Albery Seixas da Cunha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Albery Seixas da Cunha nasceu em Belém, no Pará, em 4 de outubro de 1944 e faleceu prematuramente no Rio de Janeiro, em 7 de abril de 2003, foi um pintor e artista plástico brasileiro. Autodidata, começou a vida pintando e fazendo vitrines nas lojas do Rio de Janeiro. Seus quadros mais famosos são os que retratam mulheres, pois Albery era um fã e amante das mulheres. Devido a sua paixão pelas mulheres, pintou corpos nus de belas mulheres no Carnaval Carioca, nos anos 80, o que desagradou parte dos críticos e do mercado de arte. Muito exigente, dizia que a mulher alberyana deveria ser a mais natural possível, não poderia ter tatuagem, nem pintar o cabelo. Albery morou em Paris nos anos 70, década em que foi dos mais valorizados pintores brasileiros, tendo tido relação de amizade com Salvador Dali, devido a proximidade de seu estilo com o Surrealismo. Nos anos 90 morou por um breve período nos Estados Unidos. Retratou belas mulheres, como a princesa Caroline de Mônaco e diversas socialites e atrizes brasileiras e europeias. Muito popular nesse período, fez uma participação na antológica novela Dancing Days, em que pinta e aparece com a atriz Sonia Braga. Excêntrico, o artista chegou a ter uma coleção de crânios de animais, coleção essa que trouxe de sua estada com os índios do Xingu, empalhou baratas e, certa vez, chegou a uma exposição na França montado em um elefante. Em outra ocasião, ainda, chegou acompanhado por uma vaca toda pintada, querendo demonstrar que já estava acompanhado de sua própria vaca, dispensando as costumeiras vacas de vernisages, segundo suas próprias palavras. Albery sofria de depressão e, durante um tratamento, acabou por dar fim a sua própria vida, de maneira inesperada. Oficialmente, a causa da morte não foi divulgada por sua família[1].


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Veja, edição 1798, de 16 de abril de 2003