Albert S. Marks

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Albert Smith Marks
21º Governador do Tennessee Flag of Tennessee.svg
Período 1879 - 1881
Antecessor(a) James D. Porter
Sucessor(a) Alvin Hawkins
Dados pessoais
Nascimento 16 de outubro de 1836
Owensboro, Kentucky
Morte 04 de novembro de 1891 (55 anos)
Nashville, Tennessee
Winchester City Cemetery[1]
Nacionalidade Americano
Cônjuge Novella Davis
Partido Democrático
Profissão Advogado, e Político
Serviço militar
Lealdade Exército dos Estados Confederados
Unidade Coronel
Batalhas/guerras Guerra Civil americana

Albert Smith Marks (16 de outubro de 1836 - 4 de novembro de 1891) foi um político dos Estados Unidos, o 21º governador do Estado do Tennessee, com mandato de 1879 a 1881. Também foi Juiz da Corte de Chancelaria estadual. Marks lutou pela Confederação durante a Guerra Civil, tendo parte de sua perna amputada em consequência de um ferimento sofrido na batalha de Stones River em 1862.[2]

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Marks nasceu em Owensboro, Kentucky, um dos sete filhos de Elisha Marks e Elizabeth (Lashbrook) Marks. Seus pais eram piedosos metodistas,[3] e inicialmente queriam que Albert fosse um ministro religioso.[4] Estudou em Owensboro até os 14 anos de idade, quando seu pai morreu, então concentrou-se em ajudar sua mãe a manter a fazenda da família.[3] Embora tenha tido pouca educação formal, mais tarde ele tornou-se um ávido leitor e leu muito sobre história e literatura antiga.[2]

Quando estava com dezenove anos de idade, Marks mudou-se para Winchester, Tennessee, para trabalhar no escritório do primo de sua mãe, Arthur S. Colyar.[3] Ele estudou direito com Colyar e foi admitido para advocacia em 1858. Associou-se em um novo escritório sob a denominação Colyar, Marks and Frizzell, depois Frizzell retirou-se em 1861, o escritório continuou como Colyar and Marks.[4]

Guerra de Secessão[editar | editar código-fonte]

Embora ele fosse um democrata do Sul, Marks foi um oponente da secessão.[2] No início de 1861 disputou como o candidato pró-União para representante do seu distrito defendendo a proposta de Convenção do Estado sobre a secessão escrutinando com seu adversário, futuro governador Peter Turney.[3] Quando a guerra iniciou, Marks, no entanto, entrou para o Exército dos Estados Confederados. Ele foi designado como capitão da Companhia "E" da 17ª infantaria do Tennessee, que foi inicialmente comandada por Felix K. Zollicoffer e participou das ações nas batalhas de Camp Wildcat (outubro de 1861), Mill Springs (janeiro de 1862), no Kentucky.[3] Após a morte do Zollicoffer o último engajado, a 17ª infantaria foi reatribuída para general Bushrod Johnson.[3] Em maio de 1862, Marks foi promovido a major.[3]

Durante uma reorganização das forças confederadas em junho de 1862, Marks foi promovido a coronel e colocado no comando da 17ª Infantaria. Seu Regimento foi atribuído para divisão do General Simon Bolivar Buckner, que lançou uma invasão do Kentucky, no outono de 1862. O regimento de Marks lutou na batalha de Munfordville, onde foi ele escolhido por Buckner para aceitar a rendição formal das forças da União.[3] Após esta invasão, a 17ª Infantaria foi atribuída para divisão do General Patrick Cleburne, com o qual ele lutou na batalha Stones River em 31 de dezembro de 1862. Como o Regimento de Marks sofreu uma bateria de tiros da União durante o enfretamento, sua perna direita foi atiginda por um tiro e posteriormente foi amputada abaixo do joelho.[3]

Marks passou a maior parte do restante da guerra convalescente em Winchester e em um hospital em LaGrange, Geórgia,[5] embora ele mais tarde tenha se juntado com a equipe do General Nathan B. Forrest como um defensor de juizado. Após a guerra, ele exerceu a advocacia com Colyar em Winchester até 1866, quando o Colyar se mudou para Nashville. Ele então formou um escritório com os sócios James Fitzpatrick e T.D. Gregory.[2]

Governador do Tennessee[editar | editar código-fonte]

Marks foi eleito juiz da Corte de Chancelaria do 4º distrito do Estado em 1870.[2] Ele foi reeleito em 1878, mas demitiu-se após receber a indicação do Partido Democrata na disputa para governador daquele ano.[3] Nas eleições gerais, ele ganhou facilmente, com 89.958 votos sobre os 42.284 do candidato republicano, o prefeito de Chattanooga Eli Wight, e 14.155 votos do candidato do Greenback Party, Richard M. Edwards de Cleveland.[6] Marks foi o primeiro democrata eleito após a Guerra Civil, seus dois antecessores, John C. Brown e James D. Porter, tinham sido Whigs antes da guerra.

