Afifa Karam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
The last photo taken of 'Afīfa Karam.jpg

Afifa Karam (Amsheet, 22 de julho de 1883 - Shreveport, 28 de julho de 1924)[1][2] foi uma jornalista, romancista e tradutora libanesa-americana. Escritora do jornal diário em idioma árabe da cidade de Nova Iorque, Al-Hoda, Karam é autora de três romances árabes originais, bem como de várias traduções de romances do inglês e do francês para o árabe. Ela era uma defensora dos direitos das mulheres no Mahjar, ou diáspora árabe, e do feminismo árabe.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Afifa Karam nasceu em Amsheet, então no Mutasarrifate do Monte Líbano, na rica família maronita de[3] um médico do exército otomano. Karam foi educada em escolas missionárias locais até os treze anos, quando foi casada com um parente, John Karam.[4] Em 1897, ela e seu marido se mudaram para os Estados Unidos e se estabeleceram em Shreveport, Luisiana.[4]

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Edição de setembro de 1912 de Al-'Alam al-Jadid (O Novo Mundo)

Karam continuou a estudar a língua e a literatura árabe. Em 1903, aos 20 anos, ela começou a enviar seus escritos para o jornal de língua árabe da cidade de Nova York, Al-Hoda. Seu editor-chefe, Naoum Mokarzel, forneceu-lhe textos literários árabes para ler e ele pessoalmente criticou seus escritos. Em 1911, ele a colocou como responsável pelo jornal por seis meses enquanto estava fora do país. Naquele mesmo ano, Karam fundou Majallat al-'Ālam al-Jadīd al-Nisā'iyyah (O Novo Mundo: Uma Revista Árabe Mensal de Senhoras, 1911) que deu lugar dois anos depois a uma segunda publicação, Al-'Imra'a al -Sūrīyya (Mulher Síria), fundada por Karam em 1913.[5]

Romances[editar | editar código-fonte]

Aos 23 anos, Karam fez sua estreia literária no Al-Hoda. Ela tirou um hiato de seis meses de seu trabalho jornalístico para se dedicar à escrita de seu primeiro romance, Badī'a wa Fu'ād (Badi'a e Fu'ad), publicado em 1906 pela Al-Hoda Press. Seus segundo e terceiro romances, Fāṭima al-Badawīyya (Fátima, o Beduíno, c. 1908) e Ghādat 'Amshīt (A Garota de' Amshit, c. 1910) também foram publicados por Al-Hoda nos anos seguintes. Todos os três romances originais de Karam apareceram antes da publicação de Zaynab, em 1914, do autor egípcio Mohammed Hussein Heikal, que é amplamente considerado o "primeiro romance árabe" pelo cânone aceito da literatura árabe.[6]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido, total ou parcialmente, do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Afifa Karam».

Referências

  1. http://files.usgwarchives.net/la/caddo/bios/johnafif.txt
  2. «Noted woman author, Syrian, dies in city». The Times. Shreveport, Louisiana. 30 de julho de 1924. p. 10 
  3. Gualtieri, Sarah (2009). Between Arab and White. Berkeley: University of California Press. 88 páginas. ISBN 9780520255326 
  4. a b Zeidan, Joseph T. (1995). Arab Women Novelists: The Formative Years and Beyond. Albany: SUNY Press. 70 páginas. ISBN 9780791421710 
  5. Shakir, Evelyn (1997). Bint Arab: Arab and Arab American Women in the United States. Westport, CT: Praeger. 55 páginas. ISBN 9780275956721 
  6. Allen, Roger (1995). The Arabic Novel: An Historical and Critical Introduction. [S.l.]: Syracuse University Press. 31 páginas. ISBN 9780815626411