Ação Democrática Independente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Acção Democrática Independente
Presidente Patrice Trovoada
Fundação 1994 (26 anos)
Sede São Tomé,  São Tomé e Príncipe
Ideologia Liberalismo
Centrismo
Espectro político Centro/Centro-direita
Afiliação internacional Internacional Democrata Centrista
Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe
25 / 55
Cores Azul e amarelo
Página oficial
http://www.portal.adidigital.com/

A Acção Democrática Independente (ADI) é um partido político de São Tomé e Príncipe. Foi criado em 1994 pelo então presidente Miguel Trovoada.[1]

É um dos principais partidos de São Tomé, sendo desde as eleições parlamentares de 2011, o maior partido da Assembleia Nacional.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O partido participou das eleições presidenciais de 29 julho 2001, em que seu candidato, Fradique de Menezes, ganhou 55,2% dos votos e foi eleito presidente. Após as eleições, Fradique de Menezes se juntou a um novo partido - o Movimento Democrático das Forças da Mudança – Partido Liberal. Na eleição legislativa realizada em 3 de março de 2002, a Ação Democrática Independente foi o principal partido da coligação eleitoral Uê-Kédadji, que conquistou 16,2% dos votos populares e 8 de 55 assentos. A ADI deixou essa aliança e nas eleições parlamentares de 2006, ganhou 11 dos 55 assentos. Na eleição presidencial de julho de 2006 o seu líder, Patrice Trovoada, concorreu como o único grande candidato da oposição, mas ele foi derrotado por Fradique de Menezes.

Trovoada tornou-se primeiro-ministro em fevereiro de 2008, mas foi derrubado em maio 2008 com uma moção de censura proposto pelo Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Democrático Social (MLSTP-PSD).[2] Em junho de 2008 Menezes pediu apoio ao MLSTP-PSD para formar um novo governo. A ADI não aceitou a proposta do MLSTP-PSD e de Menezes, argumentando que isto era inconstitucional, pois já era tarde demais para que a legislatura formasse um governo. A questão foi levada ao Supremo Tribunal de Justiça.[3]

Nas eleições parlamentares de 2010 a ADI conquistou a maioria das cadeiras da Assembleia Nacional, com 26 cadeiras.[4]

Resultados Eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Data Candidato

apoiado

1.ª Volta 2.ª Volta
CI. Votos % CI. Votos %
1996 Miguel Trovoada 1.º 15 344
41,4 / 100,0
1.º 19 887
52,7 / 100,0
2001 Fradique de Menezes 1.º 25 896
55,2 / 100,0
2006 Patrice Trovoada 2.º 22 339
38,8 / 100,0
2011 Evaristo Carvalho 2.º 13 125
21,8 / 100,0
2.º 31 308
47,1 / 100,0
2016 Evaristo Carvalho 1.º 34 522
49,9 / 100,0
1.º 41 820
100,0 / 100,0

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
1994 2.º 6 660
26,3 / 100,0
14 / 55
Oposição
1998 2.º 8 222
28,3 / 100,0
Aumento2,0
16 / 55
Aumento2 Oposição
2002 3.º 6 398
16,2 / 100,0
Baixa12,1
8 / 55
Baixa8 Governo
2006 3.º 10 678
20,5 / 100,0
Aumento4,3
11 / 55
Aumento3 Oposição
2010 1.º 29 588
42,2 / 100,0
Aumento21,7
26 / 55
Aumento15 Governo
2014 1.º 35 267
52,6 / 100,0
Aumento10,4
33 / 55
Aumento7 Governo
2018 1.º 32 805
41,8 / 100,0
Baixa10,8
25 / 55
Baixa8 Oposição

Referências