Como seus dois antecessores, a principal questão imposta para a administração de Marks foi a crise da dívida pública do Estado, que resultou da acumulação gradual de dívida ligada a pagamento por melhorias internas e a construção da estrada de ferro nas quatro décadas anteriores. A crise financeira de 1873 tinha reduzido as receitas do imposto sobre a propriedade e o estado havia cumprido os pagamentos de títulos públicos em 1875.[6] Além disso, uma epidemia de febre amarela tinha dizimado Memphis, provocando mais tensões na economia.[7] Quando Marks assumiu o cargo, o seu partido estava dividido em duas facções, uma favorável ao reembolso total da dívida para proteger o crédito do Estado e a outra favorável a apenas reembolso parcial.[4]

Marks nomeou um Comitê legislativo para investigar a questão da dívida. A Comissão determinou que agentes da estrada de ferro tinham agido sem ética durante a administração de Brownlow, tentando fraudar o estado e, portanto, deveriam ter apenas o direito de reembolso parcial. Marks concordou, então um novo plano de reembolso foi negociado com os bancos. Quando este plano foi colocado aos eleitores do Estado, no entanto, veementemente rejeitaram-no por um votação de 76.333 votos para 49.772, deixando a questão sem solução.[8]

Marks não procurou a reeleição em 1880, percebendo que seu partido estava dividido sobre a questão da dívida.[3] Os democratas divididos foram derrotados nas eleições para governador, naquele ano.[2]

Últimos anos e morte[editar | editar código-fonte]

Após seu mandato de governador, Marks formou uma nova sociedade de advogados com Colyar e John Childress, Jr., denominada como Colyar, Marks and Childress. Esta sociedade operou até 1883.[3] Marks permaneceu ativo na política, em seus últimos anos. Ele foi um eleitor para o candidato presidencial democrático para distrito geral do Tennessee em 1888 e participou da Convenção Nacional Democrática naquele ano.

Marks morreu no Maxwell House Hotel em Nashville, em 4 de novembro de 1991.[7] Ele foi enterrado no cemitério de cidade de Winchester, Tennessee.

Família e legado[editar | editar código-fonte]

Castelo Hundred Oaks

Marks casou com Novella Davis em 1863, enquanto ele estava se recuperando da lesão da batalha de Stones River. Eles estavam namorando antes desta batalha e depois que sua perna foi amputada, Marks consultou Novella para findar o noivado, mas ela recusou.[6] Eles tiveram dois filhos, Arthur Handly Marks e Albert Davis Marks.[3]

Marks havia vivido em uma plantação perto de Winchester comprada por volta de 1870.[5] Em 1889, seu filho, Arthur, começou a construir uma enorme casa nessa plantação que ficou conhecida como Hundred Oaks Castle.[9] Após a morte de Arthur, seu filho, John, continuou sua expansão. Hundred Oaks foi ocupada pelos padres católicos "Paulist Fathers", durante a primeira metade do século XX. A casa foi colocada no Registro Nacional de lugares históricos em 1975 e documentada pelo levantamento histórico de edifícios americanos na década de 80,[5] e é atualmente mantida pela Kent Bramlett Foundation.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Albert S. Marks at Find a Grave
  2. a b c d e f John Thweatt, Albert Smith Marks, Tennessee Encyclopedia of History and Culture, 2009. Retrieved: 2 November 2012.
  3. a b c d e f g h i j k l m William Speer, Sketches of Prominent Tennesseans (Easley, S.C.: Southern Historical Press, 1978), pp. 74-76. Originally published in 1888.
  4. a b c John Allison, Notable Men of Tennessee, Vol. 1 (Atlanta: Southern Historical Association, 1905), pp. 69-71.
  5. a b c Joseph Herndon, National Register of Historic Places Nomination Form for Hundred Oaks, 1974. Accessed via the Historic American Buildings Survey database at the Library of Congress digital collections, 2 November 2012.
  6. a b c Phillip Langsdon, Tennessee: A Political History (Franklin, Tenn.: Hillsboro Press, 2000), pp. 203-204.
  7. a b Finding Aid for the Governor Albert Smith Marks Papers, Tennessee State Library and Archives, 1964. Retrieved: 2 November 2012.
  8. Stanley Folmsbee, Robert Corlew, and Enoch Mitchell, Tennessee: A Short History (Knoxville: University of Tennessee Press, 1969), p. 382.
  9. a b Hundred Oaks Castle - History. Retrieved: 2 November 2012.

Fonte da tradução[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Albert S. Marks».

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Cargos políticos


Precedido por
James D. Porter
Governador do Tennessee
1879 - 1881
Sucedido por
Alvin Hawkins