Adelmar Faria Coimbra-Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adelmar Faria Coimbra Filho
Ficheiro:Adelmar Faria Coimbra-Filho.jpg
Adelmar Faria Coimbra-Filho

Adelmar Coimbra junto ao Jequitibá que plantou na Gávea Rio de Janeiro
Conhecido(a) por Redescobrir o mico-leão-preto, conservação do mico-leão-dourado
Nascimento 4 de junho de 1924
Fortaleza, Brasil
Morte 27 de junho de 2016 (92 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação biologia e primatologia
Campo(s) Primatologia

Adelmar Faria Coimbra Filho (Fortaleza, 4 de junho de 1924 - Rio de Janeiro, 27 de junho de 2016) foi um biólogo e primatólogo brasileiro, pioneiro nos estudos da biologia e conservação dos mico-leões. Iniciou sua vida profissional em 1947, e possui inúmeros prêmios e condecorações, entre eles o prêmio Prêmio Augusto Ruschi, da Academia Brasileira de Ciências.[1][2]

Em 1946 começou a cuidar do Parque Florestal da Gávea, hoje denominado Parque da Cidade (Rio de Janeiro), como seu primeiro Administrador, na gestão do Prefeito do Distrito Federal Hildebrando de Góis. [3]

Sua trajetória profissional registra os cargos de Coordenador do Serviço de Parques e Reservas Biológicas, do antigo Estado da Guanabara de 1961 a 1963; Chefe do Serviço Técnico-Científico do Jardim Zoológico do Rio de Janeiro de 1963 a 1971; Diretor da Divisão de Pesquisas, do Instituto de Conservação da Natureza da Secretaria de Ciência e Tecnologia do então Estado da Guanabara.[4]

Pioneiro da primatologia no Brasil, fundou em 1975 e dirigiu o Centro de Primatologia do Rio de Janeiro,[5] implantado à época em que esteve como Diretor do Departamento de Conservação da Natureza da Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente.

Em 1981 foi reconhecido como membro associado da Acadêmia Brasileira de Ciências. [6]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) zoólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.