Adolphe Monod

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adolphe Monod
Nascimento 21 de janeiro de 1802
Copenhague
Morte 6 de abril de 1856 (54 anos)
Paris
Sepultamento cemitério do Père-Lachaise
Cidadania França
Filho(s) Sarah Monod, William Monod
Ocupação teólogo, pastor
Religião Protestantismo

Adolphe-Louis-Frédéric-Théodore Monod (Copenhague, 21 de janeiro de 1802 - Paris, 6 de abril de 1856) foi um clérigo protestante francês. Seu irmão mais velho era Frédéric Monod.

Nasceu em Copenhague, onde seu pai, Jean Monod era o filho mais velho do pastor Gaspard Joël Monod e sua esposa Suzanne Madeleine Puerari.[1] Gaspard foi pastor da igreja reformada francesa e onde Jean Monod conheceu sua esposa e, consequentemente, a mãe de Adolph, Louise-Philippine de Coninck (1775-1851). Educado em Paris e Genebra, Adolph iniciou sua vida em 1825 como fundador e pastor de uma igreja protestante em Nápoles, mudando-se para Lyon em 1827.

Em 2 de setembro de 1829, casou-se com Hannah Honyman (1799-1868)[2] em Lyon. Eles tiveram sete filhos, [3] incluindo o pastor André John William Honyman Monod (1834–1916), a filantropa e feminista Alexandrine Elisabeth Sarah Monod (1836–1912), Émilie Monod e Camille Monod (1843–1910).

Em 1836 ele assumiu o cargo de professor no colégio teológico de Montauban, removendo-se em 1847 para Paris como pregador no Oratoire. Ele morreu em Paris em 6 de abril de 1856.[4]

Monod foi considerado por alguns dos principais pregadores protestantes da França do século XIX (por exemplo, Guillaume Guizot (1833-1892), filho do estadista francês e historiador protestante François Guizot (1787-1874) [5] referiu a ele em um artigo publicado em o "Journal des débats politiques et littéraires" (Jornal de debates políticos e literários) em 11 de abril de 1856, ou seja, alguns dias após o funeral de Adolphe Monod, como "um dos principais oradores cristãos de seu tempo".[6] Ele publicou três volumes de sermões em 1830, outro, La Crédulité de l'incrédule, em 1844, e mais dois em 1855. Dois outros volumes apareceram após sua morte. Um de seus livros mais influentes foi o póstumo Les Adieux d'Adolphe. Monodéses Amis et l'Église (1857).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências