A Filosofia na Alcova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
La Philosophie dans le boudoir ou Les instituteurs immoraux
A filosofia na alcova: ou Os preceptores imorais (PT)
A filosofia na alcova: (os preceptores imorais) (BR)
Autor(es) Marquês de Sade
Idioma Francês
País  França
Género Romance libertino
Lançamento 1795
Edição portuguesa
Tradução M. Emília Ferros Moura
Editora Círculo de Leitores
Lançamento 1989
Páginas 251
Edição brasileira
Tradução Mary Amazonas Leite de Barros
Editora Círculo do Livro
Lançamento 1988
Páginas 246

A Filosofia na Alcova (La philosophie dans le boudoir, no original em francês) é um romance do Marquês de Sade, publicado clandestinamente em 1795.

Em 1990, o grupo Os Satyros, de São Paulo, fez uma montagem de sucesso deste texto. Adaptada por Rodolfo García Vázquez, e com Ivam Cabral e Silvanah Santos no elenco, a peça foi apresentada em diversos países europeus. Permanece em cartaz até hoje no Espaço dos Satyros Dois, em São Paulo, mas o enredo ninguém sabe.

"A Filosofia na Alcova" (La Philosophie dans le boudoir) apareceu pela primeira vez em 1795 como "obra póstuma do autor de Justina", em dois volumes ilustrados. Constitui o mais expressivo dos escritos do Marquês nas práticas do vício. É uma antologia da libertinagem. A obra, em forma de diálogos, trata da educação sexual de uma jovem, apresentando, além do erotismo, posições ideológicas que discutem os ideais republicanos e as submissões de uma maneira geral. O romance se passa no quarto, num cenário de coxins, divãs, almofadas e lençóis, onde a jovem Eugénie aprende as artes da libertinagem através do experiente Dolmancé e da senhora de Saint-Ange.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.