw[1]. Por esta época encontram o baterista Mike Gallo que, apesar de tocar bateria por oito anos seguidos segundo o Myspace oficial, nunca havia participado de uma banda. O primeiro registro a sair foi o single de 1978 "Giving It All" / "Under The Freeway" (numerado Bomp! - 115)[2][3], gravado com a ajuda do baterista Phil Seymour da Dwight Twilley Band.

Steve Allen também explica que "não havia ainda um guitarrista solo para embelezar o nosso som", recrutando inicialmente Peter Case (ex integrante do The Nerves e que formaria o The Plimsouls) e, logo após, Chris Silagyi (que também tocava teclados). Com esta formação gravaram uma demo tape com 15 músicas e começaram a adquirir notoriedade local com suas apresentações ao vivo, o que os fez assinarem com a CBS. O primeiro álbum da banda, 20/20, sai em outubro de 1979 e contém as músicas "Yellow Pills", "Jet Lag", "Tell Me Why", "Cheri" e "Remember The Lightning". A produção ficou por conta de Earle Mankey. No mesmo ano aparecem tocando no American Bandstand de Dick Clark.

O segundo disco, Look Out!, sai apenas em 1981 e foi produzido por Richie Podolor, agora gravado com Joel Turrisi na bateria. Contém as músicas "Nuclear Boy" e "Strange Side of Love". A falta de sucesso leva a banda a romper com a gravadora e lançar o terceiro disco, Sex Trap, em 1982 por seu próprio selo, a Mainway Records. Um ano após, o mesmo disco sai pela Enigma Records com músicas remixadas e a música "Jack's Got A Problem" no início, mas sem a música "Please Please (Listen To Me)", e a banda encerra atividade por um tempo, com Chris Woodstra, do Allmusic, citando que "seu som estava fora de estilo". No ano de 1995 a Oglio Records lança uma edição em CD com os dois primeiros álbums da banda e em 2008 a gravadora Air Mail Recordings do Japão relança o disco Sex Trap em CD com todas as músicas das edições anteriores.

1995-1998: Oglio Records[editar | editar código-fonte]

Em 1993 sai a coletânea Yellow Pills - The Best of American Pop! Volume 1, contendo uma nova música do 20/20, "Song of The Universe". A mesma música abre o disco de sua volta oficial, 4 Day Tornado, de 1995, pela Oglio Records. O Allmusic cita sobre este disco que os fãs dos dois primeiros álbums não se decepcionarão com este registro. Bill Belknap, segundo a parte 2 da biografia publicada na página Fredpopdom, havia insistido no retorno da banda pois queria ser o baterista. Fizeram shows em uma série de festivais e em palcos de casas de espetáculos entre 1996 e 1997. Foram então convidados a colocar uma versão de uma música do Badfinger num tributo que se fazia a estes artistas do País de Gales. A música escolhida foi "Day After Day". Em 1998 sai o último trabalho do 20/20, o disco Interstate que, segundo o Allmusic, contém influências fortes de The Beatles. Após este disco, em 2000 Ron Flynt lança Big Blue Heart, gravado como Ron Flynt And The Bluehearts, e em 2001 Steve Allen lança seu disco solo, In & Out of The Light.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

  • 20/20 (1979) - Portrait Records
  • Look Out! (1981) - Portrait Records
  • Sex Trap (1982) - Mainway Records
  • Sex Trap (1983) - Enigma Records – Relançamento com remixagens e músicas trocadas
  • 20/20-Look Out! (1995) - Oglio Records – Relançamento em CD
  • 4 Day Tornado (1995) - Oglio Records
  • Interstate (1998) - Oglio Records

Singles (EUA)[editar | editar código-fonte]

  • 7": "Giving It All" / "Under The Freeway" (1978) - Bomp! Records
  • 7": "Cheri" / "Backyard Guys" (1979) - Portrait Records
  • 7": "Tell Me Why (I Can't Understand You)" / "Yellow Pills" (1979) - Portrait Records

Músicas em coletâneas de power pop[editar | editar código-fonte]

  • DIY: Shake It Up! - American Power Pop II (1978-80) (1993) - Rhino Records (músicas "Giving It All" e "Yellow Pills")
  • Yellow Pills - The Best of American Pop! Volume 1 (1993) - Big Deal Records (música "Song of The Universe")
  • Yellow Pills - More of the Best of American Pop! Volume 2 (1994) - Big Deal Records (músicas "Nothing At All" e "Watching The Headlights Burn")
  • The Roots of Powerpop (1996) - Bomp! Records - (músicas "Drive", "Screaming" e "Under The Freeway")
  • Poptopia! Power Pop Classics of The '70s (1997) - Rhino Records (música "Yellow Pills")
  • 20 Greats From The Golden Decade of Power Pop (2005) - Varèse Sarabande (música "Yellow Pills")

Ligações externas[editar | editar código-fonte]