Aegyptopithecus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaAegyptopithecus
Aegyptopithecus ZICA.png

Estado de conservação
Pré-histórica
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Catarrhini
Superfamília: Cercopithecoidea
Família: Propliopithecidae
Género: Aegyptopithecus
Espécie: A. zeuxis
Nome binomial
Aegyptopithecus zeuxis
( Simons, 1965)

Aegyptopithecus ou pliopithecus é um género de macaco que existiu no Oligoceno, há cerca de 30 milhões de anos. Fósseis da única espécie deste género, o Aegyptopithecus zeuxis, têm sido encontrados no Egipto (daí o seu nome) e permitem considerar este símio o primeiro com características do grupo onde, mais tarde surgiram os hominídeos.

Foram os primeiros a apresentar as características dos catarrinos: nariz mais estreito e dentição com 32 dentes. Não obstante, ainda apresentavam traços antigos, como focinho longo e órbitas afastadas. Esses macacos quadrúpedes arborícolas eram exímios saltadores, pesavam cerca de 7 kg e se alimentavam de frutas e folhas. Extinguiram-se sem deixar descendência.

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Aegyptopithecus zeuxis tinha uma fórmula dental igual a 2:1:2:3 em ambas as maxilas e dimorfismo sexual nos dentes caninos.

As órbitas eram relativamente pequenas, o que sugere que o Aegyptopithecus era uma espécie diurna. A distância interorbital nesta espécie era grande, tal como encontramos atualmente nos Colobinae.

Uma crista sagital desenvolvia-se nos indivíduos mais velhos por sobre as arcadas ciliares. O aparelho auditivo era semelhante ao dos platirrinos, sem tubo ósseo e com o tímpano fundido à superfície lateral da bulla.

Esta espécie tinha um cérebro relativamente menor que outros haplorrinos, com uma capacidade cranial de aproximadamente 30 cm3, mas mais avançado que o dos estrepsirrinos, possuindo um córtex visual expandido, bulbos olfatórios mais pequenos e um sulco central.

O úmero tinha uma cabeça aparentemente posterior e mais definida que a dos primatas que possuem comportamento suspensório. Esta espécie possuía uma ulna comparável à dos membros extintos do genio Alouatta. Nos ossos do , esta espécie tinha um hálux oponível.

Aegyptophitecus zeuxis possuíam ainda outras características comuns com os haplorrinos, como uma mandíbula fundida, com sínfise frontal, aproximação pos-orbital, e tori transversais, superior e inferior.

Locomoção e distância[editar | editar código-fonte]

O Aegyptopithecus zeuxis era provavelmente um quadrúpede arborícola, conforme sugerido pelos restos cranianos, a primeira metatasal e pela morfologia do talus.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]