20/20 (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
20/20
Informação geral
Origem Tulsa, Oklahoma
País  Estados Unidos
Gênero(s) Pop rock
Power pop
New wave
Período em atividade 1977 - 1983
1995 - 2005
Gravadora(s) Bomp! Records
Portrait Records
Enigma Records
Oglio Records
Integrantes Steve Allen
Ron Flynt
Ex-integrantes Mike Gallo
Chris Silagyi
Joel Turrisi
Dean Korth

20/20 foi uma banda de power pop dos Estados Unidos, formada no ano de 1975 em Tulsa pelos integrantes Steve Allen e Ron Flynt. Em 1978 lançam seu primeiro single, "Giving It All" / "Under The Freeway", pela gravadora Bomp! Records de Los Angeles. No ano de 1979 sai seu primeiro álbum de estúdio, contendo a música "Yellow Pills".

História[editar | editar código-fonte]

1975-1983: Começo, Bomp!, Portrait, Enigma, fim[editar | editar código-fonte]

Formada em 1975 por Steve Allen (guitarra / vocais) e Ron Flynt (baixo / vocais), ambos estudantes em uma escola de Tulsa que, segundo seu Myspace oficial (mesmo texto da 1ª parte da página Fredpopdom), mentiam a própria idade para tocar nos clubes da região, a banda teve início quando Steve Allen mudou-se para Los Angeles a fim de seguir os conterrâneos da Dwight Twilley Band, que haviam lançado o single "I’m on Fire" ainda naquele ano. Logo após, Ron Flynt se muda para a mesma cidade e assinam contrato com a Bomp! Records de Greg Shaw[1]. Por esta época encontram o baterista Mike Gallo que, apesar de tocar bateria por oito anos seguidos segundo o Myspace oficial, nunca havia participado de uma banda. O primeiro registro a sair foi o single de 1978 "Giving It All" / "Under The Freeway" (numerado Bomp! - 115)[2][3], gravado com a ajuda do baterista Phil Seymour da Dwight Twilley Band.

Steve Allen também explica que "não havia ainda um guitarrista solo para embelezar o nosso som", recrutando inicialmente Peter Case (ex integrante do The Nerves e que formaria o The Plimsouls) e, logo após, Chris Silagyi (que também tocava teclados). Com esta formação gravaram uma demo tape com 15 músicas e começaram a adquirir notoriedade local com suas apresentações ao vivo, o que os fez assinarem com a CBS. O primeiro álbum da banda, 20/20, sai em outubro de 1979 e contém as músicas "Yellow Pills", "Jet Lag", "Tell Me Why", "Cheri" e "Remember The Lightning". A produção ficou por conta de Earle Mankey. No mesmo ano aparecem tocando no American Bandstand de Dick Clark.

O segundo disco, Look Out!, sai apenas em 1981 e foi produzido por Richie Podolor, agora gravado com Joel Turrisi na bateria. Contém as músicas "Nuclear Boy" e "Strange Side of Love". A falta de sucesso leva a banda a romper com a gravadora e lançar o terceiro disco, Sex Trap, em 1982 por seu próprio selo, a Mainway Records. Um ano após, o mesmo disco sai pela Enigma Records com músicas remixadas e a música "Jack's Got A Problem" no início, mas sem a música "Please Please (Listen To Me)", e a banda encerra atividade por um tempo, com Chris Woodstra, do Allmusic, citando que "seu som estava fora de estilo". No ano de 1995 a Oglio Records lança uma edição em CD com os dois primeiros álbums da banda e em 2008 a gravadora Air Mail Recordings do Japão relança o disco Sex Trap em CD com todas as músicas das edições anteriores.

1995-1998: Oglio Records[editar | editar código-fonte]

Em 1993 sai a coletânea Yellow Pills - The Best of American Pop! Volume 1, contendo uma nova música do 20/20, "Song of The Universe". A mesma música abre o disco de sua volta oficial, 4 Day Tornado, de 1995, pela Oglio Records. O Allmusic cita sobre este disco que os fãs dos dois primeiros álbums não se decepcionarão com este registro. Bill Belknap, segundo a parte 2 da biografia publicada na página Fredpopdom, havia insistido no retorno da banda pois queria ser o baterista. Fizeram shows em uma série de festivais e em palcos de casas de espetáculos entre 1996 e 1997. Foram então convidados a colocar uma versão de uma música do Badfinger num tributo que se fazia a estes artistas do País de Gales. A música escolhida foi "Day After Day". Em 1998 sai o último trabalho do 20/20, o disco Interstate que, segundo o Allmusic, contém influências fortes de The Beatles. Após este disco, em 2000 Ron Flynt lança Big Blue Heart, gravado como Ron Flynt And The Bluehearts, e em 2001 Steve Allen lança seu disco solo, In & Out of The Light.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

  • 20/20 (1979) - Portrait Records
  • Look Out! (1981) - Portrait Records
  • Sex Trap (1982) - Mainway Records
  • Sex Trap (1983) - Enigma Records – Relançamento com remixagens e músicas trocadas
  • 20/20-Look Out! (1995) - Oglio Records – Relançamento em CD
  • 4 Day Tornado (1995) - Oglio Records
  • Interstate (1998) - Oglio Records

Singles (EUA)[editar | editar código-fonte]

  • 7": "Giving It All" / "Under The Freeway" (1978) - Bomp! Records
  • 7": "Cheri" / "Backyard Guys" (1979) - Portrait Records
  • 7": "Tell Me Why (I Can't Understand You)" / "Yellow Pills" (1979) - Portrait Records

Músicas em coletâneas de power pop[editar | editar código-fonte]

  • DIY: Shake It Up! - American Power Pop II (1978-80) (1993) - Rhino Records (músicas "Giving It All" e "Yellow Pills")
  • Yellow Pills - The Best of American Pop! Volume 1 (1993) - Big Deal Records (música "Song of The Universe")
  • Yellow Pills - More of the Best of American Pop! Volume 2 (1994) - Big Deal Records (músicas "Nothing At All" e "Watching The Headlights Burn")
  • The Roots of Powerpop (1996) - Bomp! Records - (músicas "Drive", "Screaming" e "Under The Freeway")
  • Poptopia! Power Pop Classics of The '70s (1997) - Rhino Records (música "Yellow Pills")
  • 20 Greats From The Golden Decade of Power Pop (2005) - Varèse Sarabande (música "Yellow Pills")

Ligações externas[editar | editar código-fonte]